Conheça os G0YS: eles não se acham gays, não fazem sexo anal, mas curtem homens

Conheça os G0YS: eles não se acham gays, não fazem sexo anal, mas curtem homens

Esse post apenas mostra como o machismo se transmuta e coopta pessoas das formas mais bizarras e, por que não, risíveis

por James Cimino

Pois eis que navegando pelos esgotos da internet descobri, por meio do amigo Diboua, um site chamado G0YS.org. De que se trata? É uma comunidade para “caras que amam a masculinidade”, mas que rejeitam o rótulo de gays. Inclusive eles não gostam de “brincar com o ânus alheio”. O nome é grafado com um 0 no lugar do “A” da palavra gay e significa, numa tradução livre, a estaca zero da masculinidade. Mas eles gostam de homem, Arnaldo? Gostam sim. Mas então eles são gays, certo? Nãããooooo. Eles são G0YS (não me perguntem como se pronuncia). Não entendeu? Vamos ler um trechinho do manifesto? 

Antes, no entanto, acho importante fazer uma defesa do texto de ontem do Marcio sobre os Gays Machões e sobre como uma grande parte deles usa a masculinidade para oprimir os gays efeminados. Muita gente aplaudiu o texto, mas houve também muita gente que veio dizer que o texto era preconceituoso, que o texto dizia que a única forma de ser gay e ser feliz seria desmunhecar, entre outras bobagens.

Então, faço as seguintes ressalvas:

  1. O texto do Marcio não está reforçando um preconceito, mas falando e criticando um tipo de preconceito que é sim muito presente dentro da nossa sociedade.
  2. O texto fala sobre machismo e misoginia entre os homossexuais
  3. O texto não diz em nenhum momento que para ser feliz é preciso desmunhecar, embora diga também que desmunhecar é uma atitude libertadora
  4. O texto não é contra homossexuais que agem de forma mais masculina ou discreta, mas contra aqueles que usam esse tipo de atitude como forma de opressão a outros homossexuais
  5. O texto fala que esse tipo de machismo, misoginia e autohomofobia apenas reforça discursos de preconceito quando não gera pessoas bastante perturbadas como esses moços aqui do G0YS, cujo manifesto segue abaixo:

O que os homens que procuram o movimento G0YS geralmente descobrem é que há um lugar para os homens que amam a masculinidade, mas não se sentem confortáveis com o termo “gay”, nem com os estigmas que o cercam. G0YS representam a maioria dos homens, que por acaso têm profundos sentimentos por outros homens e optam por expressá-los em uma atmosfera de respeito pura, sem o menor indício de degradação moral. G0YS: uma abordagem sóbria, libertária de amizades masculinas. Não nos identificamos com “gays”? Não! Homens como nós realmente acham as imagens e estereótipos que são promovidos de dentro da chamada “comunidade gay” repugnantes para a nossa sensibilidade masculina. Sabemos instintivamente que amar outros homens não tem nada a ver com mudança de gênero, travestimento ou fazer o papel feminino na cama! A natureza do G0YS rejeita qualquer coisa que tenha a ver com brincar com o interior do ânus de outra pessoa. Portanto achamos toda a noção de “sexo anal” suja, degradante e não-masculina.

Em outro trecho:

Você adora o contato [com outros homens] e gostaria de estar mais perto, mas você tem esse medo de que as pessoas podem pensar que você é uma “bicha”. No entanto, você não tem nenhum desejo de colocar qualquer coisa no cu do outro cara. Você só quer trocar carícias com ele, dar uns amassos e ver o que acontece. Você curte caras masculinos, mas você não é “gay”, pelo menos não como a mídia retrata os “gays”! Você não se relaciona com homens que tenham os mesmos maneirismos que os caras do filme “A Gaiola das Loucas”. Você não está sozinho. As estatísticas sugerem que 63% dos caras lidam com sentimentos semelhantes!

Dei mais uma navegada pela caótica página desse movimento (tão caótica quanto suas ideias e argumentações) e li também que os G0YS acham que penetração só pode rolar de pênis com vagina (eles admitem transar com mulheres e serem casados, por exemplo) e que eles rejeitam o sexo anal por ser, em suas palavras, “o maior vetor de DSTs”. Há também opiniões horríveis sobre transexualidade que, se vocês quiserem ler (e encontrarem naquela diagramação cagada), também dão vontade de vomitar de tanto simplismo.

Uma coisa é fato: eles conseguiram dar um nó na minha cabeça. Você provavelmente também não entendeu direito de que se trata esse movimento. Por isso quero propor um debate com nossos leitores, já que muito se disponibilizam a vir aqui e comentar. O que vocês acham desses caras?

  1. Têm sérios problemas psicológicos?
  2. São gays enrustidos?
  3. São dignos de pena?
  4. São machistas e misóginos?
  5. Não são gays?
  6. Apenas nutrem amor platônico por outros homens?
  7. São fruto daquele tipo de pensamento que o Marcio abordou no texto anterior?
  8. São tudo isso?
  9. Não são nada disso…

Minha opinião sobre eles se resume ao trecho inicial de “What It Feels Like For A Girl”, que a Madonna tirou de uma citação da Charlotte Gainsbourg (a mina de “Ninfomaníaca”) no filme “The Cement Garden”.

Girls can wear jeans, cut their hair short, wear shirts and boots and  it’s OK to be a boy. But for a boy to look like a girl is degrading. ‘Cause you think that being a girl is degrading. But, secretly, you’d love to know what it’s like. Wouldn’t you? What it feels like for a girl…

)

)

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

96 comentários

Isabela

Pelo que eu entendi do texto do James, ele está querendo dizer que não é possível ou não é aceitável um homem gostar de outro homem e não curtir sexo anal. Eu me sinto atraída por homens afeminados, porque eles são mais carinhosos. Mas não curto sexo anal. Então você quer dizer que eu nunca vou encontrar um homem que satisfaça meus desejos, ou seja, nunca vou achar um homem afeminado que nao curta sexo anal? Uma pergunta: o que vocês veem no sexo anal? Se eu digo pra alguém: “lambe a privada” eu estou humilhando esse alguém, não estou? Fazer sexo anal é a mesma coisa que mandar alguém lamber uma privada: significa mandar uma pessoa sentir o gosto de merda, o que é nojento e humilhante.

Reply
all

Boa tarde a todos.
Bom posso estar errado mais os Goys devem ser uma outra forma de homoxualismo ou do bissexualismo a forma psicológica.Temer ser apaixonar por outro homem lendo esse texto lembrei um cara que conheci através um casal enfim esse homem na verdade é cunhado de amigo meu muito bem casado.
Mas em certa ocasião foi em minha e disse-me palavras dele:não somos viado mais nada nos impede de fazermos sexo.egrorei aquelas palavras pois segundo eles gays são afeminados.
Por essa razão não Alonso o dedo p/condenar ninguém é claro salvo os condenados pela operação lava jato.kkk.
Quanto aos espero que sejam conscientes da sua escolha.
Sou negro e quanto ao fato deles não curtirem se relaconar de alguma forma com negros acho normal cada qual com sua consciência.
Abraço
Grato pela oportunidade

Reply
Júlio César

É preciso muita cautela… não sou g0y(movimento que seria uma ampliação ou outro nome para o bromance, o termo G0ys significa gay zero zerohttp://extra.globo.com/noticias/mundo/conheca-os-g0ys-homens-que-se-relacionam-entre-si-mas-dizem-nao-ser-gays-12218506.html) pq vejo mta incoerência e estereotipagem nesse movimento mas me identifico com pontos deles, o amor “platônico” ou sei lá pelo masculino, pela identidade masculina, sou bissexual não gosto dos gays afeminados e acho que esse texto e outro embora pertinentes em alguma críticas ainda sim expressam incompreensão do movimento g0y, é claro que eles tem um machismo imposto etc… mas eles tbm representam um sentimento que muitos gays e bis e talvez héteros tem e que se identifica nesse movimento, nesse sentido esse texto não foi eficaz em descreve-los e explica-los, existe sim no movimento LGBT uma ideologia, uma cultura inconsciente até, um inconsciente coletivo na cultura LGBT, que eu nem preciso descrever pq descrever seria um texto longo e complexo mas todos que conhecem sabem…mas essa cultura muitos gays, bi e héteros “g0ys” não se identificam msm e tem até repulsa pois causa uma estereotipagem em todo os os gays, os gays masculinos são os mais que sofrem preconceito e incompreensão por parte da sociedade por causa dos esteriótipos e por parte do movimento LGBT por achar que tais gays são mascarados, hipócritas e não se assumem pois para eles todo gay tem de ser aquele tipo escadaloso, afeminado… emfim longa questão mas seria bom o pessoal se informar mais, vejo como um movimento embora limitado e cheio incoerências e ressalvas é legítimo por representar uma linha de homens que se sentem sozinhos, excluídos por não se identificarem nem com a cultura LGBT nem com a sociedade “comum” machista e idiota! Sim eles são machistas na medida que alguns de seus pontos representam uma inferiorização da mulher uma repulsa de comportamentos ditos por eles sujos e nojentos mas pelo menos eles representam um sentimento que sós os que sentem isso sabe e que hoje embora os gounis já expressem não canalizam ao meu ver todo esse sentimento! Eu sempre tendo a achar que todo ato de conceituar é um ato de limitar como dizia Nietzche o conceito é um castelo que limita os significados, esses rótulos, caixas etc.. gounis, g0ys, gays, bis hétero etc… na verdade são pequenos para expressar a complexa vida humana e ainda a mais complexa sexualidade, humana.

Reply
James Cimino

Não, não, você está equivocando e não está indo à fonte do movimento G0y, que é um movimento homofóbico e patologizante sobre transgêneros e efeminados. O link deles é esse: http://g0ys.org/initialize.htm Eles se dizem héteros e desprezam o sexo anal com homens por considerarem um vetor de dsts. E tem mulheres, mas elas não sabem de suas práticas. E sexo sem penetração entre homens tem outro nome: gouinage. E eles não ficam discriminando quem faz sexo anal ou quem desmunheca. Fazem o que gostam e pronto. E G0y não significa gay zero, significa, segundo esse site que te passei, masculinidade ground zero. Então, nem adianta tentar defender os caras com base na matéria do extra, que se baseou em um interpretação light da coisa que os entrevistados deram. E sobre os gays masculinos sofrerem mais preconceito? Aonde, cara? Os gays masculinos, que na maior parte dos casos são na verdade enrustidos, se “passam” por heteros. Quem são as maiores vítimas de violência entre os LGBTs são trans, travestis, gays efeminados e mulheres. Não venha se colocar como vítima porque você não é. Você e essa postura de culpar os efeminados pela “má imagem” que os gays têm são, na verdade, agressores indiretos, porque endossam a violência com a filosofia de que se o cara não fosse desmunhecado não apanhava. Check your privileges and double check your sources antes de querer botar panos quentes nesses caras,

Reply
Bi_carlos_SP

Viver a sexualidade gay não tem nada a ver com ser LGBT militante, pois 90% dos gays nunca pregaram uma bandeira do arco-íris, e da mesma forma a sexualidade g0y não tem nada a ver com esse site g0ys.org que fala tanto. Ele é apenas um site que representa a extrema direita norte-americana do movimento g0y. E 90% dos g0ys que conheço aqui de SP não tão nem aeh pro que eles falam, muitos deles sequer nunca os leram. O material em português, e os vídeos com certeza bombam muito mais.

Todos os g0ys que conheço se dão muito bem com os bissexuais, não tenho nada contra, pelo contrário acho que tenho e eh é a favor. Alias como bisex, a medida que os conheço, penso que tenho muito mais a ver com o pensamento g-zero-y do que com o pensamento gay.

Reply
James Cimino

E essa estatística de que 90% dos gays não se identificam com a bandeira do arco íris você tirou de onde, já que os g0ys não se identificam como gays?

Reply
James Cimino

Aliás, você é bissexual como? As mulheres com quem você sai sabem disso? Ou você só é bissexual quando ninguém tá vendo?

Reply
Artigo: Não se trata de sua opinião, você está errado

[…] apenas não curtem negros”, afinal, esta é sua opinião e nós devemos respeitá-los. Ou, ainda, os G0ys, que revelamos aqui, e que muita gente da comunidade acha que devem ser “respeitados&#…, ignorando o fato de que este grupo se baseia, em sua origem, na discriminação, preconceito e […]

Reply
Eduardo

Eu acho que muitos gays masculinos podem sim se identificar como g0ys pra quebrar esse tabu negativo de que todo gay é bicha, frágil e escandaloso.

Reply
Eduardo

Não quero Generalizar mas tem afeminados que pelo amor de Deus cara, quando o afeminado começa dar pinta, gritar, berrar e bater cabelo em lugares públicos é totalmente desnecessário.

Reply
Marcio Caparica

Assim como um machão que grita, berra, coça o saco e sai batendo na mesa (ou em outras pessoas) também é totalmente desnecessário. O escândalo não é exclusividade de nenhum tipo de pessoa. Sua associação do escândalo a afeminados, no entanto, é problemática. Tem muito afeminado que não dá escândalo. Tem muito machão que sai gritando e dando porrada por qualquer motivo.

Reply
James Cimino

Você leu o manifesto dos G0ys, Eduardo? G0y não é ser gay masculino. G0y é ter preconceito contra LGBTs, chamar de doença, perversão etc. No site deles, eles dizem que penetração “só com mulher”. Ou seja, eles continuam casados com mulheres e fazem pegação com homens (sem elas saberem, claro), mas tudo sem penetração. Eles são uns enrustidos que adoram demonizar os gays, masculinos inclusive. Então, antes de querer ser identificado com esses tipos, se informa. Senão você vai passar vergonha…

Reply
Bi_carlos_SP

James, acho que vocês está errado. Rapaz deixa de ser reacionário. Isso tá parecendo briga de PT e PSDB, sexualidade gay não tem nada a ver com ser LGBT e da mesma forma a sexualidade g0y não tem nada a ver com esse site g0ys.org que fala tanto. Ele é apenas um site que representa a extrema direita norte-americana do movimento g0y.
G0y é só um cara homoafetivo que não dá o cu. Imagino eu que Poderia até ser ativo, como eu sou, mas como ele prefere outro ser masculino igual para igual, é quase certo que nesse campo ninguém cede, e pronto, repetiram tanto a experiência que descobriram com o tempo que o prazer da pegação, da sacanagem e até do abraço também é válido.

Todos os g0ys que conheço se dão muito bem com os bissexuais, alias nós bisex, temos muitos mais a ver com o pensamento g0y do que com o movimento gay.

Acho que você é exceção, afinal se diz bisex, mas essa birra com os goys é coisa pessoal, é sua e não nossa.

James Cimino

Em primeiro lugar, nunca me disse bissex. Em segundo lugar, esses g0ys que você diz não terem nada a ver a com a extrema direita americana e com quem você se dá muito bem se caracterizam por o q? Por não serem efeminados? Isso não faz de ninguém g0y. Ou por não gostarem de penetração? Isso se chama gouine, da prática goiunage. Ou o que os caracteriza é o fato de serem enrustidos? Isso se chama enrustido. Ou porque eles são masculinos e gostam de mulher? Isso se chama bissexual. Ou ainda, não se identificam ou não pregam nenhuma bandeira LGBT porque acham que tá tudo lindo pra quem não tem uma sexualidade “normal”? Isso se chama apolítico. Então, posto isso, gostaria que você me explicasse a filosofia desses g0ys brasileiros, que ao que me parece é só mais um clubinho de enrustidos que não querem parecer gays porque é mais fácil ajudar a propagar a homofobia com essa ideia de que gay tem que ser masculino e não dar o cu porque é sujo.

Pedro Victor

Achei interessante a matéria e respeito do g0ys, pelo que li é um características presente em 60% dos homens, ”desejo ou curiosidade de trocar carícias com outros homens, mesmo não sendo gay”. Muitos dos meus amigos na adolescência fizeram isso e hoje são todos casados, com filhos e não acredito que são homossexuais só por causa de umas aventuras. Só os posso definir como g0ys. Cada um vive como quer. O que achei mais engraçado é a forma de organização que tomou conta do mundo em vários países e mídia, e até redes sociais eles tem como por exemplo http://str8g0ys.com
Fica aí o meu comentário mas acrescento que não condeno que quer viver dando o cu ou não. Somos livres.

Reply
James Cimino

Então, o negócio desses G0ys é que eles condenam quem faz isso de forma nojenta e fascista. Caras que não curtem penetração são chamados de gouines há muito tempo e isso é uma coisa. Caras que curtem homens e mulheres são chamados de bissexuais. G0y é um nome inventado por pessoas intolerantes com a sexualidade dos outros e com a própria sexualidade, por isso nós não gostamos deles. Leia o “manifesto” desses caras e verá que eles falams mais do que odeiam nos outros e menos do que gostam em si.

Reply
Aderson

Lendo os comentários do post, cheguei a conclusão que o autor merece ser CANONIZADO! O cara escreve, reescreve, zilhõe de vezes “cada um faz o que tem vontade, o que crítico é passar mais tempo enxovalhando quem tem um gosto diferente”. Aí vem uma pessoa e escreve “Deixem os G0ys em paz!” Socorro! Será que tá faltando interpretação de texto na nossa formação infantil? Só pode. Abismado. E isso que estamos debatendo em um grupo supostamente parecido, não com extremos, tipo, debater com o Silas Malafaia. Quando será que vai acabar com a ânsia do ser humano de depreciar e não respeitar o que é diferente de si? Será que é difícil cada um viver do seu jeito sem achar que os gostos alheios influenciarão tanto na sua vida assim?

Reply
Aderson

Visitando o blog pela primeira vez e admirado com a competência do autor em ter paciência de escrever coisas tão óbvias, aí me deparo com certos comentários e vejo “nossa, foi preciso mesmo toda essa paciência, a mentalidade muda bem mais devagar do que eu imaginava!”. E parece que as pessoas não leram com atenção, ou não conseguem /não querem entender o que está tão claro. Lá vem nosso querido autor, claro, inteligente e paciente, explicando novamente o que já estava claro no texto. Parabéns por tudo. Você é admirável.

Reply
Gabriel

sou bi e acho que os g0ys são só um grupo de pessoas que assim como eu querem acabar com o esteriótipo que gira em torno dos gays trazidos pela mídia, sou ativo por isso n gosto de dar o cú mas n tenho nada contra a homens que gostem desse tipo de sexo, só n acho normal um homem gay ou bi ter trejeitos femininos, pois isso traz outras series de fatores psicológicos sobre identidade e etc, acho que um um gay deve aceitar a sua condição de homem (gay) e n receber influencia das caracteristicas femininas.

Reply
James Cimino

Pois é, Gabriel, eu não teria nada contra os G0ys se eles não tivessem “nada contra” quem gosta de dar o cu. Se você é ativo, deve saber que para isso precisa que aja passivos, certo? Mas o G0ys deixam bem claro que acham degradante um gay “fazer o papel de mulher na cama”, ou seja, ser passivo. E que pra eles, penetração é só com mulher. Sobre um cara agir de forma feminina, o que você quer dizer exatamente com “normal”? Ou você acha que o senso comum acha “normal” o que você faz? Vamos parar com isso. Não tem problema nenhum em ninguém dar o cu, ser efeminado ou simplesmente não querer dar o cu. Inclusive, pra isso já existe um nome, o “gouinage”, mas os gouines não condenam que da´o cu como os G0ys. Esses caras são uns machistas, misóginos e preconceituosos que querem inventar toeria furada pra justificar suas concepções deturpadfas a respeito do mundo e do que é certo ou errado.

