Episódios do podcast

#155 - Samba

Gays podem frequentar rodas de samba, mas não têm permissão para sambar

Essa semana o LADO BI conversa sobre a relação que LGBTs têm com o samba. Ricky Ladislau, passista da escola de samba paulistana Tom Maior, Mauricio Lima, DJ das festas Catuaba e Clareô, e Aidée Cristina, compositora e integrante da banda Samba de Rainha, contestam a ideia de que LGBTs preferem música estrangeira. “Tem pessoas ainda que têm preconceito de dizer que gostam de samba, principalmente pessoas do grupo LGBT”, lamenta Ladislau; Lima, porém, aponta a situação está mudando: “Na Catuaba, que não é uma festa voltada exclusivamente para o público LGBT, chega uma galera jovem em peso e ocupa a festa – 80% da festa é público LGBT”. Nas rodas de samba e festas tradicionais, garantem, LGBTs são bem vindos, com algumas restrições: “quando um gay chega e samba demais, acaba atraindo a amizade das mulheres e tira a atenção dos héteros. Por isso, muitas vezes os gays podem frequentar, mas não podem sambar”, lembra Lima. Nas escolas de samba, comemora Ladislau, LGBTs sentem-se em casa: “O ambiente e tranquilo com relação a LGBTs em geral. Ser homossexual não é barreira, nem mesmo para uma mulher se tornar rainha de bateria.” Os convidados também analisam o fascínio que gays têm por Clara Nunes: “Ela se apresentava nos anos 1970 com aquela figura, aquele cabelo, aquela coisa meio drag. Mostrava uma vontade de ser genuína com que LGBTs se identificam”, considera Lima.

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *