Madonna diz que nenhum homem chupa tanto uma mulher quanto Mr. Grey

Em entrevista à revista Billboard, cantora disse que "50 Tons de Cinza" é irreal e só é sexy pra quem nunca fez sexo

por James Cimino

E depois de sua aparição (e de sua bunda) no Grammy, Madonna já começou a rodada de entrevistas sobre seu álbum “Rebel Heart”. Aliás, três novas músicas do disco foram lançadas no iTunes nesta semana e catapultadas para os primeiros lugares nas paradas de downloads em 76 países.

Durante uma entrevista para a Billboard, a popstar falou sobre o livro “50 Tons de Cinza”, o qual a cantora de “Erotica” e “Justify My Love” achou “pouco sexy” e “irreal”. “Nenhum homem chupa tanta buceta como aquele homem.”

Sobre o processo de gravação de “Rebel “Heart” e do trabalho com Avicii, Diplo e Kanye West, disse ter se sentido “como uma professora”.

“Kanye, por exemplo, tem excelentes ideias, mas é difícil fazer com que ele preste atenção. Então, meu trabalho era mantê-lo focado. De resto eu ficava: “Gente, vocês podem voltar pro estúdio por favor? Vamos apenas terminar a canção? Como assim você está indo para uma sessão de fotos? Como assim você tem que ir a um evento de tapete vermelho? Saia do telefone! Você vai parar de twittar? ‘Espere, nós não terminamos!'”

E se você ainda tem dúvidas se Madonna realmente cantou ou estava “lip-synching for her life” no Grammy, ouça o vídeo com seus vocais isolados que publicaram no Youtube e engula. OK, ninguém tá dizendo que ela é a Aretha Franklin ou a Annie Lennox, mas que ela tá dando banho em muita Mariah Carey, isso tá.

Veja os principais trechos da entrevista:

Billboard – Você cita algumas de suas músicas famosas como “Like a Virgin”, “Justify My Love”, “Ray of Light”, para citar apenas alguns, em “Veni Vidi Vici”; e você faz referência a “Vogue” na canção “Holy Water”. Por que citar o seu próprio trabalho?

Madonna – Eu faço referência a muitos elementos da cultura pop, e eu escrevi muitas canções e tenho uma carreira tão longa, que eu acabo fazendo referência a mim também. Se eu posso fazer isso com os outros, posso fazer comigo.

Na faixa-título, você fala sobre nunca olhar para trás. Você realmente não tem arrependimentos?

Todo mundo tem arrependimentos. Eu tenho arrependimentos de coisas menores, que em última análise são as coisas mais importantes na vida. Por exemplo, eu me arrependo de não ter sido mais grata em determinados momentos da minha vida. Me arrependo de não ser mais compassiva. Me arrependo de não dizer que sinto muito. Eu não tenho nenhum arrependimento na minha carreira. Eu tenho arrependimentos de ser humano.

Muitas das músicas de “Rebel Heart” são incrivelmente íntimas – mais íntimas do que a Madonna que normalmente se revela como uma super-heroína…

Como eu disse na canção “Joan of Arc”, “até mesmo corações feitos de aço pode quebrar”. Mesmo as pessoas que são referências pra gente têm seus momentos de fragilidade, vulnerabilidade, medo, mágoa. Você não pode ser um super-herói sem ter esse outro lado.

Mas a plataforma da Madonna, culturalmente, é: “Isto é o que uma mulher forte é, e eu reivindico o meu espaço.”

Mas eu nunca disse o que uma mulher forte não é. As pessoas têm essa noção de mim como invencível, e isso não significa que eu não sou também vulnerável. Eu nunca disse que eu era apenas uma coisa.

No álbum, você usa a palavra “bitch” muito (“Bitch, I´m Madonna”, “Unapologetic Bitch”), que alguns blogueiros têm sugerido que deveria ser proibido.

Eu acho que isso é besteira. A patrulha da palavra pode ir se fuder! Eu não quero ser fiscalizada! Eu não estou interessada no politicamente correto. A palavra “bitch” significa um monte de coisas diferentes. Tudo é sobre o contexto. Quando me mudei para a Inglaterra e ouviu a palavra “cunt” (puta). Fiquei horrorizada. As pessoas estavam chamando umas às outras de putas! E então eu percebi que, nessa cultura, era diferente. A palavra “fuck” não significa apenas a relação sexual.

Mas não é atenção à linguagem uma parte importante do novo discurso on-line sobre raça, gênero e poder?

OK, mas isso é outra história. Idioma e o uso da linguagem é muito diferente de um humano abusar fisicamente de alguém ou intimidar alguém ou matar alguém por causa da cor de sua pele ou da sua preferência sexual ou de suas crenças religiosas. Eu não acho que as duas coisas se misturem.

Por que você decidiu escrever tanto sobre sexo e religião?

Quando foi que eu não explorei o sexo e a religião? Estou apenas continuando com meus estudos.

Qual é a sua relação com o catolicismo neste momento?

O catolicismo é como minha alma mater. É a escola que eu costumava ir, e eu posso voltar quando eu quiser e pegar dela o que eu quiser, porque sofri toda a opressão e todo o abuso – e também gostei de toda a pompa e circunstância, do drama e da confusão e da hipocrisia e da loucura. Eu sinto eu posso dizer o que quiser e fazer o que quero. Fui excomungada pela Igreja Católica algumas vezes. Mas eu também sinto que este novo papa é um cara com quem posso bater um papo sobre sexo.

do-not-reuse-madonna-illo-bb5-2015-billboard-650

Eu continuo a abrir as portas para as mulheres que vêm atrás de mim. Eu não conheço muitas mulheres que tiveram uma carreira de sucesso tão longa na música pop como a que eu tive. E eu esperei até ser mais velha para ter filhos. Eu criei filhos sem ser casada. E eu continuo a me expressar – e a expressar minha sexualidade – em meus 50 anos, apesar de isso também ser considerado um tabu, e eu ouço um monte de merda por isso. Mas, em 20 anos, Miley Cyrus provavelmente não vai ouvir merda por isso. Vai ser tipo: “Oh, sim, isso não é nada novo.”

