Doação de sangue

Episódios do podcast

#144 - Doação de sangue

Doação de sangue: probição do Ministério da Saúde é falha, discrimina LGBTs

O Brasil proíbe que homens que fizeram sexo com outros homens nos últimos doze meses doem sangue. E assim, muitos que gostariam de ajudar a salvar vidas não conseguem. É para acabar com esse desperdício que a ONG internacional All Out lançou a campanha Wasted Blodd. Leandro Ramos, seu representante, conta o porquê dessa proibição: “A justificativa do Ministério da Saúde é que a incidência de DSTs, particularmente do HIV, é maior entre gays. Com isso, você reforça a ideia de que gays são um grupo de risco – um conceito defasado – e aumenta a discriminação e estigmatização, perpetuando a ideia de que gay é uma pessoa perigosa.” Isso faz com que LGBTs como o ouvinte Evandro Mendonça, que conta sua história, sejam discriminados em hemocentros.

Além disso, a proibição é desnecessária, já que todas as bolsas de sangue são obrigatoriamente testadas contra DSTs, e a portaria tem por base conceitos falhos: “A principal justificativa da proibição é a prática do sexo anal. Mas não são apenas gays que fazem sexo anal, e tampouco todos os gays fazem sexo anal”, lembra Ramos. “A portaria e questionário deveriam perguntar sobre suas práticas sexuais.”

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 comentários

Ademar Santana

Eu recebi um papel da moça que estava me entrevistando depois de ter me proibido se ao menos ter feito a testagem do meu sangue que eu achei absurdo. Nesse papel tinha um número referente ao ano que eu poderia voltar e doar meu sangue que será em 2043. Eu fiquei muito puto por ter sido pego de surpresa e por estar com meu pai me esperando na época segurei minha baiana e engoli o sapo. Em uma outra oportunidade fui tentar doar novamente e descobri que meu nome está no banco de dados na lista de “sangue ruim” para doação e infelizmente eu perdi a vontade de doar sangue e como o James falou eu liguei o “foda-se” e me senti super aliviado de ver essa entrevista e ver que não estou segurando minha baiana sozinho. Espero que um dia possamos juntá-las todas e levar pra sapucaí e rodá-las comemorando a queda dessa medida intolerante. Amo vocês, sucesso!

Reply
Marcos Silva

Infelizmente muitos gays ainda não se valorizam, daí abrem a porta para a discriminação. Fui a um hemocentro doar sangue apenas em troca de um exame de sangue e pelo direito de faltar no trabalho, conforme me concede a lei.

O meu parceiro não pode fazer o exame porque disse a verdade, enquanto eu doei, porque omiti e menti sobre a maioria das perguntas existentes no questionário.

Achei isso um absurdo e, apesar de ter um sangue bom, na ótica dos hemocentros (O negativo), falei para mim mesmo que nunca mais irei doar sangue, enquanto não acabarem com essa discriminação injusta.

Reply
Pedro

Sem essa de gays, ou LGBTs(?), não se valorizam e, por isso, são discriminados. Já tá na hora de parar de culpabilizar a vítima! A discriminação acontece, e vai continuar acontecendo porque não estamos nos padrãozinho sexual da heteronormatividade. A saída é a militância, por mais direitos e respeito. Sobre se dar ao respeito ou não, isso é relativo. Pra mim, uma bicha que fala uma besteira dessas que tu disse não está se dando ao respeito, desrespeitando e passando por cima de uma história de liberdade, progressismo e luta da população LGBT.

Reply