A hepatite A causa grandes males ao fígado!

Hepatite A: por que gays devem se preocupar com o surto dessa doença

O número de pacientes diagnosticados com hepatite A está crescendo, principalmente entre homens que fazem sexo com homens. Aprenda a prevenir-se

por Marcio Caparica

No começo eu pensei que era só uma gripe – um pouco de febre, um certo cansaço. Nos dias seguintes, a fraqueza aumentou. Então comecei a sentir uma azia demoníaca, e a urina ficou escura. Fui ignorando os sintomas até que uma colega disse “Marcio, você está amarelo”. Não tinha mais como eu me enganar: algo estava errado. Corri para o hospital, onde os exames apontaram que o fígado realmente não estava funcionando bem. Diagnóstico: hepatite A.

Um dos médicos que me atendeu nesse dia, durante os exames, comentou: “sabe que já vi vários outros caras nas últimas semanas que apareceram aqui com os mesmos sintomas que você?”. As conversas que tive (por texto!) com outros médicos ao longo dos 20 dias que tive que ficar fora de circulação soavam o mesmo alerta: está ocorrendo um surto de hepatite A entre homens que fazem sexo com homens. E não apenas em São Paulo: o fenômeno é mundial.

Mas como uma infecção que costuma ser considerada “doença de criança” (sim, me disseram isso) passa a marcar presença entre a população gay? Confira a seguir.

O que é hepatite?

“Hepatite” é o nome que se dá para a inflamação do fígado, seja ela causada pelo abuso do álcool, de drogas, toxinas, infecções virais ou infecções bacterianas. As doenças conhecidas como Hepatite A, Hepatite B e Hepatite C são todas causadas por vírus, cada uma por um vírus diferente. Elas têm maneiras distintas de transmissão e de tratamento.

Quais são os sintomas da hepatite A?

Entre os sintomas relacionados à hepatite A estão:

  • Febre
  • Cansaço
  • Perda de apetite
  • Náusea
  • Vômitos
  • Dores abdominais
  • Urina escura
  • Fezes claras
  • Dores nas juntas
  • Icterícia (ficar com a pele e os olhos amarelados)

Alguém com hepatite A pode não apresentar todos os sintomas; crianças, principalmente, costumam atravessar a doença sem manifestar quase nenhum deles.

Como é a transmissão da hepatite A?

A principal via de transmissão do vírus da hepatite A é oral-fecal. Em geral isso acontece quando alguém não cuida bem da higiene, deixa as mãos entrarem em contato com as fezes e depois vai mexer em comida sem lavá-las antes. Ou alimentos que entram em contato com fezes: frutos do mar que crescem em águas que recebem esgoto não tratado, por exemplo, ou alguém beber água de um rio em que é despejado esgoto.

Mas por que que os gays têm que se preocupar com isso então?

Acontece que gays têm uma apreciação especial por aquilo que muitos chamam de beijo grego: lamber o cu do parceiro. E gays também têm uma tendência de ter vários parceiros sexuais. Nessa rotatividade dos contatos, fica difícil garantir a higiene anal de todos. E assim o contato oral-fecal, que costuma depender de água, alimentos e manipulações mais indiretas, tende a acontecer sem escalas entre os gays.

Quer dizer que fazer cunete transmite hepatite A?

SIM.

E beijo na boca, transmite o vírus da hepatite A também?

“Sim”, garante o dr. José Valdez Ramalho Madruga, investigador principal do Centro de Referência de DST/Aids de São Paulo. “Essa doença é de transmissão fecal oral, e beijo na boca é um contato oral.”

E esse tal de surto está acontecendo mesmo?

Está. “Já temos vários casos documentados nos últimos meses – por volta de 200 apenas no estado de São Paulo”, contabiliza o dr. Madruga. “Eu mesmo já atendi seis casos de janeiro para cá, todos em homens que fazem sexo com homens. Este surto está ocorrendo também na Europa e Estados Unidos.”

Outras formas de sexo transmitem hepatite A?

Não. Se você não estiver beijando na boca nem fazendo cunete, não vai pegar hepatite A (mas pode pegar outras doenças sexualmente transmissíveis!). “A penetração anal ou vaginal, sem beijo ou sexo oral, não transmitem o vírus”, garante o dr. Madruga.

Como eu posso evitar a contaminação por hepatite A?

Existe uma vacina para a hepatite A disponível no mercado. Desde 2014 o SUS oferece vacinas para crianças entre 1 e 2 anos de idade. Quem tem outras doenças hepáticas e pessoas portadoras do vírus HIV também têm direito à vacina gratuitamente. Já os outros adultos devem buscar essa vacina em clínicas particulares – elas costumam custar R$ 100 por dose. “Vale lembrar que a vacina requer duas doses para ser eficaz”, aponta o dr. Madruga. Enquanto não se está vacinado, tome o cuidado de alimentar-se em lugares com boas condições de higiene em que todos lavem as mãos. No que se refere aos hábitos sexuais, é bom evitar lamber as bundas das pessoas mesmo.

Quem tem problemas de imunodeficiência, como alguém que está com Aids, pode tomar vacina para hepatite A?

Sim. Essa vacina é feita com vírus inativados, então não oferece risco para pessoas que estão com o sistema imunológico debilitado.

Acho que posso ter entrado em contato com alguém que tem o vírus da hepatite A. Posso fazer algo para evitar a doença?

“Não existe nada a fazer.”, afirma o dr. Madruga. Senta, chora e torce para não ter pegado a doença.

Qual é o tratamento para hepatite A?

Também não há muito o que possa ser feito. Quem pega hepatite A fica um bom tempo – de um a dois meses – se sentindo muito mal por causa dos sintomas descritos acima. Os médicos podem receitar algum remédio para conter sintomas como náusea e azia. Recomenda-se repouso, alimentação adequada, e beber muito líquido. Deve-se evitar álcool, e consultar o médico antes de tomar qualquer remédio ou suplemento, pois eles podem acabar danificando o fígado ainda mais.

Quem foi infectado mas ainda não apresenta sintomas pode transmitir o vírus da hepatite A?

Sim. Pode levar de duas a seis semanas para alguém que foi contaminado com o vírus começar a apresentar sintomas. Nas duas semanas antes do surgimento dos primeiros sintomas, a pessoa infectada já está produzindo fezes capazes de espalhar o vírus pelo mundo.

Alguém que já pegou hepatite A pode transmitir o vírus depois de ter se recuperado da doença?

Sim. “O individuo que teve hepatite A pode continuar eliminando o vírus nas fezes por vários meses, geralmente de 3 a 6 meses, às vezes por um período maior”, explica o dr. Madruga. “Isso pode ocorrer mesmo após a resolução dos sintomas e normalização das enzimas hepáticas.”

Hepatite A é algo muito preocupante?

Quase todas as pessoas se recuperam completamente da hepatite A, sem dano permanente ao fígado. Elas estarão imunes contra a hepatite A para o resto da vida – ou seja, quem pegou uma vez não pega nunca mais. Pode acontecer, no entanto, de o fígado sofrer danos permanentes, que levem à necessidade de transplante e até à morte. Isso é mais comum em pessoas com mais de 50 anos, ou em pessoas que sofram de outras doenças de fígado.

Quem já pegou hepatite A também está imune à hepatite B e à hepatite C?

Não. Cada uma dessas doenças são causadas por vírus diferentes. Existe uma vacina contra a hepatite B no mercado. Infelizmente ainda não há vacina contra hepatite C.

Quem já pegou hepatite A pode doar sangue?

Quem teve hepatite A depois dos 11 anos de idade não pode doar sangue.

Quanto tempo o vírus da hepatite A sobrevive fora do corpo?

O vírus da hepatite A é bastante resistente (considere que ele aguenta o ambiente extremamente hostil do nosso sistema digestório). Ele sobrevive meses fora do corpo humano. Altas temperaturas podem destruí-lo – por isso recomenda-se ferver ou aquecer alimentos e líquidos a temperaturas superiores a 85 graus centígrados por pelo menos um minuto. Congelar alimentos não mata o vírus.

Fonte: Center for Disease Control (EUA)

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 comentários

Samael

Muito interessante a matéria, vou tomar cuidado e alertar geral sobre isso.
PS: Pausa para a parte curiosa na qual o nome do médico é composto por Valdez e Madruga. #Chavez

Responder