Assediado mais de 700 vezes por causa de perfil falso, homem processa Grindr

Assediado mais de 700 vezes por causa de perfil falso, homem processa Grindr

Ex-namorado teria criado contas com fotos de Matthew Herrick, incentivando usuários a encontrá-lo e até estuprá-lo

por Marcio Caparica

Que pessoas coloquem fotos dos outros em perfis em aplicativos de encontro como Hornet e Scruff não chega a ser novidade. Um ator de Nova York sentiu na pele o resultado da versão extrema (e mal-intencionada) dessa prática, depois que mais de 700 homens vieram encontrá-lo em casa e no trabalho em menos de quatro meses, em decorrência de perfis fake colocados no Grindr.

Como relatou em reportagem à revista Wired, Matthew Herrick começou a receber visitas indesejadas em outubro do ano passado. No primeiro dia, quatro homens vieram até sua casa, dizendo que haviam sido convidados para transarem com o ator. Todos mostraram conversas que haviam acabado de ter com um perfil no Grindr que mostrava fotos do ator sem camisa, retiradas de sua conta no Instagram.

Matthew Herrick

Matthew Herrick

Herrick denunciou a conta para o aplicativo, sem resultado. Logo o perfil falso tornou-se vários, e mais de uma dúzia de homens vinham procurá-lo não apenas em casa, mas também no restaurante em que trabalha. Os perfis falsos também forneciam o número do celular de Herrick, que passou a receber uma enxurrada de mensagens de cunho explícito, ligações, e fotos de genitálias.

Com o passar das semanas o tom dos perfis falsos tornou-se mais agressivo: passaram a propor sexo violento, sem proteção, orgias, e drogas. Consequentemente, os visitantes indesejados tornaram-se também mais violentos. Em casos extremos, a pessoa que se passava por Herrick pedia para que os usuários do Grindr realizassem sua “fantasia de estupro”, e que ele diria “não” quando na verdade queria dizer “sim”. Um visitante já não quis se retirar do prédio em que o ator mora, e teve que ser retirado à força por seu colega de apartamento. Outros passaram a xingá-lo e persegui-lo na frente de seu trabalho, ou tentavam fazer sexo com ele no banheiro do restaurante. No começo de janeiro, seis homens em busca de uma orgia vieram procurá-lo em menos de cinco minutos.

Apesar de já ter conseguido na justiça uma ordem para que o aplicativo retire as contas falsas do ar, elas continuam na ativa, e Herrick continua sendo assediado. É por isso que decidiu processar o aplicativo: segundo ele, mesmo depois de fazer mais de 50 reclamações, o Grindr não tomou nenhuma providência. Ele usa como referência a resposta do aplicativo Scruff quando avisado dos perfis falsos que começavam a também surgir por lá: as contas foram suspensas por 24 horas, e os endereços de IP e os dispositivos utilizados para criá-las foram impedidos de criarem mais contas.

Herrick acredita que o responsável pelos perfis falsos seja um ex-namorado, cujo nome a reportagem da Wired omitiu, já que ele nega estar por trás das contas. Em sua ação, o ator afirma que seu ex alterava as configurações de localização de seu celular, algo simples de se fazer em celulares Android ou iPhones desbloqueados, para que o aplicativo informasse aos outros usuários que ele estava próximo à casa ou ao trabalho de Herrick. “Minha vida foi roubada de mim”, ele lamenta. “Minha privacidade acabou. Sou humilhado todos os dias. É um inferno.” Em sua ação, ele afirma que “vive num estado constante de hipervigilância, com medo de que o Grindr esteja sendo usado para incitar ou seduzir alguém que venha a atacá-lo ou estuprá-lo”.

O processo contra o Grindr pode não dar resultado: há um precedente de um caso de 2003, em que uma mulher processou o site Matchmaker.com por causa de perfis falsos. O site utilizou a seção 230 da Lei da Decência na Comunicação, que afirma que serviços de internet não são responsáveis pelo conteúdo gerado por seus usuários.

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *