Sam Smith, melhore: 15 homossexuais que já venceram o Oscar

Sam Smith quis pagar de pioneiro, afirmando no Oscar que era o primeiro homem declaradamente gay a ganhar a estatueta. Não podia estar mais errado

por Marcio Caparica

Ontem Sam Smith venceu o Oscar de Melhor Canção Original por “Writing’s On The Wall”, composta para o filme 007 contra Spectre. A frustração de ver uma música chata como essa vencer já é grande, mas pior foi ver Smith de repente tentar colher os louros por ser “o primeiro gay a vencer o Oscar (mesmo que não seja o caso…)” e dedicar a estatueta à população LGBT do mundo.

É claro que ele poderia ter feito mais pela população LGBT se usasse seu discurso de agradecimento para lembrar que outra candidata ao Oscar de Melhor Canção Original, a cantora e compositora trans Anohni, não foi sequer convidada para se apresentar e por causa disso preferiu ficar em casa.

Em entrevista posterior, um jornalista apontou o erro de Smith; ele tentou consertar: “Tudo bem, não vejo problema em ser o segundo gay a vencer o Oscar”. ERRADO DE NOVO.

Observar Smith tentando se posicionar como ícone LGBT agora é divertido, mas ele vai ter que trabalhar muito para conseguir algum respeito. Em 2014 ele se esforçava para se afastar de uma identidade LGBT, reforçando que sua música é “para todos” e fazendo de tudo para usar termos neutros e/ou ambíguos em suas músicas. No final do ano passado, ele mudou o tom e passou a dizer que gostaria de se tornar “o porta-voz dos gays”.  Bem, parece que ele não fez a lição de casa – pois há muitas pessoas declaradamente homossexuais que já ganharam uma estatueta antes dele:

  1. Elton John venceu a mesma categoria de Melhor Canção Original em 1995.
  2. Dustin Lance Black venceu por Melhor Roteiro Original em 2009, por Milk.
  3. Alan Ball, criador das séries Six Feet UnderTrue Blood, venceu o prêmio de Melhor Roteiro Original em 2000 por Beleza Americana.
  4. George Cukor levou o prêmio de Melhor Diretor em 1964, com My Fair Lady. Ele também já concorreu ao Oscar quatro outras vezes.
  5. Howard Ashman, letrista, venceu o Oscar duas vezes por seu trabalho nas animações da Disney, primeiro por “Under The Sea” de A Pequena Sereia, em 1989, e no ano seguinte pela canção-título da animação A Bela e a Fera. Ele morreu em 1991 em decorrência de doenças causadas pela Aids – os versos da canção “Beauty and the Beast” foram escritas em seu leito de morte, e o filme foi dedicado a ele.
  6. Melissa Etheridge também já venceu na categoria de Melhor Canção Original, em 2006, por “I Need to Wake Up”, composta para o documentário An Inconvenient Truth.
  7. Bill Condon venceu o Oscar por Melhor Roteiro Adaptado em 1998 pelo longa Deuses e Monstros. Desde então, escreveu outros roteiros de sucesso, como KinseyChicagoDreamgirls.
  8. John Gieldud levou para casa o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante em 1981, por sua atuação no filme Arthur.
  9. Jodie Foster não havia se declarado lésbica quando venceu na categoria de Melhor Atriz por Acusados em 1988 e O Silêncio dos Inocentes em 1991. Hoje, no entanto, todos sabem que ela é casada com Alexandra Hedison.
  10. John Schlesinger foi escolhido o Melhor Diretor em 1989, pelo longa Perdidos na Noite.
  11. Joel Grey conseguiu sua estatueta em 1972, como Melhor Ator Coadjuvante, por sua atuação em Cabaret. Em 2005 ele se abriu sobre sua sexualidade em entrevista à revista People.
  12. Steven Sondheim é mais um vencedor da categoria de Melhor Canção Original: em 1990 ganhou a estatueta por “Sooner or Later I Always Get My Man”, interpretada por Madonna para o filme Dick Tracy.
  13. Linda Hunt foi a vencedora na categoria Melhor Atriz Coadjuvante em 1983 por O Ano Que Vivemos Em Perigo. Ela vive com sua esposa Karen Klein desde 1987; as duas se casaram em 2008.
  14. John Corigliano foi o vencedor da categoria Melhor Trilha Sonora em 1999 por Le Violon Rouge.
  15. Pedro Almodóvar já levou várias estatuetas para casa: Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Roteiro Original por Tudo Sobre Minha Mãe, em 1999, e Melhor Roteiro Original por Fale Com Ela, em 2002.

Smith só fez por merecer a bronca que levou no Twitter do roteirista Dustin Lance Black, que calha de ser o noivo do mergulhador olímpico Tom Daley: “Hey @SamSmithSorld, se você não faz ideia de quem eu seja, pode ser uma boa parar de ficar mandando mensagens para meu noivo. O PONTO É: conhecer a história LGBTQ é importante. Nós nos apoiamos sobre os ombros de incontáveis homens e mulheres valentes que abriram o caminho para nós.”

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 comentários

Hugo T.

Na verdade a pressa de criticar fez vocês não irem atrás dos fatos. Ele disse:
“Eu li uma matéria uns meses atrás do Sir Ian McKellen, onde ele dizia que nenhum gay assumido tinha ganho um Oscar. Se esse é o caso – mesmo que esse não seja o caso – eu quero dedicar esse prêmio a comunidade LGBT ao redor do mundo.”

O fato é que o Ian disse mesmo isso, mas com um detalhe “nenhum ATOR assumidamente gay”, detalhe sobre o qual que o Sam se confundiu. E de fato nenhum ator assumidamente gay ganhou o Oscar ainda.

Responder
Guido

Oh Marcio Caparica, tem certeza q tu assistiu ao evento msm, pq cara, tu quis polemizar ai pra se aparecer. não houve nada disso.

Responder
Daniel

O Sam Smith dedicou o prêmio a comunidade LGBT, mas não adiantou, ele foi chamado de “GGGG” por militantes, acusaram até de “normativo” por usar barba.

Responder
Fabricio

poxa, se esqueceram de algo tão recente… Grahan Moore e seu maravilhoso discurso ao vencer o Oscar de melhor roteiro adaptado por The Imitation Game ano passado…

Responder
Alan

Eu sempre achei ele mto sem graça e overrated. lembro da mudança em relação ao tema LGBT e acho bem suspeito, mas também admiro que ele já começou a carreira assumindo ser gay.

E que fora que ele deu hein? Tá precisando estar mais antenado. Outro dia desses ele disse que não conhecia o Thom Yorke, ve se pode….

Responder
Slvaro

Engraçado Q só o Dustin Lance Black e ele dedicaram Inocêncio à causa!
Que tiveram gays, óbvio Q tiveram, mas Quem dedicou ou discursou pela causa, foram só os dois!

Responder
Edson Carvalho

Na verdade ele disse que não sabia se era o primeiro gay, que achava ter visto em algum lugar que era. Caso fosse verdade, ou não, o discurso era o mesmo e ofereceu ao público lgbt. Pessoal mal amado desmerecendo o trabalho de um artista como ele… 🙄

Responder
Fernando

Na verdade o movimento LGBT demoniza o Sam Smith pelo fato de ele ser Homem cis gay branco. Se o cara fosse afeminado e negro, com certeza os ativistas bateriam palmas.

Responder
Silvio Perroni

Não esquecer de Peter Allen por Arthur’s Theme (1981) e Paul Jabara por Last Dance (1978), compositores de canções ganhadoras.

Responder