Truvada

O Ministério da Saúde oferecerá Truvada como PrEP pelo SUS

O tratamento que impede que pessoas se contaminem pelo vírus HIV estará à disposição da população até o final do ano

por Marcio Caparica

O Brasil vai entrar no seleto grupo de países que oferece a profilaxia pré-exposição (PrEP) para sua população. O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira, 19, que pretende incluir na lista de medicamentos gratuitos do Sistema Único de Saúde (SUS), até o fim do ano, o Truvada, remédio que previne a infecção pelo HIV. A informação foi dada por Adele Benzaken, diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do ministério, durante a 21.ª Conferência Internacional de Aids, na África do Sul.

O Truvada combina dois tipos de antirretrovirais (tenofovir e emtricitabitina). O tratamento de PrEP é feito quando alguém não infectado toma o remédio todos os dias, para evitar que o vírus HIV se instale em seu corpo em caso de exposição. Quando tomado diariamente, o medicamento já demonstrou ter altíssima eficácia – segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a PrEP diminui em até 92% o risco de infecção.

A estimativa do Ministério da Saúde é de que 10 mil pessoas tenham acesso ao medicamento no primeiro ano. “O remédio deverá ser ofertado em serviços especializados do SUS para populações com risco acrescido, como travestis, homens que fazem sexo com homens, transexuais e profissionais do sexo”, explicou o Ministério, em nota à imprensa.

Vale lembrar que o tratamento de PrEP com Truvada não equivale a tomar o remédio esporadicamente – para conseguir a eficácia prometida, o paciente deve tomá-lo todos os dias, e fazer acompanhamento com profissionais de saúde regularmente a cada três meses, numa rotina similar à de pessoas soropositivas. Estudos já demonstraram que a eficácia desse tratamento é reduzida quando tomado, por exemplo, apenas antes e depois de relações sexuais.

Desde julho de 2014 a Organização Mundial de Saúde recomenda que homens que fazem sexo com homens (HSH) façam PrEP, para conter o contágio de HIV. “As taxas de infecção por HIV entre homens que fazem sexo com homens continuam altas em quase todos os lugares do mundo e novas opções de prevenção são necessárias com urgência”, declarou a organização, em informe na época.

Segundo o ministério, o departamento de DST, Aids e Hepatites Virais já prepara um protocolo clínico de PrEP para ser encaminhado à Comissão de Incorporação de Tecnologia no SUS, órgão que define quais medicamentos, terapias e tratamentos são incluídos na rede pública. Como a maioria dos integrantes da comissão pertence a órgãos do ministério, o antirretroviral não deverá enfrentar dificuldade para ter sua incorporação aprovada.

Para dar base à decisão de incluir o antirretroviral em sua lista de medicamentos gratuitos, o ministério financiou dois estudos de PrEP no Brasil, que estão sendo conduzidos pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e pela Fundação Oswaldo Cruz. Para Zarifa Khoury, infectologista do Instituto Emílio Ribas, a medida anunciada pelo ministério é positiva e necessária. “Até hoje, a camisinha sempre foi a única forma de prevenção, mas, claramente, não atende a todos. Tanto não atende que a epidemia não parou de se alastrar. Há algumas pessoas que não conseguem usar o preservativo em 100% das situações e, para eles, a PrEP é necessária. A ideia é que ela seja associada ao uso da camisinha.”

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 comentários

juuuuh

Sou mulher, heterossexual, soro negativa , casada com um cara positivo, temos 2 filhos, que foram gerados antes da gente saber da condição dele. Eu estava grávida quando ficamos sabendo. Fazíamos sexo seguro e depois eu quase vomitava, não podia dormir de arrependimento. Depois que meu filho nasceu abrimos mão do preservativo, mas não do medo e ansiedade. Não sei se eu tomaria, pois não gosto de remédios, mas ao ler essa matéria meu coração bateu mais forte de esperança♡

Responder
Thony Pinto

Só em lê essa notícia em ter um medicamento que reduz o HIV em 90% ou sei lá 96%! Sinto me aliviado.
O sexo não é sujo, décadas e décadas o sexo foi tratado como sujo, principalmente entre homens. Desde que mundo é mundo os homens fazem sexo com os outros, é um prazer maravilhoso e único.
Pretendo tomar esse medicamento, assim vou mim libertar do medo de fazer sexo.

Responder
Paulo Francis

“não conseguem usar o preservativo em 100%”… Ou porque ela falha, esporadicamente. Conversando com soropositivos, visto que ainda estou no drama da pré-testagem, descobri que a maioria não usou o preservativo e alega que isso foi a causa, mas uma minoria assumiu que sempre fez tudo certo e ainda assim está infectado (a).. Não tem jeito: O ser humano é falho e seus engenhos (e um deles é a camisinha), por consequência, também. Só podemos usar sempre preservativo, tomar medicação PreP e torcer para que a porra do meteoro não caia na nossa cabeça, porque essa é a chance de contrair a doença com método de barreira e químico ao mesmo tempo.. http://betablog.org/51-new-hiv-infections-condom-failure-anal-sex-study-finds/

Responder