Ellen Page acusa Hollywood de discriminá-la por ser lésbica

A atriz interpreta lésbicas em seus próximo quatro papeis. “Agora que sou lésbica, não ou mais capaz de interpretar uma pessoa heterossexual?”, desafia. Sua série de documentários, “Gaycation”, estreia em um mês

por Marcio Caparica

A atriz Ellen Page, em entrevista à edição britânica da revista Elle, discutiu os desafios de ser abertamente homossexual em Hollywood. Apesar de reconhecer que a maneira como a homossexualidade dos atores é tratada melhorou muito nos últimos anos, ela sente que não lhe oferecem mais papéis de mulheres heterossexuais desde que saiu do armário em fevereiro de 2014.

“Zachary Quinto [que interpreta Spock em Star Trek] é abertamente gay, e é astro de uma das maiores franquias do cinema. Eu tenho quatro projetos que estão para serem lançados – em todos, interpreto papéis homossexuais. As pessoas perguntam se eu estou preocupada com a possibilidade de me tornar estereotipada. Ninguém pergunta: ‘Ellen, você já fez sete papeis heterossexuais seguidos – você não deveria agitar as coisas e fazer algo queer?'”.

A atriz de 28 anos continua: “Ainda há um problema de dois pesos, duas medidas. Veja tudo que já fiz nos filmes: já droguei um cara, já torturei alguém, já me tornei uma estrela do roller-derby de um dia para o outro. Mas agora que sou lésbica, eu não sou capaz de interpretar uma pessoa hétero?”.

Page também revelou à revista que seu papel no drama Amor Por Direito, com estreia marcada no Brasil para 21 de abril, influenciou em sua decisão de declarar-se homossexual. “Achei impressionante como minha jornada pessoal seguia o desenvolvimento desse filme. Eu sentia que era muito errado interpretar esse personagem e continuar no armário. Sair do armário foi um processo longo, no entanto.”

Outro trabalho de Ellen Page que está prestes a estrear é a série documental Gaycation, cujo trailler acabou de ser lançado. Junto de seu melhor amigo, Ian Daniel, ela visita o Japão, o Brasil, a Jamaica (onde presencia a primeira parada do orgulho LGBT do país) e o interior dos Estados Unidos. Quando passou pelo Rio de Janeiro, Ellen Page encontrou um policial que se orgulhava de matar homossexuais. “Apesar de parecer um lugar sexualmente aberto, os problemas que as pessoas LGBT enfrentam [no Brasil] são terríveis”, ela explica no trailler. O primeiro episódio vai ao ar no dia 29 de fevereiro.

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *