O que se deve fazer quando a camisinha estourar?

O que se deve fazer quando a camisinha estourar?

Todos podem passar pela situação de um preservativo que se rompe durante o sexo. Aprenda o que fazer e o que não fazer quando ocorrer algum acidente, e como evitar que isso aconteça de novo

por Marcio Caparica

Pelo menos 45% da população brasileira não usa preservativo durante o sexo – apesar de mais de 94% das pessoas saberem que deveriam utilizá-la para evitar DSTs. Agora, vamos imaginar que você, que faz parte dos outros 55% e usa camisinha, está lá todo feliz e empolgado durante a transa e TCHANS – percebe que o preservativo estourou.

E AGORA, O QUE FAZER?

Bem, a primeira coisa a se fazer é não entrar em pânico.

A ação mais recomendada nessa hora é se vestir e procurar o posto de saúde mais próximo e pedir para fazer PEP (Profilaxia Pós-Exposição, ou seja, pedir para tomar o coquetel de antirretrovirais por 28 dias). Tomando-se esses remédios direitinho durante as quatro semanas, a possibilidade de se infectar pelo HIV é praticamente zero.

Procure o posto de saúde o quanto antes: a PEP é eficaz nas primeiras 72 horas depois da situação de risco. Depois desses três dias ainda se pode tomar o coquetel, mas seus resultados não são mais tão garantidos.

Nunca, jamais tente “resolver a situação” em casa fazendo duchas no ânus ou na vagina (a famosa chuca), lavando o ânus ou a vagina por dentro, ou usando qualquer outro tipo de substância na tentativa de “desinfetar” a região. Primeiro porque não vai desfazer a exposição ao vírus. Segundo porque esse tipo de ação sempre acaba inflamando o tecido do ânus ou da vagina, o que acaba fazendo com que quaisquer vírus que possam estar presentes na região acabem sendo absorvidos mais rapidamente. Então essa é uma situação em que menos é mais.

Se você for como 99,99999% dos brasileiros, provavelmente não discutiu seu status sorológico ou sequer tocou em qualquer assunto que se aproximasse do HIV antes de fazer sexo. Esse é um péssimo hábito que a gente ainda não desaprendeu. Bem, agora talvez seja o momento de ter essa conversa. Não porque ela elimina a necessidade de se fazer PEP, mas porque pode ajudar a diminuir a ansiedade depois do incidente. Abram o jogo: quando foi a última vez que cada um dos dois (ou mais) parceiros fez exame de HIV? Qual foi o resultado? Se algum dos participantes for soropositivo, como está sua contagem viral? Depois do último teste, alguém já passou por outra situação de risco?

Se todos os envolvidos tiverem feito exame de HIV há poucos meses e garantem que não passaram por situação de risco, já não há razão para pânico (mas é bom considerar fazer PEP mesmo assim porque, afinal, como já dizia Gregory House, as pessoas mentem). Se um dos parceiros for soropositivo mas sua contagem viral for indetectável, também não há tanta razão para pânico, pois pessoas com carga viral indetectável não transmitem HIV. Mas quem quiser fazer PEP por desencargo de consciência sempre pode fazê-lo, claro.

Depois de um mês sempre é bom fazer um exame de HIV – esse é atualmente o período mínimo da janela imunológica da maioria dos testes de HIV. Três meses depois da exposição pode-se fazer outro teste para ter certeza que não houve infecção.

Seja como for, continue usando preservativo sempre, pois essa continua sendo a maneira mais barata, fácil e rápida de se prevenir contra o HIV e outras várias DSTs (você sabe que tá rolando uma epidemia de sífilis no Brasil, né?). Algumas dicas para evitar que a camisinha estoure de novo:

  • Sempre é bom conferir a data de validade do preservativo.
  • Não se deve utilizar preservativos que foram guardados em lugares que podem ficar muito quentes (tipo o porta-luvas do carro ou sua carteira).
  • Nunca use dois preservativos ao mesmo tempo, um por cima do outro. Isso não aumenta a proteção, pelo contrário: a fricção entre as duas camisinhas aumenta a chance das duas estourarem.
  • Utilize sempre lubrificante, e sempre lubrificante à base de água. E use bastante – essa não é a hora de ser pão-duro e economizar no lubrificante.
  • Use preservativos do tamanho certo – preservativos muito grandes podem escorregar do pênis, e preservativos apertados demais podem estourar mais facilmente.
  • Depois de gozar, tire o pênis do ânus ou vagina e retire o preservativo. Coloque outro se for continuar transando. Você pode achar muito viril dar duas sem tirar de dentro, mas isso só faz aumentar a possibilidade de estourar o preservativo. E nunca, nunca use de novo um preservativo que já foi utilizado.

 

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *