Estudo mostra que soropositivos com carga viral indetectável não transmitem vírus

Estudo mostra que soropositivos com carga viral indetectável não transmitem vírus

Por que os homossexuais não estão comemorando? Gays precisam abraçar novas formas de prevenção do HIV e abandonar preconceitos

por Marcio Caparica

Traduzido do post de Mark S. King para seu blog, My Fabulous Disease

Há um episódio clássico do programa de Oprah Winfrey transmitido em 1987 que ainda faz meu sangue ferver. Nesse ano, a cidadezinha de Williamson, West Virginia, tornou-se parte da pauta nacional dos EUA sobre AIDS quando Mike Sisco, que havia retornado a sua cidade natal para morrer da doença, ousou entrar na piscina pública.

A comunidade surtou imediatamente. Sisco logo foi taxado de psicopata (surgiram até rumores que o acusavam de ter cuspido na comida do supermercado), e a piscina do município foi interditada no dia seguinte para ser limpada com todo afinco.

Pouco depois, Oprah Winfrey chegou com suas câmeras para participar de uma reunião municipal sobre o incidente. O pavor era o mote da noite. “Se houver uma chance em um milhão que seja de que alguém possa pegar esse vírus da piscina”, o prefeito declarou para Winfrey e seus telespectadores do mundo inteiro, “então nós fizemos a coisa certa”.

Claro. Por que não reagir da forma mais extrema o possível, se houver uma chance em um milhão?

Os cidadãos de Williamson não se deixaram convencer por profissionais da saúde que pacientemente explicaram as já bem conhecidas e estabelecidas formas de transmissão do vírus HIV, e a impossibilidade de se contraí-lo por meio da piscina. “Os médicos podem até dizer que não dá pra pegar assim”, uma mulher retrucou, “mas e se um dia eles vierem e disserem ‘a gente se enganou’?”.

Não é? E se? E se houver uma chance em um milhão?

Esse programa poderia permanecer um triste rodapé na história do HIV/AIDS, um exemplo educacional de como as pessoas ignoram fatos científicos para proteger um temor que lhes dá satisfação, se a história não gostasse tanto de repetir a si mesma. Hoje, no entanto, a ignorância proposital não vem dos residentes ignorantes de uma cidadezinha que mal se encontra no mapa.

Ela vem de homens gays. E eles estão se sentindo tão ameaçados, tão assustados, e tão aversos à ciência quanto o populacho de Williamson era há trinta anos.

Recentemente, uma pesquisa conhecida como o Estudo PARTNER foi apresentada na prestigiada Conferência sobre Retrovirus e Infecções Oportunistas (Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections – CROI, em inglês). O PARTNER provou algo que os militantes da luta contra o HIV há muito suspeitavam: pessoas portadoras do HIV com carga viral indetectável não transmitem o vírus a seus parceiros. Quase 800 casais participaram do estudo, todos sorodiscordantes, gays e héteros, com o parceiro soropositivo apresentando uma carga viral indetectável. Ao longo de dois anos, mais de 30 mil relações sexuais foram contabilizadas e documentadas (os casais foram escolhidos tendo por base sua tendência a fazer sexo sem preservativo).

Nem uma transmissão do HIV sequer aconteceu entre aqueles que tinham carga viral indetectável durante o estudo. Se o Estudo PARTNER estivesse testando um novo medicamento, as entidades responsáveis o aprovariam imediatamente e colocariam a droga no mercado.

Mark S. King

Mark S. King

Os resultados do Estudo PARTNER fortalecem a estratégia de prevenção conhecida como “Tratamento Como Prevenção” (TcP), ou seja, uma pessoa soropositiva deixa de provocar novas infecções quando realiza o tratamento como devido. Até hoje, não há um único caso confirmado de alguém que tenha carga viral indetectável e tenha infectado outra pessoa, seja nos estudos científicos, seja na vida real.

Mas não adianta dizer isso para uma fatia considerável de gays céticos, muitos dos quais correram para seus teclados para fazerem pouco caso das descobertas desse estudo. Frases como “sensação falsa de segurança”, “soropositivos são mentirosos”, “ciência barata” e “mesmo que haja um pequeno risco” se alastraram por posts de Facebook e comentários de sites. A população de Williamson deve estar concordando cheia de orgulho.

Essa resistência aos resultados do Estudo PARTNER tem grande correlação com as dúvidas teimosas sobre PrEP (profilaxia pré-exposição, ou parceiros soronegativos que tomam o medicamento Truvada para barrar a infecção). Apesar de virtualmente todas as argumentações ansiosas contra a PrEP já terem sido refutadas pelos fatos, os descrentes continuam a rejeitar de cara os indícios, ou a fazer julgamentos moralistas sobre as vidas sexuais dos soronegativos que embarcam na PrEP.

Claro, há fatores ainda desconhecidos. Isso sempre acontece quando se levam os estudos científicos para o mundo real. E essa estratégia pode não funcionar perfeitamente para todo mundo. Mas rejeitar veementemente descobertas dessa importância sugere que há algo mais, algo mais profundo, correndo pela mente dos gays. O que seria?

Nossas memórias coletivas do horror da AIDS são difíceis de afastar, e este é um bom ponto de partida. Instintivamente, qualquer estudo que sugira que o HIV possa ser neutralizado é encarado com dúvidas e exaustão. Boas notícias não conseguem ter força o suficiente para vencer os pesares que vêm nos assombrando pelos últimos 30 anos.

Os resultados do Estudo PARTNER também colocam em xeque o ponto de vista de que soropositivos não passam de fatores de risco ambulantes que devem ser administrados. Essa pesquisa acaba com o monstro da soropositividade. Ele significa que pessoas soropositivas cientes de seu status são capazes de se importarem o suficiente com sua saúde para buscar orientação médica, iniciarem o tratamento, e tornarem-se indetectáveis. A partir do momento em que o parceiro soropositivo não é mais uma ameaça, ambos parceiros tornam-se responsáveis por suas ações. Que mudança de atitude gigantesca isso significa para nossa comunidade.

É difícil fazer isso quando o temor se infiltra e cenários fantasiosos cheios de “e se…” tomam conta. E se meu parceiro esqueceu de tomar seu medicamento ontem e, apesar dos medicamentos contra o HIV durarem na corrente sanguínea por períodos longos, sua carga viral disparar sem qualquer explicação? E se ele não estiver contando a verdade sobre sua carga viral? E se ele não souber?

A principal ameaça, meus amigos, não vem de soropositivos que pensam que estão com a carga viral indetectável mas não estão. Vem daqueles que pensam que são soronegativos mas estão enganados. Mas preferimos jogar a culpa naquele que sabe que é soropositivo porque, afinal de contas, quem tem HIV é sempre um mentiroso. Quem tem HIV deixa de tomar seu medicamento com frequência porque tem vontade de morrer ou está ocupado demais procurando sua próxima vítima.

Eu tenho algumas perguntas desse naipe também. E se esses temores absurdos têm como intuito estigmatizar e isolar os portadores do HIV? E se eu for indetectável e não me sentir obrigado a discutir meu status com um parceiro sexual porque eu não estou disposto a iniciar mais uma aula de ciências? E se cada um adotasse as medidas de prevenção que funcionam melhor para si? E se meu status sorológico não for da sua conta?

Todos os riscos seriam diminuídos, claro, se todo mundo simplesmente protegesse o próprio corpo ao fazer sexo com alguém que não conhece ou não confia. Mas isso jogaria uma parcela igualmente grande da responsabilidade sobre os soronegativos, veja só que problema. Melhor jogar esse incômodo sobre aqueles que são portadores do HIV, esses fatores de risco ambulantes. É mais fácil tratar a gente como criminosos, sempre mentindo sobre o nível de nossas cargas virais e cuspindo na comida dos cidadãos de Williamson, sempre prestes a infectar inocentes ao menor descuido.

Se você ainda tem a arrogância de acreditar que você pode ganhar a MegaSena do HIV e se tornar aquela única pessoa que consegue se contaminar de uma maneira que a ciência já provou ser impossível, você tem todo o direito de manter suas ideias.

Mas eu vou deixar mais algumas dicas de segurança, então. Afaste-se lentamente do seu computador sem tocar qualquer fio, porque todo ano 50 pessoas morrem eletrocutadas por aparelhos domésticos. Caminhe lentamente para seu quarto, tomando cuidado com quaisquer objetos espalhados pelo caminho, já que quedas e escorregões matam 55 pessoas todos os dias. Quando chegar lá, pare de tomar água e comer qualquer alimento, afinal de contas, a gente nunca sabe. Deite-se então em sua cama feita de ignorância intencional e tente encontrar uma posição confortável.

Aquelas boas pessoas de Williamson já estão esquentando o lugar para você.

p.s.: durante o tempo que você levou lendo este artigo, o número de pessoas infectadas por um portador do HIV com carga viral indetectável foi zero.

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

135 comentários

mary

Meu namorado e soro positivo e a gente se ama muito e eu penso na possibilidade de um futuro com ele e ter uma familia e gostaria de saber se é possível ter um filho com ele estando indetectável da maneira natural sem me contaminar e sem contaminar o bebe????

Reply
jhon

Bom dia…vou fazer esse comentario por que acho relevante….converso com meu infectologista,sou hiv há 15 anos desde 2005.Meu infecto conversa abertamente comigo,trabalha para o sus e uma vez abandonei o tratamento, quase morri, desde então ele ficou muito interessado no meu caso, repassa informações informações valiozissimas para laboratorios do exterior…já li alguns artigos alemães, onde consentran-se estudos de primeira classe sobre o assunto e o ultima pesquisa feita por 400 casais sorodiscordantes apenas 1 se contaminou,acredito por nao levar o tratamento a risca….meu infectologista disse que é verdade ,o risco é zero…..PORÉM…não vou conseguir o apoio de ninguem sobre o assunto,por que existe uma uma sistemática muito rigorosa para prevennção como campanhas….muito meu amigo pessoal meu infectologista,hj me trato com ele por podermos conversar muito abertamente sobre o assunto….Acho interessante compartilhar sobre o assunto,ao qual sempre guardei pra mim, com medo de exposição,pois nossa sociedade é muito preconceituosa….faça o tratamento 100 por cento correto,se cuide ,pratique exercicios fisicos,tenha uma vida saúdadel e verá que é verdade mesmo……a pedidos tbm já comunico que pessoas que queiram ter filhos existem tratamentos aonde a pessoa transa sem preservativos porem os ultimos 3 exames tem que estar negativados,,,palavras do meu infectologista…..que essa informação nos de uma posição melhor no quadro de melhora de vida para soropsitivos….otima semana,abraço

Reply
Mário

Também sofro com esse estígma, me descobri soropositivo em 2013 pois havia contraído do meu ex-namorado e até hoje faço o tratamento regularmente. Minha carga viral é indetectável e minha taxa de CD4 está muito boa. Porém há pouco mais de 2 meses venho mantendo relação com um rapaz. Ele não sabe da minha condição, não é simples chegar e falar pra alguém de cara que você tem HIV. Acredito que ele seja soronegativo e em nenhum momento eu deixei usar preservativo com ele, pois eu jamais conseguiria viver sabendo que o infectei. Só que na última transa, percebi que a camisinha estourou e o desespero tomou conta de mim. Eu sei que eu tenho que falar pra ele, vendo a matéria eu aliviei um pouto, mas eu ainda quero contar a ele por conta das possibilidades existirem mesmo sendo mínimas. Só que eu não sei como falar e eu tenho medo que ele se afaste de mim por isso, o que eu acredito ter quase certeza de que isso irá acontecer 🙁

Reply
F

Caro Marcio, descobri minha sorologia positiva há 5 meses e, de imediato, iniciei TARV. Sou heterossexual e tenho carga viral indetectavel há pelo menos 1 mês. Transei com 6 mulheres no último mês, com as quais não tive mais contato, com exceção de uma, que casualmente encontrei em 2 festas em finais de semana distintos.

Utilizei preservativo em quase todas as relações, oorre que no segundo final de semana que saí com a mesma mulher, transamos sem preservativo, com ejaculação, por uma razão circunstancial e, devo dizer, absolutamente imprudente de ambas as partes.

A questão é: procurei por ela no Facebook e a encontrei e descobri que ela atua na mesma área que eu, vale dizer, um meio profissional absolutamente preconceituoso, no qual minha sorologia é desconhecida por minha opção é em respeito à minha intimidade.

Há 3 dias repeti meu exame pcr quantitativo e, como continuo seguindo rigorosamente o tratamento, continuo indetectavel.

No entanto, admito que fiquei preocupado de não sugerir à parceira potencialmente exposta que fizesse o exame, com receio de expor, no meio profissional a minha condição, além de haver um risco, inquestionável de ser, quem sabe, futuro réu em processo indenizatorio (afinal sei quem ela é e o que ela faz, mas não tenho, nem pretendo ter uma relação com ela, a ponto de correr o risco da exposição).

Pergunto se devo me acalmar quanto à uma possível transmissão a ela, tendo em vista a carga indetectavel e, pessoalmente, qual seria um meio seguro e discreto de eliminar (ou reduzir ao máximo) o meu risco de exposição sem prejudica-la?
Por fim, parabéns pelo texto perspicaz e carregado de opiniões capazes de reduzir o estigma e preconceito que imperam nos dias de hoje.

Um abraço

Reply
Marcio Caparica

Olá. Essa questão é espinhosa. Se você realmente está indetectável, a probabilidade de transmitir HIV é praticamente nula – não dizemos que é 100% nula porque sempre tem a exceção da exceção. Então, em termos práticos, você não precisa contar para ela. MAS É BOM QUE CONTE E PEÇA PARA ELA FAZER O EXAME. É a coisa ética a se fazer. Como reduzir seu risco de exposição? Supondo que, por vocês terem se relacionado, existe algum tipo de relacionamento/carinho, talvez bastaria pedir para que ela não contasse. Mas isso não traz nenhuma garantia, claro. De qualquer maneira, lembre ela de que a responsabilidade nesses casos de imprudência é compartilhada: você que não colocou o preservativo, ela que aceitou que você não colocasse. Boa sorte.

Reply
Ricardo santos

Sou soro positivo a 3 anos com carga viral indetectavel. Namoro a 9 meses, meu parceiro não tem HIV, transamos sempre sem camisinha. Ele faz exames específicos a cada 3 meses. Transando a 9 meses sem preservativo, até agora, ele nunca teve problema com isso. Exames sempre negativos. Essa decisão, foi depois que li esse post no começo do ano passado. Concordado com meu médico e claro, com meu parceiro. Acredito nessa pesquisa. Sou prova viva disso.

Reply
MA

Ótimo texto. A questão é a seguinte, fui aprovado para trabalhar em Dubai. Salário ótimo e estou desempregado a mais de 6 meses aqui no Brasil. Agora terei que fazer os exames médicos para expatriação… Que inclui exame de hiv. Sou indetectável… Existe ALGUMA chance desse teste dar negativo? Pergunto isso, apesar de todos os outros problemas que eu teria que enfrentar lá… Mas estou disposto a fazer de tudo por esse emprego. MUITO obrigado!

Reply
Andresa

Minha prima engravidou do marido soro positivo, durante a gestação fez exames, na hora do parto também e todos deram não reagente, o bebê ja fez exames após o nascimento dando não reagente também. A explicação para isso seria o fato de ele estar com carga viral indetectável no momento em que engravidou ela? Ou ela corre o risco de a doença aparecer daqui um tempo nela e no bebê.
Obs: Isso aconteceu a cerca de 1 ano e 6 meses.

Reply
Marcio Caparica

O sangue do bebê não se mistura com o sangue da mãe durante a gestação. A transmissão poderia acontecer durante o parto, ou se o beber for amamentado pela mãe soropositiva. No entanto, como todos os cuidados foram tomados, e ela é indetectável, a transmissão não ocorreu. Pode ficar tranquila.

Reply
Bia

Maravilhoso texto!!
A ignorância das pessoas e a falta de conhecimento impedem as pessoas de se respeitar, de viver uma vida normal, de lutar por sua saúde e assim respeitar a saúde do outro.
Sou soropositivo a mais de um ano, faço meu tratamento e o respeito, pois é ele quem me deixa saudável e com carga viral indetectável. Sou hetero, adquiri o virus sem nunca ter imaginado que poderia, e nem por isso me sinto menor que ninguem. Acredito que o assunto deveria ser muito mais explorado e menos julgado por todos. O HIV não escolhe sexo, não escolhe cor, não escolhe classe social, o HIV é um virus como outro qualquer, é um virus que não tem cura mas tem tratamento, e deve ser prevenido de todas as formas possíveis tanto por quem é e tanto por quem não é soropositivo.

Reply
luiz

tive uma relação de risco com um soropositivo… depois disso apresentei varios sintomas… sendo assim realizei o teste pelo cta depois de 41 dias deu negativo… ainda corro risco ????

Reply
Hélio

Concordo com o Márcio, os testes são muito precisos, pode confiar, mas por desencargo de consciência refaça o teste daqui a 3 meses (tempo mais do que suficiente para aparecer alguma coisa. Mas o mais importante: NÃO ADIANTA FICAR FAZENDO TESTE TODA HORA! VC TEM QUE SE PROTEGER! SEMPRE! INCLUSIVE NO SEXO ORAL. Vida de soropositivo não e fácil! Você quer passar a sua vida toda tomando quase meio quilo de remédios por mês? Ninguém fala que eles podem causar falência total de órgãso importantes… Sua saúde vale muito mais do que uma trepada xexelenta com um m**** que vc nunca mais vai ver na vida. Cuide-se, o mundo precisa de você e de tudo de bom que você pode trazer. ; )

Reply
Celia

Boa noite, venho tendo relacoes km um soro positivo a 6 meses, mais hje ele me contou q faz exame 1 vez por mes e sempre da indetectavel, nesse periodo eu ja fiz 2 exames e deram nao reagente, mais uma outra parceira dele me contou q a 2 anos deu reagente o resultado dela. Eu posso nao ter contraido o virus? O que fazer para ter certeza. Obrigado

Reply
Marcio Caparica

Para ter certeza, você deve fazer o teste de HIV. Se ele realmente está indetectável, ele não vai ter transmitido para você. Seria uma boa que você começasse a usar preservativo, mesmo que seja apenas para sua paz de espírito.

Reply
ricardo

Ola! Gostaria de tirar uma duvida.
Descobri que sou soro+ em fevereiro de 2015, minha primeira contagem de carga viral deu 78.476 em março/2015, então em abril comecei a tomar o 3/1, já em maio/2015 realizando novos exames minha carga viral deu 545, e em agosto/2015 caiu pra 137 copias, e agora em janeiro/2016 fiz nova contagem e estou aguardando resultados. O que tenho a perguntar é porque esta demorando tanto a ficar indetectável, estou ficando preocupado. Será que há algum problema? Vejo gente postando que ficou em 3 meses! Se você tiver alguma coisa a falar sobre isso eu agradeço muito.
As minhas taxas de cd4 é o seguinte março/2015 = 358, maio/2015 = 798, agosto/2015 = 637 e a de janeiro to aguardando o resultado.

Reply
Marcio Caparica

Oi Ricardo! Quem realmente pode te ajudar com isso é seu médico. Me parece que seu próximo resultado vai vir indetectável… Se não vier, discuta com seu médico experimentar outros medicamentos. Boa sorte!

Reply
Ricardo

Obrigado pela sua atenção Marcio, já liguei pro laboratório e os exames saíram, porem eles não me passam informação por telefone, tenho que esperar a consulta que ta agendada para dia 17.02.2016 nessa data já serão 10 meses de tratamento, tempo suficiente para uma pessoa normal ficar indetectável. De fato se não ficar eu terem que falar com o medico novas alternativas mesmo que minhas taxas de CV sejam baixas, mas a meta é ficar indetectável. espero que não precise pois eu me dou super bem com o tratamento 3/1 nunca tive efeito colateral. pois bem mais uma vez obrigado.

Reply
Hélio

Cada pessoa é uma pessoa, é perfeitamente normal demorar NO MÍNIMO 6 meses para zerar. Como sua carga estava muito alta então por isso está demorando um pouco mais. Mas pelos seus exames o tratamento está dando resultado, só ter mais um pouco de paciência. Aconselho a cuidar muito bem da sua saúde (isso vale para todos!), não fique dando bobeira, se proteja sempre, porque as outras DSTs causam complicações mais sérias combinadas ao HIV. A sua vida vai continuar, você ainda tem muito a contribuir para o mundo.

Reply
matt

Olá, descobri que sou soropositivo a mais ou menos um mês atrás. Mantenho um relacionamento de 8 meses, onde tive todas as relações sexuais com meu parceiro sem preservativo, sou passivo. Porém meu parceiro fez o exame dois dias depois que eu fiz, e o dele deu negativo. Existe mesmo a possibilidade de termos transado por 8 meses sem camisinha e ele não ter contraído apenas por ser ativo?

Reply
Marcio Caparica

Existe a possibilidade, sim. Mas não é hora de comemorar ainda. Vocês devem passar a usar preservativo sempre, e daqui a 3 meses ele deve fazer outro teste para ter certeza que não contraiu mesmo o vírus de você. E, mesmo que não tenha, continuem usando preservativo: é sim possível contrair HIV sendo ativo, e o fato dele ter dado sorte até agora não quer dizer que ele vai ter sorte sempre.

Reply
marcos lima

sou ativo somente e há 20 anos faço sexo sem camisinha e sou gay, sempre soube e sempre tive certeza da possibilidade quase zero de um ativo pegar hiv, já fiz sexo com hiv positivo e conheço vários casais que o passivo e/ou versátil é hiv positivo e o ativo não, conheço casais que na época que não havia o coquetel o passivo e/ou versátil da relação faleceu por aids e o ativo não.

Reply
Marcio Caparica

Você é apenas incrivelmente sortudo. Ativo tem chance menor de contrair HIV, mas pode sim contrair o vírus. Qualquer infectologista que trabalha com HIV poderá apresentar para você inúmeros casos de gays ativos que contraíram o HIV.

Reply
GMINEIRO

Olá,

Gostaria de saber o seguinte, tive uma inserção de 5s vaginal em uma garota soro desconhecida, com 38 horas iniciei a profilaxia pós exposição, fiz o tratamento direitinho e conforme manda o script, fiz um exame no CTA 30 dias após o risco, deu não reagente, ressalto que neste 30 dias de janela estava fazendo o uso da PEP. Gostaria de saber se já é possível eu ter sido infectado e já ter se tornado indetectável? Já que peguei o vírus no inicio. Se uma pessoa que se tornou INDETECTÁVEL fizer o exame de HIV elisa 3, 4 geração e etc, estes exames podem sair NÃO REAGENTE? Pois a carga viral vai estar baixa.

Reply
Marcio Caparica

Não é possível. Fazendo PEP 38 horas depois da exposição e seguindo todas as recomendações à risca, como você disse, você impede a infecção. Pode ficar tranquilo.

Reply
GMINEIRO

Só mais uma pergunta Marcio, digamos que um soro positivo esteja indetectável, se ele fizer o exame Elisa de 3 ou 4 geração este resultado pode sair NÃO REAGENTE ou sempre sairá REAGENTE?

Obrigado.

Reply
Marcio Caparica

Se não me engano vai sair não reagente – por isso que se chama “indetectável”. Mas, como a pessoa já foi diagnosticada como soropositiva antes, sabemos que o vírus continua em seu corpo em algum lugar.

Reply
eu

Só retificando, sorologia terceira e quarta geração tem um período menor de janela imunológica. então uma vez soro positivo esse exame na grande maioria das vezes será positivo, agora o teste de biologia molecular( carga viral) em pacientes em tratamento será indetectável.

Eduardo Ribeiro

Boa morei sete anos com minha ex mulher, quando a conheci ela já tinha e tem o vírus não contrai nem minhas duas filhas também não tem. Hoje somos separado ela segue sua vida livre bebendo e prostituindo sem ligar pra vida .parou tratamento e entrou na balada noturna. Se Cuida Que Deus Te Abençoe

Reply
Geraldo

Bom dia, primeiramente quero parabenizar pelo blog. Eu e meu parceiro somos soros discordantes há 11 anos sempre usamos preservativos,porém lendo sobre o assunto há três anos estamos fazendo sexo sem preservativo, no primeiro ano fiz um teste e deu negativo, depois resolvi fazer PCR quantitativo que veio indetectável, agora nos ultimos tempos estou meio comedo de realizar outro exame, na maioria das vezes não há ejaculação na penetração. Meu parceiro sempre saudável e indetectavel. eu assumi com ele esse risco

Reply
Marcio Caparica

Oi Geraldo. Não adianta ficar com medo de fazer o teste, não saber do seu status não vai alterá-lo – só vai tornar as coisas mais complicadas caso você tenha se tornado soropositivo. Mas fique tranquilo, se seu parceiro tem carga viral indetectável, você certamente não contraiu HIV dele.

Reply
emersondalas

Olá, estou com minha esposa a 5 anos e esteve grávida no ano ante passado e quando foi abrir ficha descobriu que É seropositiva, sabido isso dirigi-me imediatamente pra hospital fazer teste e deu negativo, a nossa filha também está negativa, mesmo com 13 meses de amamentação, n haverá engano de exames médico?

Reply
Marcio Caparica

A única maneira de você ficar tranquilo é você e sua filha fazerem os testes novamente, que é o que eu recomendo que você faça.

Reply
RAFA

Sou soropositivo e assim que descobrir no início deste ano comecei a tomar o 3 em 1 em 4 meses minha carga viral ficou indetectável, porém transei com minha parceira que é sordodescordante e só travamos com preservativo, dia 27 deste mês ela fez o teste de gravidez e deu positivo e está com 3 meses de gestação, qual o ricos de contaminação para ela e o BB? Estou desesperado…

Reply
Marcio Caparica

O bebê ainda não é soropositivo. O único risco dele contrair HIV é durante o parto – antes disso, o sangue da mãe e do bebê não se misturam. Converse com o médico para evitar que ele contraia durante o parto. Para sua esposa, também é ínfimo – se você realmente for indetectável. Convém sempre fazer o teste. Agora, se ela engravidou, significa que em algum ponto você não usou preservativo, né?

Reply
Alexandre

Boa noite, sou Alexandre tenho hiv a 12 anos tenho carga viral indetectavel, estou com minha esposa a 3 anos ela não tem hiv. Gostaria muito de ter um filho. A pergunta seria se eu fizer sexo com ela por vias normais a criança nasceria com hiv??? Eu e minha esposa fazemos sempre sexo sem camisinha e ela faz exames de 6 em 6 meses e da sempre negativo. Qual a probabilidade de a criança nascer infectada???

Reply
Marcio Caparica

A transmissão do HIV da mãe para o filho não acontece na fecundação, acontece durante o parto. Isso se a MÃE for soropositiva. A sua preocupação, como pai, é não transmitir HIV para a mãe – se você está indetectável, está tudo certo.

Reply
Bruno Mattos

Em tempo, no meu comentário anterior não defendo que a campanha pelo uso do preservativo seja abandonado, até pq existem outras DST e a hepatite C embora menos comum é mais letal que o HIV. Mas o foco exclusivo e principal não pode ser esse, as pessoas sempre vão em algum momento transar sem camisinha e tem aquelas convictas da prática bare. A política pública precisa abracar essas realidade sociais, sem moralismos. Se o Truvada for popularizado dimunuiremos de forma gritante o índice de novas contaminações pelo HIV.

Reply
Bruno Mattos

Bixa, vc lacrou demais com esse post. E eu vou além, se a campanha de prevenção ao HIV governamental não fosse preementemente moralista e higienista o foco não seria para as pessoas usarem camisinha, o foco seria em popularizar e distribuir o PREP prá toda a população – algo que já acessível nos EUA mas no Brasil ainda está no campo da pesquisa. Pq digo isso, por um motivo bem simples, quem não usa camisinha não usa camisinha e pronto. Além disso, TODO mundo não usa camisinha alguma vez na vida, mesmo os mais “precavidos”. Dessa forma, todo mundo possui uma chance MUITO GRANDE de pegar HIV nesses “pequenos vacilos”, mas se tomassem o PREP essa chance seria reduzida à quase zero. Além disso, as pessoas que não usam camisinha pq não querem, é um direito delas, – se o sexo é consentindo entre adultos eles sabem o que estão fazendo e não tem ninguém enganado, então a prática do bareback é bem legítima – essas pessoas que são uma parte bem grande da população e não são nenhum clube do carimbo, essa invenção caluniosa da Globo e outras mídias higienistas, não viveriam na roleta russa que vivem. Acho que em vez de distribuir camisinha em parada LGBT, – mas não distribuem camisinha em grandes eventos heteros tirando carnaval, mais uma mostra da estigmatização das LGBTs -a preocupação dos militantes LGBT e deveria ser nossa pauta é que o PREP fosse logo tornado política pública em saúde para a massa!

PS- sou soronegativo, ainda, e tive inúmeros relacionamentos sorodiscordantes e sou muito feliz por isso, pois me tornou uma bicha informada e livre desses preconceitos toscos e estigmatizantes.

Reply
Marisa

Ola, o meu companheiro tem hiv mas eu não, ele tem o virus a negativo, temos tido relações sem ejaculação, ele não tem outras doenças transmissiveis, fiz o exame para hiv há 2 semanas e deu indice 0.16 negativo, terei hiv? corro riscos?

Reply
Marcio Caparica

Se ele tem carga viral INDETECTÁVEL, ele não vai transmitir HIV para você. Se você tem dúvidas quanto aos exames que você fez, procure um médico e esclareça-as.

Reply
Regina

Tenho HIV meu marido não temos uns três anos juntos ele fez exame e não tem eu tenho faz 6anos quando contei a ele eu sabia mais não precisava ainda tomar retrovirais pois minha imunidade era bor comecei o tratamento por ele se engravidá dele meu filho ter também?

Reply
Alexandre

Oi, boa tarde! Gostaria de tirar uma dúvida, sou soropositivo indetectável, tenho um relacionamento sorodiscordante, ontem aconteceu de nao usarmos preservativos, eu sou passivo na relação, ele precisa começar o tratamento de 28 dias? Obrigado pela atenção!

Reply
T. T.

Olá! Descobri seu site hoje,pq precisava tirar uma dúvida da minha cabeça.. Sou soropositivo mas com a carga viral in detectável, estou tomando o coquetel corretamente, somente fiquei um dia sem tomar essa semana, pois dormi na casa do meu parceiro e não tinha como tomar.. E no fogo, esse fds acabamos trancando sem camisinha, não houve ejaculação por dentro,ele apenas me penetrou e eu a ele, mas fiquei no receio.. Depois de ler sobre o caso no seu site, fiquei mais tranquilo, porém tenho só uma dúvida, devo pedir a ele que vá fazer o teste para tomar a o do dia seguinte?

Reply
Marcio Caparica

Oi oi. Não precisa, a carga viral não dispara de um dia para outro. Se sua carga viral estava indetectável, não vai ter passado a ser detectável porque você esqueceu de tomar o remédio um dia só. Além disso, não houve ejaculação, o que reduz ainda mais o risco. Pode ficar tranquilo.

Reply
Andressa

Oi boa noite o meu parceiro tem hiv conteseu uma fatalidade da camisinha estora ja tomando o coquitel mas hj aconteceu a msm coisa e no dia 11-11vou fazer o teste rapido e provavel q eu estou com a doença? E oq eu faço continuo tomando as remedio conto aparti de hj os 28 dias?obg

Reply
Andressa

ele ta indectavel a posibilidade de eu pega o virus e pouca posibilidade ele jaculo dentro de mim ja tomei a pirula do dia seguinte na primeira vez q furo a camisinha tenhu certeza quando ele foi amara ele pode ter fura e nisso ja to tomando o coquitel contiunua tomando vou fazer os 6meses de exame ..ele q muito ter um filho dele mas ele tem medo de eu pega o virus ou a criança ele ja flo q n vai peduar numca mas pra ter um filho me flanam q tem q planeja primeiro.ele sempre jogo a real pra quando nois b se conhecia conversava pelo whats ele ja me jogo real pra mim ta ai to com ele a 4meses

Reply
João

Olá, descobri a pouco tempo que sou soropositivo, mas já estou me medicando e hoje Tenho um relacionamento soroconcordante e nossa carga viral é indetectável, porém algumas vezes fazemos sexo sem preservativo, será que existe algum tipo de problema?

Reply
Marcio Caparica

Oi João. No que se refere ao vírus HIV, se ambos estão com a carga viral indetectável, não há problema. Convém, é claro, fazer exames de outras DSTs para garantir que não vão acabar passando algo de um para o outro por causa do passado sexual de cada um, ehehehe. E se forem transar com outros caras, usem camisinha sempre!!!

Reply
João

É porque ouvi muitos questionamentos relatando a respeito do alto da carga viral, da resistência que um tiver ao medicamento o outro também terá, por conta do vírus ser mutável e uma série de coisas que por sinais muitas delas são absurdas, mas sempre existe um certo receio. Muito obrigado por aliviar essa nossa tensão rsrsrs

Reply
Marcio Caparica

Questões como reinfecção com outra linhagem de vírus e resistência só valem pra quem não tem carga indetectável. Se os dois estão indetectáveis, podem ficar tranquilos.

Reply
vitor sebastiao de aguiar neto

ola, eu sou soropositivo, tomo meus remedios todos os dias, mais o cara passivo que eu transei com ele, ele nunca teve hiv nao, e eu bebo as vezes e depois quando eu chego em casa,antes de dormir eu tomo o remedio, sera que tem alguma coisa?
e na hora da transa, o parceiro queria tanto e mim insistindo que eu transace nele sem camisinha, e eu sempredindo a ele que usasse camisinha, e na hora da ejaculaçao, eu ejacuei dentro dele, e eu nao contei a ele nao que tenho hiv nao, e se ele souber, sera que ele vai mim processar ou mim matar? estou tao desesperado aqui com vontade de fugir para que ele nao mim encontre…

Reply
And

Ola,tenho um relacionamento sorodiscordante, minha carga viral é indetectavel a um bom tempo ja e mesmo assim sempre nos protegemos.
mas ontem tivemos uma relação na qual minha camisinha estourou e só percebi depois da ejaculação na qual foi dentro do meu parceiro.
qual as chances de ter acontecido o pior??
estou muito preocupado pois não quero de maneira nenhuma ter infectado ele.

Reply
Marcio Caparica

É bem pequena, And. Se o acidente aconteceu ontem, seu parceiro ainda está na janela de 72 horas para começar a fazer PeP, ou seja, tomar o coquetel de antirretrovirais para evitar qualquer risco de infecção. É o que eu recomendo fazer, mesmo que a chance dele se infectar seja muito pequena, já que você é indetectável. É só procurar um centro de saúde do SUS.

Reply
And

obrigado, foi exatamente o procedimento tomado, ja fomos a um centro de saude para iniciar esse tratamento…. mas ainda assim acho complicado pra ele, pois os relatos de quem ja tomou pelos 28 dias é de muita dificuldade, devido aos colaterais…

Reply
Leonardo Silvart

Serão os mesmos efeitos que você tem… Ele sentirá o que você sente… Mas ficará bem, o mesmo já aconteceu comigo! Tudo dará certo com você!

Dario

Ler essa matéria fez toda a diferença pra mim. Sou soropositivo indetectavel, tive uma relação sexual esse fim de semana, houve uma penetração sem preservativo e eu tive um pequeno sangramento na região. Aconselhei a pessoa que é ativo a fazer a Perp sem falar sobre minha condição. Só que um pesadelo tomou conta da minha cabeça e a culpa de achar que eu contaminei o cara foi inevitável.

Mas lendo essa matéria fico mais aliviado em saber que eu não sou uma bomba relógio, e ter responsabilidade de agora em diante, obrigado Marcio Caparica

Reply
Bruno Mattos

Dario, a responsabilidade de se “proteger” é individual. Adultos fazem escolhas conscientes, sabem dos riscos, não tem porque vc se martirizar. E se vc tem a carga viral indetectável mesmo com sangramento a chance de transmitir é próxima de zero.

Reply
jc

Se um soropositivo de carga viral indetectável fizer um teste de hiv , o resultado será falso negativo?

Reply
Marcio Caparica

Oi JC. Esse “falso negativo” não acontece porque, para alguém se tornar indetectável, tem que estar tomando medicamento antirretroviral. Para estar tomando antirretroviral, tem que ter tido o resultado positivo antes. Então virtualmente não acontece de alguém ter um “falso positivo” por estar indetectável. O que pode acontecer é alguém que NUNCA fez qualquer tratamento contra HIV ter um falso negativo porque fez o teste para HIV pouco depois de ter se infectado, o período da “janela” entre a infecção acontecer e o teste conseguir detectar a infecção.

Reply
ricardo

Cara sou casado há 2 anos praticamente e depois de um pouco mais de 1 ano, descobro q meu parceiro é soropositivo totalmente controlado, o fato é que,ao longo desse período não nos previnimospor mentira dele, estou desesperado.
O que vc me aconsrlha a fazer?
E o pior de td é q apesar da mentira ainda o amo e não me vejo sem ele, só q estou pirando e entrando em depressão!!!

Reply
Marcio Caparica

Se ele está com carga viral indetectável, a chance de você ter contraído HIV dele é bem, bem pequena. De qualquer maneira, o que aconselho é que você vá fazer um exame de HIV para descobrir se você contraiu o vírus, e que vocês passem a transar com preservativo!

Reply
Lopes

Conheci minha atual esposa há um ano. Ela conversou comigo e falou que era portadora do vírus HIV. Fiz meus exames e deu todos negativos ( hepatite, sífilis e hiv) a carga viral dela e não detectável, transamos sem preservativo e sempre faço o teste rápido. Não aparece nado nos meus testes. Logo a pesquisa está certíssima.

Reply
Bruno Mattos

Comigo tbm sempre foi a mesma coisa. Durante um tempo de relacionamento com parceiro soropositivo de carga indetectável com sexo sem preservativos fiz inúmeros exames e todos deram negativo. O risco está nos que são soropositivos e não sabem e não se tratam.

Reply
Erick

Olá Márcio,estou em um relacionamentos a 4 meses,eu e meu namorado não usamos camisinha,porem,depois de um teste que fizemos juntos quando tiamos só 2 meses,agora dois meses depois repetimos o teste,o dele deu positivo e o meu negativo,ele vai refazer o exame,estou rezando que esteja errado isso,mais se caso der positivo novamente,corre o risco deu esta infectado tambem? ou não, posso ter imunidade ao virus? vi casos de pessoas imune ao virus,ja fui exposto uma vez ao virus alguns anos atras antes dele,mais meus exames sempre deram negativos.

Reply
Marcio Caparica

Você certamente foi exposto ao vírus, infelizmente. Faça de novo o teste, e de novo daqui a três meses. Pode ser que você tenha dado sorte e, apesar de ter sido exposto, não tenha contraído. Apesar de haver casos documentados de pessoas que eram imunes ao vírus HIV, isso é extremamente, extremamente, extremamente, extremamente raro, e você não pode contar com essa possibilidade.

Reply
vania

Oi sou casada e tenho 3 filhos com meu marido sou soro positivo e ele não ele é descordante ,mas minha preocupação é de contaminar não só ele como todos que convivo com sangue algum corte em mi ja fico em pânico .Como sou carga indectavel meu sangue não contamina não né

Reply
Bruno Mattos

A chance é praticamente zero. Eu particularmente acho que é zero, mas a ciência, por precaução e considerando que sempre há alguma exceção, pois podem haver inúmeros fatores nunca afirma que é zero, mas ela admite que é bem próxima de zero. Além do mais se vc sem querer transmitir prá alguém isso não deve ser motivo prá se torturar, pois vc não está condenando ninguém à morte. É mais fácil qualquer um de nós matar outra pessoa pq passou o vírus da gripe do que pq passou o vírus HIV, caso a pessoa se trate obviamente em caso de contaminação.

Reply
“Deixei de sair com um cara porque ele é soropositivo. Agora me arrependo” - Lado Bi

[…] Esse site alerta que, mesmo quando alguém está indetectável, o HIV ainda pode existir em fluidos retais e genitais – mais pesquisas estão sendo feitas quanto à transmissão entre homens que fazem sexo com homens. Mas a pesquisa até o momento sobre a transmissão entre casais do sexo oposto é muito promissora. E, claro, ter uma carga viral indetectável também significa que a pessoa é capaz de viver uma vida longa e de qualidade, com o vírus. (Nota do tradutor: pesquisas confiáveis sobre transmissão do vírus HIV entre casais sorodiscordantes de homens que fazem sexo com homens apontam que a transmissão do HIV é extremamente improvável quando o soropositivo tem a carga viral indetectá…) […]

Reply
Piter

Márcio. Eu adorei essa matéria. Sou HIV positivo há 3 anos, sendo indetectável há 2 anos. Atualmente tenho um namorado sorodiscordante (negativo). Estamos juntos há 3 meses. Ele é somente ativo comigo (o que acredito diminuir ainda mais o risco de ele ser contaminado). Já pedi para transarmos com preservativo, mas ele insiste em querer fazer sem… E aí temos um problema: Ele não sabe que sou soropositivo (e nem vai saber por um bom tempo)… Contar que vc é soropositivo para alguem quando vc mora em uma cidade com poucos habitantes, é um IMENSO RISCO! Já deixei claro para ele que mesmo se fizéssemos exames, eu não quero saber do resultado dele e nem vou mostrar o meu para ele. E ele concordou… Mas mesmo assim, ainda temo acontecer algo e ele “pirar”, se revoltar e até mesmo me processar caso ele se contamine…

Reply
Marcio Caparica

Meu caro, seu namorado já vai pirar quando souber que você está escondendo isso dele há três meses. Trate de usar preservativo sempre para evitar a contaminação, mas eu te aconselharia a contar pra ele o quanto antes. Nenhum relacionamento sorodiscordante pode dar certo se o positivo não consegue confiar na discrição do negativo.

Reply
Bruno Mattos

Eu concordo totalmente com o Márcio. E se ele pirar é porque ele é um babaca, cretino que não te merece.

Reply
viny

João … Namorei 4 meses com um soro positivo com carga viral indetectável … Sempre fizemos tudo sem camisinha … Hj estou a 6 meses separados ” por outros motivos que não é o virus” já fiz dois exames e estou limpo … Se gosta do cara não permita que o preconceito os afaste …

Reply
aninnamaria

estou meditando a 1 mês mas os efeitos colaterais imediatos só senti no primeiro dia será que estão a dar resultados positivos? contudo a minha saúde melhorou significativamente. peço reapostas. obrigado

Reply
jessica

K alívio. A partir de hoje sou uma pessoa melhor. Tbem tava km alguns problemas perante esssa situação. Tou km meu parceiro a um ano e ele e seropositivo, fazíamos sexo sem camisinha.quando fiz o text deu negativo. E continuo com medo k tar afectada. Oque faxo

Reply
Fabio

bom dia, meu namorado é soropositivo, descobri mes passado.
ele usa os retrovirais, pois bem, decidi seguir com ele, sempre usamos camisinha . fiz o teste apos 30 dias e nao tenho hiv.

A pergunta que faço é: PODEMOS FICAR JUNTOS SEMPRE USANDO CAMISINHA? TEM MUITO RISCO? A CAMISINHA DO POSTO É MAIS RESISTENTE QUE A CAMISINHA DE FARMACIA?

Por favor, no que puder me ajudar agradeço

Reply
Marcio Caparica

Oi Fabio. Podem sim. Usem camisinha sempre. A camisinha do posto e da farmácia são igualmente resistentes. Recomenda-se que seu namorado também comece a tomar medicação o quanto antes, diga para ele se informar com o médico se já não faz isso. Boa sorte e sejam felizes!

Reply
NINO

Marcio Caparica, bom dia,
descobri que meu namorado é soropositivo a 2 anos, sem saber ja estavamos namorando a quase um mês. Eu sempre usei preservativo, menos no sexo oral.
A carga vira dele é indetectavel,
com sua experiencia, acha que eu e ele podemos ter um relacionamento seguro ? A partir de hoje sempre usando camisinha até no sexo oral? ou ainda sim, existe um risco, por ele ser portador do virus?!

Reply
Marcio Caparica

Oi Nino. Vocês podem ter um relacionamento seguro sim. Como a carga dele é indetectável, a chance dele transmitir o vírus para você é muito pequena – não zero, mas muito pequena. Continue usando o preservativo, por via das dúvidas. Sexo oral é uma prática que também tem um risco muito, muito pequeno de transmitir o vírus – se quiser garantir, não deixe ele gozar na sua boca, e se usar um preservativo durante o sexo oral te deixar mais tranquilo, use. Descobrir que o namorado é soropositivo não é razão para desistir do relacionamento, de forma alguma. Vocês estão fazendo tudo certinho, ele se tratando, os dois usando preservativo. Continuem assim e sejam felizes! 🙂

Reply
Raphael

Detalhe sempre troque a camisinha usada no oral por outra antes do anal pq os dentes podem danificar a camisinha 😉

Reply
Felipe santos

Sou soro posotivo não sei como contrair o vírus como muitos,mais minha carga viral esta indefectível,sou casado e tenho relação com minha esposa sempre com preservativo, posso ter relações com ela sem camisinha sem medo de transmitir o vírus …

Reply
Marcio Caparica

Novamente: Felipe, nós não temos autoridade para dar esse tipo de conselho. Procure seu médico, tire suas dúvidas e tome suas decisões com base no que lhe diz seu profissional de saúde de confiança.

Reply
alan

Fui a uma farmacia e comprei uma camisinha q estava vendendo na promoçao a 1 real. usei ela com um ex namorado e ela arrebentou . Porem so vimos q estava arrebentada no fim do sexo. Ele ejaculou dentro de mim.

fui a um posto de atendimento fiz o exame de hiv e nao dru nada. Pprem. Repeti o exame agora apos quase 2 meses. Tou aguardabdo resultado. porem. Ja saiu meu hemograma e meua leucocitos estao normais. Poderia isso ser um indicio de nao infecçao? Pois nao sei se ele tinha Hiv. Porem ele tinha inguas no pescoco.

Reply
Marcio Caparica

Alan, apenas profissionais de saúde qualificados podem tirar suas dúvidas adequadamente (comentários de blog não são o meio ideal para isso). Recomendo que você volte a um posto de saúde e faça todas as perguntas que estiverem tirando seu sono.

Reply
Adalberto

eu sou soro positivo a 19 anos,sou casado e minha esposa não tem hiv venho em uma tentava imensa de fazer uma inseminação para que ela não corra o risco de se contaminar,pois sou indetequitavel a a 6 anos ,se eu tiver relações com ela naturalmente para que ela tente uma gravideis normal ,qual sera o risco de que ela venha se contaminar ? .

Reply
Junior

Aconteceu comigo algo muito interessante, estive com meu companheiro durante 14 anos, mesmo antes de nos conhecermos eu já era soro positivo e mesmo assim ele me aceitou.
Ok. Sempre fui muito cuidadoso em relação a segurança dele para não ser contaminado ,minha carga viral sempre foi indetectavel .
mas um dia eu resolvi usar uma camisinha importada que não lembro mais o nome nem o país de origem.
O mesmo estourou e eu ejaculei dentro dele , na mesma hora eu fiquei desesperado e solicitei que entrasse no chuveiro e fizesse uma higienizacão na esperança de limpar e tirar o risco de uma contaminação.
Foram muitos anos naquela dúvida de saber se ele havia ou não adquirido a doença . Uns dois anos atrás ele precisou internar com uma forte infecção e fizeram o exame de hiv mas não detectaram contaminação pelo hiv .
eu sou positivo desde 1999 .
separei dele mas continuo indetectavel e arrumei um outro parceiro e por uma infelicidade aconteceu a mesma coisa em estourar a camisinha.
Corre o risco dele também não ter sido contaminado e se foi como saberei se foi de mim que ele adquiriu o vírus ?
Pela carga viral , pelo cd4 ou outro meio de saber quanto tempo ele possui esse vírus com ele? Desde já agradeço a atenção.

Reply
Marcio Caparica

Olá. Junior, primeiro, queria dizer que quando acontece qualquer situação de possível exposição ao vírus, deve-se tomar uma providência médica imediatamente – e isso não quer dizer “entrar no chuveiro e fazer uma higienização”. Nos dois casos que você relatou, o correto seria ir imediatamente ao posto de saúde e pedir um coquetel de antirretrovirais para fazer PEP, a profilaxia pós-exposição, em que o indivíduo soronegativo toma os remédios por 30 dias e assim se elimina quase completamente a possibilidade da infecção pelo HIV acontecer. O que não se deve fazer é ficar “muitos anos naquela dúvida”. Seu parceiro anterior deveria ter feito o exame três meses depois para ficar livre da dúvida logo – seja com o diagnóstico positivo ou negativo.

Mas sim, todos os estudos mostram que quando se tem a carga viral indetectável, a chance de se transmitir o vírus HIV é quase zero. Mas para ficar tranquilo, deve-se sempre utilizar preservativo – sua carga viral indetectável é a rede de segurança.

Existem maneiras de se descobrir a linhagem dos vírus e assim descobrir se ele adquiriu o vírus de você. Mas, sinceramente, por que querer saber disso? Seu parceiro continuará soropositivo de qualquer maneira. Vamos parar com esse discurso de “ser culpado” por transmitir o vírus. Numa relação sexual consensual há sempre pelo menos duas pessoas, todos os envolvidos são igualmente responsáveis por tudo que acontece na transa.

Reply
Fernando

Eu tenho Hiv desde 2009,Descobri pq uma vez por ano fazia os exames.Pois sou Tec de Enfermagem e por ser Gay e saber dos riscos sempre me cuidei,não sei de quem eu contrai o virus,Porem eu ja tinha um namorado a gente mora juntos ate hoje, A gente nunca usou camisinha,Pois eu não tinha o virus e ele tbem não tem, Antes da gente começar a morra juntos a gente usava camisinha,Porem depois de 1 ano juntos e os dois sempre fazer exames de rotina uma vez por ano incluindo de hiv, e ambos dando negativos. A gente começou a não usar mais camisa.Ate que no ano de 2009 em um exame o meu teste de hiv deu positivo e o dele deu nao positivo,Fiquei super preocupado e fui em uma Infectologista e comecei a fazer acompanhamento, Apos um ano isso em 2010 comecei a tomar os remédios, esse período a gente estava sempre usando camisinha,de 2009 ate 2010. Comecei a tomar remédio e ja no primeiro mês já deu carga viral indetectavel , como ele sempre me acompanhava nas consultas e nos exames um dia a medica perguntou se a gente estava usando camisinha, a gente disse que sim, ela disse assim, Bom seus exames estão sempre ótimos carga viral indetectavel e defessa do organismo esta ótima, subiu mais ainda, o rim esta normal e hemograma tbem. O risco de seu companheiro pegar hiv de vc e muito pequeno por causa disso, Desde entao a gente nunca mais usou camisinha e ate hoje ele não tem Hiv, So eu tenho virus, Mas uma coisa deixo claro ja perdi muitos amigos por iniciar o tratamento e depois de algum tempo abandonar o tratamento por achar que como nunca acontecia nada com eles tomando os remédios, neh uma gripe deixaram o tratamento e eles se foram

Reply
Bruno Mattos

Relatos como esse mostram como a propaganda governamental sobre o PEP são falhas. Isso nas grandes cidades, imagina nos rincões. Mostra também a canalhice de grandes meios de mídias como a Globo, o portal Terra e outros que promoveram aquelas peças falaciosas que chamam de jornalismo sobre clube do carimbo, pois em vez de produzirem tais matérias de alto teor higienista, lgbtfóbico, estigmatizador, deveriam utilizar sua audiência para divulgar o PEP. Existe um outro problema e isso se agrava nessa conjuntura de cortes bilionários dos orçamentos dos governos que é a falta do PEP nas unidades de saúde. E isso é algo que não poderia faltar em nenhuma. Em muitas unidades de saúde aliás existe o PEP, ele deveria ser distribuído, mas algumas equipes de saúde inescrupulosamente negam à população dizendo que não têm para manter para uso exclusivo da equipe médica em caso de acidentes perfurocortantes – que são relativamente comuns. Esses profissionais agem com o medo de que por falta de verbas seus estoques acabem e o governo não reponha, mas isso não é justificativa para negarem para os usuários dos serviços de saúde.

Reply
edy

Ola sou soropositivo a dois anos..
o meu infectologista disse p/mim que minha carga viral esta indetectavel;confesso que fiquei muito feliz e tento me cuidar da melhor forma posivel… Bem a duvida que eu tenho e :eu sendo indectavel eu ainda posso transmitir a doenca p uma pessoa nao positiva….se a resposta for sim de que forma? Ex.eu sendo ativo ou .passivo na questao…??

Reply
Marcio Caparica

Oi! Como essa reportagem diz, a probabilidade de se transmitir HIV quando se está com a contagem viral indetectável é muito, muito baixa. Tanto que tratar os soropositivos para que fiquem com a carga viral indetectável é a praxe hoje em dia, e é considerado uma maneira de prevenção do HIV. Mesmo assim, é recomendado utilizar o preservativo sempre, para evitar outras DSTs. Quanto à maneira de transmissão, como mostramos na tabela desse post http://www.ladobi.com/2014/11/gays-hiv-vulneraveis/, o sexo anal receptivo (passivo) apresenta muito mais risco de se contrair HIV que o sexo anal insertivo (ativo), mas os dois tipos ainda apresentam uma boa possibilidade de transmitir o vírus. Então, friso de novo, continue usando o preservativo. E, muito importante, não deixe de tomar os remédios todos os dias como se deve, para manter sua contagem indetectável, sua saúde boa e seus parceiros seguros. Boa sorte!

Reply
sergio ronaldo

Gosto muito de le sobre os acontecimentos do dia a dia descobrir ser positivo a um ano foi muito dificil pois sempre fiz sexo com seguranca e sempre fiz exame e deu negativo mas ano passado deu positivo e nao sei esplicar so se foi atravez dr srxo oral bem hoje meus exames sao indetectavel e meu cd4 700 as vzs pensso em fazer outros exame pq so fiz um e sempre que fazia era coletado na veia esse ultimo foi no dedo sei la fiquei meio assim acho que devo fazer outros por seguranca pois um diagnostico so acho pouco ne verdade

Reply
Gustavo

Assim eu sou soro positivo eu tenho a carga virar indetectavel meu namorado fez o teste e deu positivo mais eu não tive ainda a relação sexual com ele e eu estou apavorado por que acho q ele está pensando q fui eu

Reply
James Cimino

Se você não teve relação sexual com ele ainda, então ele não tem do que te culpar, né, Gustavo? E mesmo que ele tivesse tido, ele tem obrigação com a saúde dele mais que você. Então, ninguém é culpado de nada. Tente ser acolhedor e dar apoio a ele nesta hora tão difícil, e se ele te acusar de algo, diga isso. Boa sorte a vocês dois e não se esqueçam que ser soropositivo não é mais o fim da vida. 🙂

Reply
Viktor

Olá. Tenho parceiro + e eu -. Ele tem carga viral indetectável e recentemente tivemos uma relação sem o preservativo, pois andamos lendo um pouco sobre a não transmissão do HIV nesse caso. O que ocorreu, porém, foi medo. Ambos sentimos medo de que ocorresse a contaminação e resolvemos procurar, no dia seguinte o infectologista. Ele foi completamente conservador e disse que não só eu deveria começar a Profilaxia pós expositiva, como me causou um certo pânico ao dizer que ele possui pacientes que se contaminaram dessa forma (entre outras coisas). Sorodiscordantes que possuem a carga viral indetectavel, mas que transmitiram aos parceiros negativos. Agora me vem a grande dúvida. No que confiar? Quem está certo? Por que não passam de uma vez por todas uma informação unanime?
Eu gostaria MUITO de ter contato com outros casais sorodiscordantes para argumentar e saber sobre experiencias. Conheço meu namorado há menos de um ano e tudo isso é relativamente novo para mim. E para ele também, que se contaminou há 2 anos.
Este texto traz um alivio para gente, mas o que o médico disse, causa o oposto.

Reply
James Cimino

O médico nunca vai te dar uma resposta reconfortante sobre isso, porque faz parte dos protocolos sob os quais são instruídos pelo ministério da saúde defender sempre o uso da camisinha para evitar infecção e, portanto, onerar o governo mais ainda. E ele está correto em fazer isso. Eu não te digo qual é o certo nem qual é o errado. O que digo é: se o ativo for o negativo, o risco é muito baixo de ocorrer a infecção, mas não nulo. Você faça a profilaxia se estiver com medo, mas saiba de uma coisa: não há posição unânime quanto a isso. Então, o caso é: ou vocês assumem o risco ou param de se arriscar. Lembre-se, a reponsabilidade sobre seu corpo é sua.

Reply
kleber

viktor. não estou te aconselhando a não usar o preservativo. uso quase sempre.
e ,nas muitas outras vezes em que não usei com meu parceiro(soronegativo) sendo eu ativo ou passivo,apos 7 anos de relacionamento,mesmo não tendo feito parte da pesquisa,hoje estou seguro que não transmiti o vírus a ele. vários exames atestaram essa minha afirmativa. os médicos,como dito,nunca deixaram de aconselhar o uso do preservativo. cabe a voce,cuidar de voce. mas,para mim,e um grande alento,saber que meu parceiro esta seguro.
mas acrescento mais um detalhe em nossas relações: eu jamais ejaculo quando ativo,apenas permito que ele o faça. assim me sinto mais seguro.e tenho pleno prazer assim.
como ve,cada casal deve descobrir seu caminho.
descubra o seu,e seja feliz!

Reply
Jesus da Silva santos

Sou soro positivo meu namorado não, fizemos sexo sem camisinha, tenho minha carga intetervel a algum tempo, mas tenho medo k tenha pego, não sei como falar para ele, pois não quero perder pois amo muito. O k fazo agora posso falar com vc no seu blok

Reply
Hugo Mabreu

Olá Vitor… Há um ano descobri que meu namorado é soropositivo e decidi escrever sobre isso e relatar os acontecimentos do nosso dia a dia. Abri um blog também… Se quiser, pode entrar em contato comigo por lá para conversarmos.

Reply
luana

Texto esclarecedor.Obrigado pois vivo um relacionamento sorodiscorante.Nos cuidamos sempre.

Reply
Isabel

Legal o que vc escreveu, muitas pessoas tem preconceitos sobre essa doença e nem tentam conhecer melhor qual é o verdadeiro risco de se contaminar.

Reply
Wilson

Matéria muito Boa,e esclarecedora, muitas pessoas precisam ficar sabendo com clareza o real da história, sou hiv 16 anos e vivo muito bem! Meu companheiro é soro negativo,e nos entendemos muito bem em questão ao hiv.

Reply
Rafael Pedrosa

Ótimo texto!
Eu namoro com alguém soropositivo e em nossa relação não utilizamos preservativo, pois mesmo antes dessa matéria ser publicada já sabíamos que a CV carga viral, quando está indetectável o vírus não se manifesta. Independente disso somos muito felizes juntos e eu sou sorodiscordante, então estou dentro da estatística informada, mas são poucos os casos, não tá liberado sexo sem camisinha, seja consciente!

Reply
Francisco

Rafael e a questão não tão debatida quanto ao sexo oral.
Um soropositivo com carga viral zerada que recebe e pratica sexo oral sem proteção. Você tem algum dado quanto a contaminar o parceiro sorodiscordante?
Porque nos CTAs a recomendação é expressa: uso de preservativo no sexo oral.
É uma duvida que acho pertinente e não é tão debatida

Reply
Jonas

Os médicos e enfermeiras de um COAS no Paraná me garantiram que sexo oral não é um meio de transmissão pro hiv.

Reply
Rafael Pinheiro

texto INCRÍVEL! seria muito bom se tivéssemos mais abordagens como essa para informar as pessoas (sobretudo os jovens gays, aqueles que estão se infectando com HIV de forma meteórica). HIV não é uma guerra, nossos inimigos não são as pessoas que vivem com o vírus; precisamos re-elaborar nossas fantasias e a forma de olhar pra uma epidemia SOCIAL e POLÍTICA como é a epidemia de HIV. é triste ver gays, aqueles que mais sofreram com o estigma associado à doença, julgando e condenando as pessoas que vivem com o vírus. na história do HIV/AIDS, uma das coisas mais lindas que vi, na minha pesquisa, foi o amor e o cuidado, acima de qualquer prenoção ou julgamento, entre parceiros e profissionais de saúde. é isso que me motiva a ser um militante dessa causa.

Reply
Ricky

Muito bom o texto, parabéns. Mas, apesar de reduzir e muito a transmissão em casos de pacientes com a CV indetectável, isso significa que o número de cópias do vírus está mais baixo que o possivel para ser detectado nos laboratórios, porém o mesmo exame feito, por exemplo, no esperma já acusa níveis detectáveis e diferentes de Carga Viral do sangue. Não está liberado o sexo sem preservativo só pq saiu essa pesquisa recentemente. a melhor forma de prevenção continua sendo o preservativo! Sou soro+, sei do que estou falando, sei o que passei e o que passo, não quero isso para ninguém!

Reply
juliana moura

belíssimo texto.
e acho que cabe uma extensão: todas as outras doenças sexualmente transmissíveis são tratadas da mesma maneira.
HPV é uma doença particularmente popular que seria erradicada se as pessoas se dessem ao trabalho de fazer o teste de DSTs a cada 6 meses. para os homens raramente tem sintomas e para as mulheres pode matar.
HPV diagnosticado e tratado vira um vírus indetectável e não transmissível que pode voltar a ser ativo se a pessoa tiver uma crise imunológica. muito parecido com HIV, mas sem remédios diários.
os gregos já falavam do “cuidado de si” e a gente não aprendeu até hoje…

Reply
Ricardo Rocha Aguieiras

Texto primordial e brilhante, mas só tenho um porém: não são os homossexuais os inventores do conservadorismo e este se alimenta da Aids e do HIV acreditando (enganados) coibirem pelo medo a atividade sexual das pessoas. Os homossexuais se encontram dentro de um contexto de moral, de moralismo, não podem estar de fora da forma como foram – ou não! – educados. E o conservadorismo ´[e uma doença global, uma ameaça grave, ainda mais num país cada vez mais fundamentalista como o Brasil. Outra coisa: a medicina preventiva informa e tenta impor mudanças de comportamento pelo julgamento e imposição. E isso não funciona, nunca funcionou e nem funcionará um dia, não é assim. Informar, sim. impor, jamais. São pagos para INFORMAR, pelos altos impostos que todos pagamos. Cumpram isso com eficiência e nada além disso, senhores médicos e cientistas. Não deuses, não juízes. Obrigado,
Ricardo Rocha Aguieiras

Reply
João Vieira

Cara, que texto f*! Já li muitas coisas sobre estes testes e achei muito boa a linguagem e forma de abordagem do tema. Parabéns! Pena que, como disse o Bruno, muitas pessoas nem lerão por se tratar de um tema-tabu.

Reply
Bruno

Zero pessoas lerão essa notícia pq falar de HIV/AIDS é tabu, mesmo no meio que mais sofreu com ela. Enquanto isso milhares de pessoas farão sexo desprotegido nesse fds e, se por acaso vier a ser infectada, jogará toda a culpa no hiv+. E a sua responsabilidade de se cuidar? Se nem você cuida de si, imagino o próximo. Se você faz sexo sem camisinha com um desconhecido, não venha depois pagar de vítima.

Reply
junior

Eu li, não sou soro positivo mas me preocupo com tudo que acontece, doença alimentação, conheço pessoas que são, a maioria vive escondido, porque não querem se dar ao desprazer de toda hora dar uma aula de ciência e depois de tudo ainda enfrentar o preconceito que existe, falta de informação causa isso, obs, tive relação com uma mulher com carga indetectável, por umas três vezes se não me engano, e estou limpo, fiz os exames, tudo negativo, então realmente tem fundamentos essa pesquisa. Mas cv indetectável ainda não eh método de prevenção mas ajuda em deslizes.

Reply
mariane

é isto aí Junior…é uma pena que poucos acreditam nisto.sou soro positva há 20 anos…estou bem e já tive namordo discordante

Reply
JOAO

EU NAMOREI COM UM RAPAZ A 1 MÊS, EU NAO SABIA QUE ELE ERA SOROPOSITIVO. QUANDO SOUBE PIREI, CHOREI, NAO COMIA. O QUE ACONTECE É O SEGUINTE: ELE É ATIVO, NÓS SEMPRE USAMOS CAMISINHA NO SEXO ANAL, POREM NO ORAL NÃO. ELE NUNCA EJACULOU EM MINHA BOCA. E SUA CARGA VIRAL É INDETECTAVEL. POREM, TO MORRENDO DE MEDO DE FAZER O EXAME. COMO NAO TENHO AMIGOS, CONTEI A MINHA MAE E ELA ESTA MUITO MAL. AS CHANCES SÃO GRANDES?

Reply
Marcio Caparica

As chances de você ter contraído o HIV são bem pequenas. No entanto, recomendo que você faça o teste agora para ficar mais tranquilo, e novamente daqui a três meses para garantir. É melhor saber logo e se tratar, se você houver pegado HIV. Mas, pela descrição que você fez, é bem improvável que você tenha pegado o vírus.

JOAO

EU ATE PENSEI EM CONTINUAR O NAMORO COM ELE, POREM, FUI EM UMA INFECTOLOGISTA DISSE QUE ELE ERA SOROPOSITIVO E QUE TAMBEM TINHA O VIRUS INDET. POREM,. ELA DISSE QUE AS CHANCES CONTINUAVAM, PORQUE ELE PODIA SER INDETECTAVEL PARA O VIRUS DA MEDICAÇÃO QUE ELE TOMAVA.POREM, SE ALGUM VIRUS IMUNE A DROGA PODERIA EXISTIS, E QUE A BOCA POR SER MUCOSA TRANSMITE TB HIV, POIS COMUMENTE ESTAMOS MACHUCANDO-A.
ELA ME PASSOU O TESTE WESTER BLOOT, O QUAL NEM SEI PRA QUE SERVE. VOU ESPERAR FINAL DE MARÇO PRA REALIZAR, QUERIA TANTO QUE ISSO FOSSE UM PESADELO, POIS AMO ELE. MAS NAO TENHO COMO CONTINUAR ESSE NAMORO.

Bruno Mattos

Surreal essa médica aí hein. Se fosse assim todo mundo teria HIV no mundo já porque tá todo mundo se beijando na boca e com muito mais intensidade do que faz sexo oral. Vc abandonar uma pessoa pq ela é soropositiva é bem ruim tbm, ela deve ter se sentido um lixo, vc contribui assim prá estigmatização e reprodução de preconceito e pior perdeu uma chance de ser feliz.