Você já leu “50 Tons de Cinza”?

Sim, já. Não é muito sexy, talvez para alguém que nunca teve relações sexuais antes. Fiquei esperando que algo emocionante e louco acontecesse naquela sala vermelha. E eu ficava: “Hmm, um monte de porrada.” Eu também pensei: “Isso é tão irreal, pois nenhum homem chupa tanto uma mulher.” Sinto muito, mas ninguém chupa tanta buceta quanto esse cara do livro.”

Você acha que seus pontos de vista sobre sexo mudaram durante os últimos, digamos, 25 anos?

Absolutamente não. Não. O sexo é uma parte maravilhosa e necessária da vida.

Muitas das canções deste álbum são tão românticas. Você está apaixonada agora?

Não.

Você quer se apaixonar de novo?

Eu quero. Eu sou uma romântica incurável. Eu amo estar no apaixonada. Quer dizer, eu estou apaixonada por meus filhos, mas isso é um tipo diferente de amor. É o amor que nunca termina.

Qual das suas músicas novas que seus filhos mais gostam?

Lola está obcecada com “Bitch, I´m Madonna”. Ela e Rocco gostam das faixas do Diplo. Rocco é um grande fã de rap dos anos 1990, de modo que ele gosta de “Veni Vidi Vici,” porque ele ama o Nas. David é um guitarrista e cantor, por isso ele gosta das canções mais acústicas. Ele é um verdadeiro romântico.

Você inventou essa idéia de revelar-se totalmente para o público em um momento em que os críticos diziam que “artistas reais não se revelavam dessa forma.” Agora é obrigatório para que os artistas se exponham…

Como se você devesse ter um reality show…

Exato. Se você tivesse 22 anos, estaria viciada em Instagram?

Eu sou viciada em Instagram. Eu não sei o que eu faria se eu tivesse 22 anos.

Mas você acha que a mídia social é um meio viável de auto-expressão ou é apenas marketing?

É ambos. Você pode tirar mil selfies cada vez que você tem algo para vender e usar isso como auto-promoção descarada. Ou você pode usar isso como uma forma de arte para expressar e compartilhar as coisas que te inspiram. Acho que é muito revelador sobre as pessoas, o que elas escolhem para mostrar sobre si mesmas.

O que você assiste?

Eu assisto a “Game of Thrones” com meus filhos. É uma ótima experiência de vínculo familiar. Minha própria obsessão pessoal é “True Detective”, porque Matthew McConaughey é tão brilhante e o roteiro é genial. E uma série irlandesa, “The Fall”. Eu, principalmente, assisto a filmes antigos, várias e várias vezes. Todos do Godard, Visconti, Fellini, Pasolini. Eu amo Alain Resnais.

Você sente falta de ir dançar?

Eu vou dançar! Eu fui para Ibiza com a minha filha – era nossa última vez juntas antes de ela ir para a faculdade – e eu estava em várias casas noturnas com ela, dançando, me esfregando contra outras pessoas, todo mundo suando em cima de mim.

Você acha que as mulheres jovens do pop têm mais facilidades hoje em dia?

Hmm… Depende do que você quer dizer com “mais facilidades”. Eu acho que é mais fácil, por um lado, porque não é mais cheio de obstáculos como era na minha época. Por outro lado, se você é uma estrela pop e quer que suas gravações atinjam as massas, você tem que jogar com cautela. Você tem que ser muito politicamente correta. Não há um monte de jovens estrelas pop que realmente têm opiniões – ou, se as têm, não podem expressá-las. A individualidade não é incentivada. Manter sua marca vai e não balançar o barco, isso é o que é incentivado.

O que você acha de Miley Cyrus?

Eu gosto dela. Ela parece que não se importa com o que as pessoas pensam. As pessoas estão sempre dizendo que ela é suja ou louca ou inútil, e ela não se importa. Eu adoro isso nela. Entre suas pares, ela se destaca.

Quando você olha para trás em sua carreira, que tabus sobre ser mulher na América você quebrou?

Eu não acho que haja um em específico. Eu acho que é uma atividade permanente em minha vida. Eu continuo a abrir as portas para as mulheres que vêm atrás de mim. Eu não conheço muitas mulheres que tiveram uma carreira de sucesso tão longa na música pop como a que eu tive. E eu esperei até ser mais velha para ter filhos. Eu criei filhos sem ser casada. E eu continuo a me expressar – e a expressar minha sexualidade – em meus 50 anos, apesar de isso também ser considerado um tabu, e eu ouço um monte de merda por isso. Mas, em 20 anos, Miley Cyrus provavelmente não vai ouvir merda por isso. Vai ser tipo: “Oh, sim, isso não é nada novo.”

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um comentário

How Do Brazilians Name Their Children? « Portal BR News

[…] Madonna diz que nenhum homem chupa tanto uma mulher quanto Mr. Grey “Nenhum homem chupa tanta buceta como aquele homem.” Sobre o processo de gravação de “Rebel “Heart” e do trabalho com Avicii, Diplo e Kanye West, disse ter se sentido “como uma professora”. “Kanye, por exemplo, tem excelentes ideias, mas é difícil … Read more on Lado Bi […]

Responder