Episódios do podcast

#57 - Regina Duarte

Regina Duarte defende direito dos galãs a não se declararem gays

Nesta edição, o programa entrevista a atriz Regina Duarte, que acaba de estrear o filme “Gata Velha Ainda Mia”, em que interpreta uma escritora bissexual e feminista. Ela conta por que defende o direito dos galãs a não declararem sua sexualidade (“Não acho que prejudica a carreira se assumir, mas é direito do galã dizer ‘não quero, isso é privado, isso é meu’.”); a razão de achar que a profusão de personagens gays na TV virou marketing (“São questões que estão no marketing do momento. Isso vende. Não sei se eu gosto disso”). A intérprete de “Malu Mulher” também falou por que o termo feminismo se desgastou (“Esse termo foi usado em vão. Virou sinônimo de gente chata, mulher que odeia homem, mulher amarga, frígida”) e como ela considera os rótulos aprisionadores: “Uma vez gay, gay para sempre? Uma hora eu tenho tesão aqui, amanhã eu tenho tesão ali. Dá licença?”

Playlist do programa:

  • “Baby Can I Hold You”, Tracy Chapman (Raquel Acioli, Vale Tudo, 1988)
  • “Rock ‘n’ Roll Lullaby”, B. J. Thomas (Simone, Selva de Pedra, 1972)
  • “Simone”, Eustaqui Sena & Angela Valle (Simone, Selva de Pedra, 1972)
  • “Amar, Sofrer, Sonhar”, Nuvens (Cecília, Carinhoso, 1973)
  • “Mala Femmena”, Giacomo Rondinella (Nina, Nina, 1977)
  • “As Vitrines”, Chico Buarque (Luana Camará / Priscila Cappricce, Sétimo Sentido, 1982)
  • “Faltando Um Pedaço”, Djavan (Luana Camará, Sétimo Sentido, 1982)
  • “Dona”, Roupa Nova (Viúva Porcina, Roque Santeiro, 1985)
  • “Coração Pirata”, Roupa Nova (Maria do Carmo, Rainha da Sucata, 1990)
  • “Futuros Amantes”, Gal Costa (Helena Soares, História de Amor, 1995)
  • “Per Amore”, Zizi Possi (Helena Viana, Por Amor, 1997)
  • “Canção do Maestro”, Zeca Baleiro (Chiquinha Gonzaga, Chiquinha Gonzaga, 1999)
  • “Muito Estranho (Cuida Bem De Mim)”, Simone (Andréa Vargas, Desejos de Mulher, 2002)
  • “Amplidão”, Elba Ramalho (Helena Camargo Varela, Páginas da Vida, 2006)
  • “Esquisito”, Tania Christal (Waldete, Três Irmãs, 2008)
  • “Lágrimas Negras”, Otto e Julieta Venegas

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 comentários

Andre Rocha

Concordo plenamente com a Regina, temos que encarar com calma estas manifestações exageradas de conteúdo gay na Tv aberta. Alias, cuidado com tudo que vem de maneira “imposta”, pela sociedade ou por qualquer que seja, pois, o feitiço pode virar contra. Mas, acredito na importância dessas manifestações na Tv. Tenho 30 anos e meu pai ficou a pouco sabendo de minha realidade sexual, e o beijo gay da novela, foi algo esperado na sala de casa, principalmente por mim, a reação dele foi excepcional, aplaudiu e vibrou com a cena. Quando a coisa é feita com cuidado e bom gosto causa os efeitos esperados, na minha casa foi inesperado, porém, maravilhoso. O excesso causa repulsa. Vamos acompanhando e comentando o que vem por aí. Adorei a entrevista, vocês são fabulosos.

Responder
James Cimino

Poxa, Andre, muito obrigado pelo elogio. Manda um abração pro seu pai e diz pra ele que, se quiser, está convidado pro nosso programa do dia dos pais. 🙂

Responder
Andre Rocha

Seria engraçado, um senhor de pouco estudo trabalhador braçal em um programa de rádio da Net, coisa que ele nem sabe como funciona. rsrsrs. Mas ele é fantástico tem uma consciência maravilhosa, aceita respeita e defende esse filho gay, que vai se casar em 33 dias….

Responder
Andre Rocha

Não, sou de Rondônia, uma cidadezinha linda, opinião suspeita..rsrsr…, chamada Vilhena.

Thiago Pereira

Regina Duarte é maravilhosa, humilde e sensata. Não vem ao caso dizer se ela é uma boa atriz ou não. Mas ela é uma diva da televisão. Entre as décadas de 60 e 90 ela protagonizou muitos e muitos sucessos na TV. Milhões de brasileiros acompanharam as sagas de suas mocinhas. Por isso ela merece ser respeitada. Gabriela Duarte provou já que é uma boa atriz e uma boa comediante inclusive, mas ser filha da Regina realmente a atrapalhou.

Responder
Mateus R.D.

Intervalo de almoço e parei ansioso para ouvir o programa. Regina Duarte exemplo maior de simpatia e discrição, competência e profissionalismo, não por acaso chegou aonde chegou: Estrela (e sem estrelismos).

James e Márcio, parabéns pelo excelente programa! Conduziram a entrevista de forma magistral: questões pertinentes e todas respondidas com sinceridade. Percebi um clima muito bacana. Ficou claro que vocês 3 estavam completamente a vontade. Trilha sonora personalizada.

Responder