7 maneiras de ter um relacionamento na era digital sem enlouquecer

As mídias sociais estão reescrevendo as regras dos relacionamentos. Você está preparado?

por Marcio Caparica

Traduzido do artigo de Jodie Gummow para o site AlterNet.

As mídias sociais mudaram as regras dos relacionamentos nesses tempos em que vivemos. A facilidade de se usar tecnologia e o grande acesso a ela torna cada vez mais fácil entrar em contato com estranhos atraentes, encontrar aquele ex-namorado do colegial ou reconectar-se com um encontro casual aleatório – tudo com apenas um clique.

Não há dúvida de que esse tipo de interação dá um empurrãozinho na vida dos solteiros ao permitir que eles interajam entre si aberta e livremente. Mas para quem está num relacionamento, percorrer esses meios digitais em constante transformação pode ser um desafio mesmo para o parceiro mais leal e antenado à tecnologia. A tentação está sempre no horizonte e as regras dos relacionamentos são testadas o tempo todo, sendo esticadas cada vez mais a cada avanço na tecnologia.

O que muitas vezes pode começar como um flerte online sem grandes consequências pode rapidamente tornar-se um hábito de voyeurismo prejudicial, que alimenta a infidelidade e alimenta a falta de confiança. Pesquisas já demostraram que a partir do momento em que pessoas entram em relacionamentos exclusivos e monogâmicos, as mídias sociais têm um efeito negativo e nocivo, e pode colocar os relacionamentos românticos em risco.

Um estudo da Universidade de Missouri divulgado em abril de 2014 sobre o impacto das mídias sociais nos relacionamentos descobriu que os usuários do Twitter passam a ter muito mais conflitos causados que podem levar a traição e separação depois que entram nessa rede social. Isso coincide com estudos anteriores que demonstram uma correlação forte entre a quantidade de conflitos relacionados ao Facebook e consequências negativas nos relacionamentos, assim como maiores níveis de ciúmes entre usuários do Facebook que estão em relacionamentos.

A psicoterapeuta Sherrie Campbell explica essas tendências: “A tecnologia nos dá mais acesso a informações privadas do que jamais foi possível. Nos velhos tempos, conhecer pessoas era algo que se fazia quando alguém lhe apresentava um amigo em comum – não havia muita gente envolvida no processo. Hoje em dia, há uma expectativa de que todas as pessoas falam com dúzias de outras pessoas ao mesmo tempo nas mídias sociais – as interações sociais alcançaram proporções gigantescas. Quanto mais narcisista você for, mais atenção você requer dos outros, e mais você usa as redes sociais. O resultado é que agora nós vemos mais casos extraconjugais de natureza emocional, porque as mídias sociais oferecem uma plataforma para comportamentos clandestinos em busca de atenção, em que a chance da pessoa ser responsabilizada é baixa.”

Com essa miríade de distrações digitais nos alvejando por todos os lados, seguem sete dicas de como evitar que seu relacionamento não se torne uma vítima das mídias sociais.

Nota do LADO BI: Há vários bons conselhos nesse artigo, mas discordamos de algumas de suas sugestões. Avisaremos nossos leitores quando isso acontecer. 🙂

  1. Não passe suas informações pessoais para qualquer um. A não ser que você esteja querendo estabelecer um relacionamento profissional, nunca é uma boa ideia espalhar por aí suas informações pessoais – e isso inclui nomes de usuário em redes sociais e endereços de e-mail. Mesmo que você veja isso como um flerte sem maiores consequências, o que você está fazendo a priori é estabelecer uma relação pessoal que pode levar a uma relação privada com outro indivíduo, sem o conhecimento do seu parceiro. A dra. Campbell explica: “Diferente de encontros casuais na rua que começam e terminam ali mesmo, as mídias sociais nos oferecem acesso desimpedido a uma pessoa, possibilitando que ela seja contactada novamente num cenário mais íntimo. Isso significa que as interações via redes sociais vão muito além dos flertes cotidianos que podem acontecer fora de casa, e por consequência podem colocar em risco seu relacionamento primário. Hoje em dia, nós temos mais informações sobre as outras pessoas e nos safamos com mais coisas que antes porque nós conseguimos apagar comunicações impróprias num estalar de dedos”, ela explica.
  2. Leve seu parceiro em consideração ao “curtir” coisas e pessoas nas mídias sociais. Os envolvidos num relacionamento muitas vezes brigam quando um dos parceiros “curte” uma imagem ou um status de outra pessoa. Quanto a isso, a maneira correta de agir depende em grande parte da comunicação que você tem com seu parceiro, mas algumas sugestões servem para a maioria: “curtir” fotos de pessoas seminuas é algo que – obviamente – não se deve fazer. Do mesmo modo, flertes óbvios em posts, fotos e perfis públicos só vão levar a conflitos desnecessários. No fim das contas, é importante levar em conta os sentimentos de seu parceiro e como seus comentários vão ser compreendidos por ele e outras pessoas, como a mãe e o pai dele, ou até mesmo a avó de quem você ficou “amigo” recentemente.
  3. Desconecte-se do computador de vez em quando. Se você está tendo conflitos em seu relacionamento por causa das mídias sociais, tirar uma folga do computador por um tempo e retornar ao mundo real pode ser uma boa ideia. Russel Clayton,  doutorando e autor do estudo sobre o Twitter que citamos, sugere que se limite a quantidade de acessos por dia e que se abra perfis em conjunto para que se reconstrua a confiança nos relacionamentos. “Os usuários deveriam reduzir seus níveis de uso de Twitter para quantidades mais saudáveis se estão passando por conflitos relacionados ao Twitter ou ao Facebook. Alguns casais compartilham a mesma conta nas redes sociais para reduzir o nível de conflito, e há alguns aplicativos para redes sociais, como o 2Life, que facilita a comunicação interpessoal entre os parceiros”, afirma Clayton. Nota do LADO BI: a gente discorda com todas as forças dessa ideia absurda de que criar uma conta conjunta nas redes sociais para um casal seja solução para seus problemas. Todo ser humano merece seus momentos de intimidade! Seu espaço nas redes sociais é seu, cedê-lo num namoro é sintoma de relacionamento doentio. Uma conta conjunta não estabelece confiança, no máximo posterga a resolução dos problemas, e sem dúvida demonstra uma desconfiança sem fim. E, sejamos sinceros, quem quer mesmo aprontar nas redes sociais vai criar uma outra conta por baixo do pano. É muita ilusão pensar que se está vigiando todas as interações online do parceiro porque vocês compartilham o mesmo perfil.
  4. Não reclame do seu parceiro – nem exponha demais sua felicidade  – nas mídias sociais. Quem nunca lavou roupa suja nas mídias sociais quando está chateado ou estressado que atire a primeira pedra. Mas, convenhamos: indiretas para o parceiro ou para os amigos não costumam ser uma boa ideia. Além de você soar neurótico, tentar punir o parceiro – mesmo que indiretamente – por se esquecer de seu aniversário nunca vai tornar sua união mais feliz… nem vai fazer que você ganhe um presente. Como consta no site Your Tango: “todos os relacionamentos têm bons e maus momentos. Usar o Facebook para espalhar os problemas conjugais, discutir os conflitos de casal, ou reclamar do parceiro só vai tornar uma relação difícil ainda mais complicada”. Da mesma maneira, por mais repleto de amor que você esteja se sentindo, é melhor evitar compartilhar fotos carinhosas em excesso, assim como updates de status sobre momentos íntimos que realmente deveriam se manter íntimos. E, sim, updates com a hashtag #aftersex e uma foto quase sem roupa de você ou do seu parceiro é informação demais.
  5. Não se transforme num detetive particular amador. Primeiro: só porque seu namorado curtiu a foto de perfil de outro cara não quer dizer que eles estão tendo um caso. Além disso: os problemas costumam surgir entre parceiros quando informações que as pessoas não compartilhariam normalmente tornam-se públicas nas mídias sociais, como alguma foto constrangedora em que a pessoa foi marcada ou comentários que podem ser mal-interpretados. Daí para um parceiro inseguro começar a presumir que algo está acontecendo e começar uma investigação por conta própria é um pulo, embarcando em expedições em busca de material “incriminador”. Se você se pegar com ansiedade ou ciúmes demais por causa das interações supostamente mal-intencionadas do seu parceiro nas mídias sociais, ou pior ainda, começar a dar um jeito de entrar na conta do parceiro e invadir sua privacidade, então talvez seja a hora de analisar bem de perto a sua relação e tentar descobrir o que é que está faltando para que você se sinta assim tão inseguro. Ninguém quer namorar uma pessoa louca e possessiva que controla e monitora cada uma de suas ações online. Mantenha as coisas sob perspectiva, preserve sua integridade e não faça tempestade em copo d’água.
  6. Não mude o seu status de relacionamento sem conversar sobre isso antes. Não há nada mais constrangedor do que quando uma pessoa altera seu status de relacionamento nas mídias sociais para a completa surpresa, horror, pasmo ou tudo isso junto da outra pessoa envolvida. Ninguém, vamos repetir, ninguém quer descobrir que está num relacionamento sério ou, por outro lado, que agora está solteiro, por meio das mídias sociais. É uma falta de respeito, uma falta de consideração e, muitas vezes, bem sinistro – principalmente se vocês só se encontraram duas vezes. É melhor conversar com a pessoa com que você começou a se relacionar (ou em quem planeja dar um pé na bunda) antes de espalhar essa informação pelo mundo. Além do mais, se vocês se separarem na semana seguinte, você vai ficar bem constrangido quando tiver que mudar o status de volta para solteiro.
  7. Apague o seu perfil nos sites de namoro quando você entrar num relacionamento sério. Mais uma vez, isso parece ser a coisa mais básica, mas se você quer que desenhe: se você está num relacionamento exclusivo e monogâmico, desative seus perfis de paquera online (Nota do LADO BI: Isso vale para suas contas no Grindr, Hornet, Scruff e etc. também!). Se você entrou num relacionamento e seu parceiro perceber que você continua online num site de paquera e continua interagindo com pessoas lá, você estará criando nada além de ciumeira e insegurança. Um relacionamento sempre vai entrar em risco quando nosso celular se torna um mundo secreto e nós temos comportamentos que obviamente ameaçam o parceiro. Resumindo: não tenha um perfil ativo nos sites de paquera quando você está num relacionamento. Seguindo essa linha, a Dra. Campbell aconselha que, se você foi infiel ou pulou uma cerca nas mídias sociais, a transparência é a única maneira de reconstruir a confiança e permitir que seu parceiro acredite em você 100% – o que às vezes pode significar ceder a seu parceiro o acesso completo a suas contas, entregando senhas e tudo mais. (Nota do LADO BI: Mais uma vez, não não e não, DEIXA DE SER LOCA. A única maneira de realmente reconstruir a confiança depois de uma pisada na bola é não pisar mais na bola. Com o tempo e vontade de ambos de continuarem juntos, a confiança pode ser reerguida na medida em que quem traiu o parceiro não reincidir. Seja um relacionamento monogâmico, não-monogâmico ou totalmente aberto, erros acontecem, as pessoas se arrependem e aprendem. Não repetir erros mostra crescimento e que se é digno de confiança; entregar suas senhas e viver sob vigilância digital, não. Há maneiras de ser transparente com o parceiro que não incluem a profanação da sua intimidade, acredite.).

No fim das contas, quem faz algo escondido sempre é descoberto, e quem procura algo do que desconfiar sempre vai encontrar algo suspeito se cavar o suficiente. Essas são as razões por que as mídias sociais tornam os relacionamentos cada vez mais complicados; em essência, elas expõem o código moral das pessoas. A sobrevivência de um relacionamento depende, portanto, do autocontrole de cada um, da confiança no outro, e de boa comunicação entre os envolvidos para que se mantenha a transparência.

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 comentários

duh

Sempre fui um entusiasta das tecnologias de informação, mas hj em dia acredito que elas destruirão as relações humanas. Na vdd isso ja ta acontecendo…

Responder
ana

Conheci minha na namorada no Namorando pra Casar, e ela já estava mais de que acostumada com os sites de relacionamentos e redes sociais então não tenho problema com isso, ela me compreende, e olha q eu fico um tempão no face. kk

Responder
Danilo

Concordo com a maioria das afirmações. Acho tão cafona casal com perfil único no face. Não consigo interagir pq não sei com quem realmente estou falando, é mto zuado!! hauahua

Responder
thom

” quem faz algo escondido sempre é descoberto”

Como assim? Cansei de fazer escondido e nenhum namorado descobriu. E muito provavelmente vice-versa.

Responder
Vitor Hugo

Mas é bastante relativo, tem casais que se sentem bem compartilhando do mesmo perfil, ou até que gostam de curtir entre casais em aplicativos de relacionamento… Essas coisas de “maneiras de viver” é MUITO, MAS MUITO relativo!

Responder