Reply
Dante

“Goy”, “Hetero-Passivo”… São “movimentos” com os quais tenho ultimamente me deparado e, sinceramente? Tudo muito patético. Em resumo e na lata? Coisas de homens que lidam muito mal com a própria homossexualidade e que, por isso, buscam algum tipo de alívio para a culpa que sentem dos próprios desejos, bem como explicações esfarrapadas para continuarem “dando” escondidinhos longe do julgamento da sociedade – para a qual eles pagam de “macho” – e, principalmente, do conhecimento das esposas/noivas/namoradas – sim, a maioria desses caras são casados, noivos ou namoram com mulheres, as quais nem sonham que eles têm perfis em sites de pegação, frequentam saunas, mantêm há anos caso com o vizinho, e outras coisas mais. Essa é a grande verdade – e eu não entendo, portanto, o porquê de algumas pessoas ficarem gastando tanto vocabulário com o que é mais claro do que a água. Quem ainda tiver dúvidas disso, basta procurar saber – e saberá. Já cansei, c-a-n-s-e-i, de ver esse filme.

Reply
Mica

Acho desnecessário,uma coisa é orientação sexual outra é gosto,criar tantas categorias nos faz acabar chegando em gostos pessoais,acredito sim,que existem homens que gostam de outros homens e não gostam de penetração,beleza é um gosto. Não é um orientação.Imagina só se começarmos a considerar orientação sexual pelas “posições que elas fazem na cama” vai ser muito bizarro,é uma exposição desnecessária.Obs.Sei que o g0ys tem outras regras mas basicamente seria isso no geral.A pessoa tem o direito de se apelidar como quiser,porem acho superficial demais.

Reply
James Cimino

Mica, dá uma lida na página deles e veja que não se trata apenas de gosto, mas de um gosto baseado no preconceito contra os LGBT. Na página deles eles passam mais tempo criticando quem faz sexo anal e quem é transgênero que outra coisa.

Reply
Marcela Arantes

Ola. Sou mulher e hetero. Resolvi pesquisar sobre G0y e vi essa pagina. Gostaria de fazer uma comparação. Negros fizeram essa jornada de preconceito e conquistas na sociedade. Mas apesar dos avanços, ainda hoje ha preconceito até mesmo entre os negros. Os gays que alimentam este tipo de discussão estão reforçando o Preconceito. Os g0ys e qquer outro grupo tem liberdade? Ou não? Hipocrisia é retrocesso.

Reply
James Cimino

Marcela, antes de dizer que nós estamos reforçando preconceito, dá uma lida n página dos G0ys (www.g0y.org) e leia lá quem tem preconceito. Vc irá encontrar uns caras que em vez de fazerem apologia do seu modo de vida, o fazem depreciando os LGBT, depreciando suas práticas sexuais, acusando-os de imundos, chamando de degradante que “faz o papel de mulher na cama”, chamando transexuais, drag queens e travestis de doentes e por aí vai. Quem não gosta de dar o cu é livre pra isso, mas até pra isso já existe um nome gouine.

Reply
Aluizio Raposo

Acredito que essa forma de mascarar o óbvio é de certa forma benéfica.Porque para um gay,como eu,feliz e realizado sexualmete e na Vida.aumentam as ofertas,isto é ,tem produto novo na prateleira.Pretendo provar um Goy.

Reply
Lucas

Bom, Tenho algumas considerações a fazer sobre esses G0ys…
Não há duvida que esse tipo de ser é fruto da sociedade machista e patriarcal em que vivemos, é a síntese de todos os tipos de preconceitos relacionados á homossexualidade que podemos encontrar na nossa cultura.
Seriam eles vítimas do sistema?
Eu não acho, acho que eles contribuem para reforçar os esteriótipos.
Num momento onde a libertação sexual está á todo o vapor, eles estão indo na contramão dessa corrente. Todos os pensamentos por eles expressos remetem a idéia que ser homossexual é errado e que se você tem desejos por outros homens, você deve manter isso em segredo (em segredo até para você mesmo porque convenhamos, dizer que sexo anal á errado e sujo, além de ser o maior vetor de DSTs é uma piada de péssimo gosto).
Eu poderia escrever um livro sobre esses seres com o cerebro menor que um amendoim, mas prefiro dar uma ideia construtiva; Podemos pegar todos eles, empacotar e mandar pra rússia, o que vocês acham? Nos livramos deles e ainda contribuimos para uma sociedade melhor, já que eles vão se dar muito bem por lá!

Reply
Gabriel

Gostei dessa discussão toda do movimento g0ys e aprovo. Eu sempre me senti parte desse grupo, e com os anos fui descobrindo que assim como eu, muitas pessoas curtem ficar com caras mas não curtem a penetraçao com homens e não curtem levar uma vida gay, e isso não se chama ser mal resolvido, dentro do armario, ou demais. O fato de eu nao curtir frequentar por ex balada gls, vez q a música principalmente não me agrada não me faz ser irrustido. Acho que as pessoas deveriam acabar com rótulos e que cada um viva da maneira que quer. Mas sou totalmente a favor desse novo movimento g0ys, e que mais pessoas se juntem a ele.

Reply
Antonio

Um homem heterossexual pode eventualmente ter relações com outro homem? Sim Pode.
Um homem homossexual pode nao gostar de penetração? Sim Pode.
Um homossexual pode nao se identificar com o estilo de vida gay? Sim Pode.
O que NÃO Pode mesmo e se achar superior por causa disso e esculachar os que têm um comportamento diferente do deles.

A grande verdade e que essa “tendencia” nao me surpreende nem um pouco. Subculturas homoafetivas machistas são tão antigas como elas só. Desde a antiga Grécia, passando pela Sao Francisco do pós guerra nos 50, ate o inicío da subcultura bear e leather. Não estou de acordo com esse movimento, mas com sorte pode trazer algo de positivo sobre como a sociedade enxerga a afetividade entre homens, igual como aconteceu com a modinha das lesbicas chic dos anos 90.

Reply
Marcos

Eu não sou do movimento g0y, não posso responder por eles sobre as acusações que vc fez! Vc diz
“Se o cara REJEITA algo que para todos os efeitos NADA TEM A VER COM ELE, é porque algo ali o incomoda. Eu, por exemplo, sou gay e não rejeito as mulheres nem o que é feminino”.

Só posso responder por mim e não pelo movimento! Essa resposta eu ja te dei e vc não entendeu.
Incomoda porque é algo que não pertence a minha identidade, tudo que é posto como identidade gay eu não me identifico com NADA. é injusto e errado
associarem me com algo que não é minha verdade, é como vc chamasse um advogado de pedreiro e pedisse pra ele fazer uma casa. De novo a única coisa em
comum que temos é algo que fica como gostar do mesmo sexo. É tão difícil entender isso!

No seu caso vc pratica o sexo anal e vc é passivo, Isso faz parte da identidade gay, logicamente vc ta sob o manto gay, pra vc se enturmar é um pulo.
TODOS que fazem parte do movimento gay praticam pelo menos um desse preceitos. Quem nao pratica e aceita ta fora!

Vc diz “mas que obrigatoriamente não tenha rejeição pelo feminino, oras! É o mínimo que se espera de pessoas que são discriminadas.”
Mas é exatamente ai é que esta o problema nao sou feminino, nao desejo ser feminino, porque sou masculino gosto do masculino. se tenho que apreciar o feminino automaticamente ja estou fora. O movimento LGBT é feminino SIM!! olhe as caracteristica do seu grupo e vc notará a feminilidade por todos os lados. ex: sexo anal (os gays adoram fantasiar ser mulher ser penetrado pelo macho alfa como se fosse uma mulher, nao posso dizer todos mas a maioria sim) os gays adoram os pronomes femininos, adoram a cor rosa a bandeira ridicula infantil e feminina do arco iris… Portanto é femino sim!

Reply
James Cimino

Mas alguém te obriga a ser feminino, criatura limítrofe? Não! Mas você não tem o direito de se incomodar com algo que não é seu. Se não pertence à sua identidade, por que você se incomoda? Eu te digo. Te incomoda porque você sabe que isso existe dentro de você e você renega. Meu amigo, você faz suposições muito equivocadas e herméticas sobre sexualidade. Nem todo mundo que gosta de dar o cu fantasia com macho alfa. Tem pessoas que simplesmente fazem o que lhes dá prazer porque sentem vontade e prazer nisso. Nem todo mundo que dá o cu só dá o cu. Aliás, o mais legal de ser gay é poder brincar de tudo. Você fica aí de mimimi por causa de nominho. Que viadagem, hein? Se não é com você, se ofende por que então? Você não precisa ser feminino para não rejeitar o feminino. Não é o que você gosta, mas não discrimine quem gosta. Porque você não é melhor que ninguém que gosta. E é disso que se trata esse movimento de enrustidos de merda que ficam apegados a essa merda de masculinidade frouxa e insegura. Ser macho, ser homem é bem mais que não dar o cu. E o movimento LGBT é de todos os sexos e sexualidades, mas você vê o feminino em tudo e acha isso degradante. Porque você é um misógino, homofóbico e machista. Sem falar que é muito pedestre em sua argumentação.

