Gabriela Herman conta sobre quando descobriu que sua mãe é lésbica

Filhos de LGBTs contam como descobriram sobre seus pais

Gabriela Herman descobriu aos 15 anos que sua mãe é lésbica. Hoje, usa seus talentos como fotógrafa para contar as histórias de outras pessoas que passaram pela mesma situação

por Marcio Caparica

O momento da saída do armário costuma ser repleto de ansiedade e preocupação para  gays e lésbicas. Contar para amigos e familiares sobre sua sexualidade ainda é um marco na vida dos homossexuais. Esse momento também pode representar uma virada na vida de outras pessoas: das crianças que descobrem, já grandinhas, a sexualidade dos pais. Há cinco anos a fotógrafa Gabriela Herman registra os relatos de outras pessoas que, como ela, têm pais homossexuais e, muitas vezes, só vieram a compreender isso depois de grandes. Alguns desses retratos estão ao longo desse post.

Hope Steinman-Iacullo, criada em Nova York por dois pais: "Eu sabia que havia outras estruturas familiares. Eu me perguntava sobre minha família de nascimento, principalmente minha mãe biológica, mas, no que se refere a meu próprio desenvolvimento, eu não acho que sofri por causa disso."

Hope Steinman-Iacullo, criada em Nova York por dois pais: “Eu sabia que havia outras estruturas familiares. Eu me perguntava sobre minha família de nascimento, principalmente minha mãe biológica, mas, no que se refere a meu próprio desenvolvimento, eu não acho que sofri por causa disso.”

Gabriela só soube que sua mãe, Talia, gostava de mulheres aos 15 anos, quando encontrou uma pilha de literatura lésbica no quarto de seus pais. De repente, muitos dos comportamentos que aconteciam em sua casa passaram a fazer sentido: seus pais brigavam o tempo todo, mas nunca demonstravam afeto entre si, por exemplo. “Eu não tenho quaisquer memórias de meus pais se beijarem ou se abraçarem”, ela contou ao jornal britânico The Guardian. A melhor amiga de sua mãe, Robin, costumava passar as férias com a família. Gabriela confrontou Talia sobre os livros, e sua mãe admitiu que sim, Robin era sua parceira.

Vanessa Keller descobriu que o pai era gay quando tinha 28 anos: "Eu e minha irmã ficamos mais aborrecidas por causa das mentiras do que por causa da sexualidade do meu pai."

Vanessa Keller descobriu que o pai era gay quando tinha 28 anos: “Eu e minha irmã ficamos mais aborrecidas por causa das mentiras do que por causa da sexualidade do meu pai.”

Descobrir que o pai ou a mãe são homossexuais pode ser muito difícil para adolescentes, que muitas vezes sentem-se traídos. “Eu era muito má com Robin, eu tinha sonhos em que eu a matava”, lembra-se Herman. Mesmo hoje, aos 34 anos, depois de conhecer tantas outras pessoas em situação semelhante, ela sente dificuldade em falar sobre o assunto. “O que eu ouvi de várias pessoas que posaram para mim é que o lance de ser homossexual torna-se mais importante que todo o resto, acaba-se lidando com pouco além disso – tipo, que aconteceu um caso extraconjugal, que nossa família está desmoronando, que estamos atravessando um divórcio, que a família não vai ser mais como era. Eu senti a mesma coisa.”

Mark Synder estava na faculdade quando seu pai saiu do armário: "Eu sempre suspeitei que meu pai era gay. Eu sempre soube que eu era queer, o que ajudou. Eu via meu pai fazendo uso dos mesmos comportamentos que eu para esconder sua feminilidade, como descruzar as pernas."

Mark Synder estava na faculdade quando seu pai saiu do armário: “Eu sempre suspeitei que meu pai era gay. Eu sempre soube que eu era queer, o que ajudou. Eu via meu pai fazendo uso dos mesmos comportamentos que eu para esconder sua feminilidade, como descruzar as pernas.”

Herman processou esses anos de sua vida por meio de seu trabalho fotográfico. Por meio de um site destinado a oferecer apoio a jovens que passaram por situações semelhantes, o Colage, ela conheceu os modelos de seu ensaio. Seu projeto permitiu que ela conhecesse jovens que já cresceram sabendo que seus pais são homossexuais, pessoas que foram adotadas por casais homoafetivos, e outros que, como ela, só descobriram mais tarde a sexualidade do pai ou da mãe. Isso fez com que ela mudasse sua perspectiva. “Para muitas das pessoas que eu entrevistei, isso é parte importante de sua personalidade, de quem são, eles cresceram aceitando e compartilhando esse fato.”

Zack Jones foi adotado por duas mães: "Todos na minha família são adotados. Eu não tive muitos problemas por ter duas mães, minhas maiores dificuldades foram em encontrar minha identidade, sabe, quanto a raça e etnicidade."

Zack Jones foi adotado por duas mães: “Todos na minha família são adotados. Eu não tive muitos problemas por ter duas mães, minhas maiores dificuldades foram em encontrar minha identidade, sabe, quanto a raça e etnicidade.”

O trabalho de Herman já começa a auxiliar outras pessoas. “Recentemente fiz minha primeira palestra sobre esse ensaio, e um cara me procurou depois e disse ‘Minha ex-esposa é lésbica, nós temos dois filhos adultos, e eu nunca havia pensado em como deve ter sido difícil para eles’. Ele prometeu conversar sobre isso pela primeira vez com os filhos o quanto antes. Essa é a razão por que fiz esse projeto.”

Elizabeth Castellana descobriu que seu pai era gay durante a faculdade: "Ele disse, 'é hora de eu confrontar minha identidade', e eu perguntei, 'Você é gay?'. Ele disse 'Bem, eu não tive experiências ainda para ter certeza'. Acho que o que eu falei em seguida foi 'Pai, eu tenho certeza que você é gay'."

Elizabeth Castellana descobriu que seu pai era gay durante a faculdade: “Ele disse, ‘é hora de eu confrontar minha identidade’, e eu perguntei, ‘Você é gay?’. Ele disse ‘Bem, eu não tive experiências ainda para ter certeza’. Acho que o que eu falei em seguida foi ‘Pai, eu tenho certeza que você é gay’.”

Confira todas as fotos do ensaio.

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 comentários

Elizabeth Moreira da Costa

Sempre fui uma mãe exemplar e tbm sempre fui contra este negócio de mulher com mulher mas com 44ano me envolvi com uma mulherque é muito boa para mim mas eu não aceito tenho vergonha dos meuá filhos e netos minhas já sabem mas não aceitao os filhos homem aceitou mais rápido mas as meninas não fico muito triste com isto não sei o que fazer

Responder
Aline Amorim

Boa Tarde!
Estou fazendo um trabalho de pesquisa à respeito da maternidade lésbica, em especial quando uma das mulheres já tem filhos e se relacionada com outra mulher. Vocês dispõem de algum material à respeito, ou em semelhança? Muito grata desde já!

Responder