Selos de Tom of Finland batem recordes de venda; encomendas vieram de 178 países

O serviço postal finlandês lançou ontem série de selos em homenagem ao artista e disse que natureza erótica do trabalho não choca o país

por Marcio Caparica

Tom of Finland, pseudônimo do artista Touko Laaksonen, está em alta. Responsável por estabelecer o visual ultramacho de vários ícones gays como Freddie Mercury e Village People, e inspiração para tantos fetichistas ao redor do globo, agora também é o caso de maior sucesso do correio finlandês, o Posti. A companhia lançou ontem uma série de selos com ilustrações de Laaksonen, juntamente com uma exposição de seus trabalhos. Colecionadores de mais de 178 países já fizeram suas encomendas, e filas extensas se formaram para a abertura da exposição.

Touko Laaksonen é um dos artistas mais célebres da Finlândia. A Posti declarou que esses selos receberam mais atenção internacional que qualquer outro lançamento do serviço postal finlandês, ganhando destaque nas mídias sociais e publicações de todo o mundo. Tanto sucesso pegou a própria empresa de surpresa. “Nunca vimos tanto interesse por um de nossos produtos em toda a história da Posti, e isso provavelmente não vai se repetir tão cedo”, comemorou Markku Penttinen, chefe de desenvolvimento da Posti.

“Nosso ponto de partida foi colocar a obra de Touko Laaksonen em nossos selos. Nós já sabíamos que ele era bem conhecido em todo o mundo. Além disso, o assunto é um tópico importante do momento, e bastante controverso. Essa equação funcionou melhor que esperávamos”, especulou Penttinen.

Ele também aponta que a natureza homoerótica dos selos de Tom of Finland pode ser algo difícil de engolir para muitos países. “Mas não para nós, finlandeses. Nós queremos viver de acordo com os nossos tempos”, continua. As ilustrações de Laaksonen também não são o primeiro caso de nudez nos selos da Finlândia. O país já exibia figuras de nus em selos de 1950. “Naquela época as pessoas já se surpreendiam com a coragem da Finlândia em colocar mulheres nuas numa sauna em nossos selos”, recorda-se Penttinen.

No entanto, apesar de terem sido bem recebidos pela maior parte da população, mesmo na Finlândia houve quem se opusesse à nova coleção de selos.

O recém-lançado Museu Postal na cidade de Vapriki também lucrou com a onda de interesse por Tom of Finland, ao fazer que sua inauguração coincidisse com o lançamento dos selos. Colecionadores poderiam ir a esse centro cultural para comprar versões exclusivas da cartela de selos, com um autógrafo do designer responsável, Timo Berry. A iniciativa foi um sucesso, e longas filas formaram-se na porta do museu.

Berry teve a sua disposição uma grande quantidade de trabalhos de Laaksonen para compor os selos – o artista produziu mais de 3500 ilustrações ao longo de sua carreira. Berry ficou empolgadíssimo ao receber esse trabalho. “Eu estava nas nuvens, pulava de um lado para o outro em meu escritório”, recorda-se, entre um autógrafo e outro no Museu Postal. O designer recebeu orientação sobre o trabalho de Tom of Finland de várias fontes, e pode ouvir muitas histórias sobre o significado de sua arte na vida das pessoas.

“Tom of Finland foi o responsável por trazer a masculinidade à figura do gay. Antes de seu trabalho, eles eram retratados como ‘menininhas’. É fenomenal que esses desenhos, que tinham que ser vendidos por debaixo do pano, hoje podem ser expostos publicamente em envelopes e cartões postais”, celebra Berry.

O novo Museu Postal foi inaugurado com uma exibição das cartas escritas por Tom of Finland. entitulada “Closed Secrets” (“Segredos Fechados”), desvendando a figura de Touko Laaksonen por trás do pseudônimo. Nela está exposta a correspondência do artista dos anos 1940 até sua morte, em 1991.

Uma cinebiografia de Tom of Finland também está programada para estrear em 2015.

tomfinland tomfinland1 tomfinland2 tomfinland3

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um comentário

Caio

Tudo bem que a Finlândia é para frente, mas será que alguns selos vão apresentar imagens provocativas rs? Acho que não, seria demais mesmo para um povo mais tolerante. Gostei da iniciativa.

Responder