MPB: “Coincidentemente muitas cantoras são lésbicas”, diz Marina Lima, que não crê em coincidências

MPB: “Coincidentemente muitas cantoras são lésbicas”, diz Marina Lima, que não crê em coincidências

Em entrevista exclusiva ao LADO BI, a cantora fala de seu novo disco, “No Osso”, explica por que gays e lésbicas têm preconceito contra bissexuais e que posou nua por recomendação médica.

por James Cimino

A MPB (Música Popular Brasileira) é pródiga em grandes cantoras. Coincidentemente, muitas delas são lésbicas, algumas assumidas, algumas enrustidas. Para Marina Lima, que sempre carregou a fama, isso não é coincidência. “Não acredito em coincidências”, disse a cantora, que veio lançar seu novo disco, “No Osso”, no Lado Bi desta quinta-feira (21).

E sobre os infinitos boatos sobre a homossexualidade das divas da música brasileira, que circulavam muito veladamente nos anos 1980, Marina conta que, entre elas, isso nem era assunto.

“Esse era um assunto que a gente não falava muito entre a gente, mas era um assunto de que as pessoas falavam muito. Porque, coincidentemente ou não — eu não acredito em coincidência —, muitas mulheres cantoras eram gays ou eram bi ou eram o que quer que fosse que elas queriam ser chamadas…”

E meu analista disse: “Posa! Diz que é prescrição médica. Aí posei, ganhei uma grana e passei a ser paquerada pelo executivo do aeroporto de Curitiba! Elevou muito minha auto-estima.”

Mesmo assim, a cantora de sucessos como “À Francesa”, “Fullgas” e “Acontecimentos” faz questão de dizer que as coisas para os LGBT são melhores hoje.

“A diferença é que antigamente ninguém podia casar, ninguém podia se assumir. Hoje em dia, com os direitos já adquiridos, você pode adotar uma postura mais cidadã. Se casar com a fulana… As coisas são mais assumidas. Antigamente ninguém deixava de fazer as coisas e de se divertir, mas não quero que pareça que era melhor antes. Porque as coisas hoje em dia são mais claras e direitos foram conquistados.”

Durante o programa, cuja íntegra você assiste abaixo, Marina falou do preconceito que gays e lésbicas têm com bissexuais. “A mulherada tem esse grilo com bissexual porque tem medo de pau. Então ela acha uó pensar que aquela mulher que transa com mulher também goste de transar com homem. Tem um tipo de mulher gay que tem pavor disso.”

Também contou que “posou [para a Playboy] por prescrição médica”. “Eu queria me desencanar. Eu estava muito pra dentro. Numa fase grilada. Muito insegura. E meu analista disse: “Posa! Diz que é prescrição médica. Aí posei, ganhei uma grana e passei a ser paquerada pelo executivo do aeroporto de Curitiba! Elevou muito minha auto-estima.”

Entrevista com Marina Lima na íntegra: parte 1

Entrevista com Marina Lima na íntegra: parte 2

Entrevista com Marina Lima na íntegra: parte 3

marcio james e marina

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 comentários

Andrea

Gente, amei essa entrevista. Marina tem sempre muito o que dizer. Entrevistadores nota 10 também. Ah, ninguém me perguntou, mas eu vou falar mesmo assim: a melhor música da Marina é “Três”. Sucesso para vcs 🙂

Reply
Claudio

Achei nada a ver James fazer piadinha sobre Lobão só porque ele não gosta do PT, sem propósito, sem menor sentido no contexto, e grosseiro até. Que pena.

Reply
James Cimino

Grosseiro? Eu fui super elegante. Grosseiro seria se eu tivesse xingado ele. Só tirei um sarro. E o Lobão não pode ser alvo de piada? Tá acima do bem e do mal? Eu, hein?…

Reply
Tom

As veias dos biceps do Márcio quase me tiraram a atenção da linha Marina.

Reply
Tom

Márcio e James, amo vcs entrevistando, de verdade, ainda mais alguém como Marina, que vi no Canecão nos 80´s e nunca mais esquecerei.

Reply
Pedro Rosa

Essa mulher foi símbolo sexual. Ela era paquerada por homens e mulheres. Ela fazia o melhor pop nacional. Sempre na dela, low-profile, elegante… Aos 60, inteiraça, jovem de espírito. E sexo não foi inventado por LGBT, né, vai além de conceitos. Muito bem, Marina!

Reply
Josue

Na história do rock brasileiro esquecem a Marina e só falam em Legião Urbana e Cia. Mas, Marina é sim uma das colunas do rock brasileiro, até um pouco anterior ao movimento “New Wave”.

Reply
Copacarioca

Muito bem Marina Lima. Diga o que pensa e faça o que lhe satisfaça, desde que seja sem prejuízo alheio.

Reply
Andrea

Só não entrar aqui para ver as entrevistas\!!!
Marina ótima sempre!!

Reply
TITO

Marina Lima vc. é simplesmente demais linda e a cada dia fica mais maravilhosa, atenciosa sem contar o charme… agora como cantora/compositora/insutrumentista… ai vc. é perfeita… agora se vc. é bi ou lésbica… isso não importa porque sou se fã incondicional, na verdade apaixonado por vc…segredo porque minha namorada não sabe disso…ela desconfia…rs.. vida longa e se pudesse vida eterna para vc.

Reply
Paulo Braz

Sempre admirei a Marina Lima, ela tem que voltar a estar na mídia Nacional porque a presença e a importância que ela tem na MPB é muito significante!! Parabéns pela entrevista

Reply
Júnior

Parece que a voz já não é mais a mesma, ainda mais após alguns problemas de saúde que ela teve, mas o talento, o carisma, o charme são inegáveis.

Reply
Júnior

Grande Marina!!! Eu pegaria fácil. rs Mas quero deixar aqui meu protesto: mulherada, não tenham medo de pau. Podem vir sem receio. Esse treco não morde. 😉

Reply
josé de souza

Jà experimentou né safadim?
Sabe até se morde ou não

Reply
Júnior

Não experimentei, José. Fiz meu comentário baseado em quem experimentou, gostou e voltou pra repetir a dose. 🙂

Reply
Eddie

Nossa, fazia tempo que não a via, está com o semblante carregado, não parece em nada com aquela velha Marina que conhecemos.

Reply