Reply
James Cimino

E infantil é esse seu argumento sobre a bandeira do arco-íris, que tem uma fundamentação na ótica. Todas as cores que formam uma cor só. Todas as sexualidades do ser humano. Entendeu? Você participou de alguma aula de física? Porque das de português a gente percebe que não, né?

Reply
Marcos

Quanto comentários HIPÓCRITAS tem aqui, da pra notar bem o quanto esses gays realmente são déspotas, não querem concorrência mesmo. Pois tomara que esse movimento cresça e muito, e bata de frente com essa porcaria de movimento esquizofrênico e contraditório chamado LGBT.

Reply
James Cimino

Primeiramente defina déspota. Em segundo, defina onde está a hipocrisia aqui. Vou te dizer uma real, Marcos. Se você acha que os G0ys têm que “bater de frente” com a comunidade LGBT, mais uma motivo pra eu achar esse movimento fascista, misógino e homofóbico. E hipócrita para mim é um bando de macho que curte rola querer pagar de moralmente superior em relação a quem gosta de dar o cu e desmunhecar. Esses G0ys querem mais é Ibope, mas como são uns covardes que querem defender o direito de levar uma vida às escondidas (sim, nenhum deles mostra a cara nem dá nome, né, por que será?) ficam querendo atacar a comunidade LGBT que quer e tem direito à visibilidade. Eu, particularmente, não vejo problema nenhum em um cara querer viver a vida fazendo pegação com homem e só comendo mulher. Contanto que todo mundo saiba do esquema em que está envolvido (as mulheres deles sabem que elas são tratadas apenas como mero aparelho reprodutor e que eles acham “degradante” para um homem fazer “papel feminino” na cama?). Também não fique aí dando discursinho moralista sobre pra que serve o cu e pra que serve buceta, se esse é sujo se aquele não é, se esse dá DST e se aquele não. Por mim, os G0ys que gozem como bem lhes aprouver, mas que não me venham querer botar banca de que é mais macho e o caralho, porque esse papinho de defesa da masculinidade perdida é de uma bichice sem tamanho, rapaz. E sim, somos contraditórios. É da contradição que nasce o aprendizado. Gente que tem sempre muita certeza de tudo gesta dentro de si o câncer do totalitarismo e do despotismo. Nem adianta vir querer fazer inversão de discurso aqui que comigo não cola, meu irmão. Quem quer converter as pessoas e obrigá-las a serem o que não são são fundamentalistas religiosos, protofascistas, pseudocapitalistas, colonialistas, classistas de todo o tipo e enrustidos. Nós LGBT queremos o direito sobre o NOSSO corpo e NOSSOS DIREITOS CIVIS IGUALITÁRIOS. O resto é puro fanatismo de gente mal resolvida.

Reply
Marcos

Eu não sou um g0y e nem pretendo ser, acho degradante um cara casado com mulher trair ela com outros homens, e o pior fazer sexo com cara apenas por um prazer momentâneo, colocando o como homem objeto, esse movimento g0y tbm é contraditório, ao mesmo tempo que defende a masculinidade, e também defende relacionamento com mulheres. Mas tudo bem se o cara quer ser assim problema dele, se o cara que desmunhecar e cortar o pau tbm problema dele.

O que acontece é que o movimento LGBT é um movimento que apenas embarca os afeminado e trans e lesbicas apenas, homens que apreciam masculinidade (a propria e a alheia) e que, nao curtem sexo anal, e que nao desejam ser do sexo oposto estao FORA! Apenas nesse ponto eu concordo com o movimento g0y, e é nesse ponto que deve “bater de frente” com o movimento gay, alias tomara que apareçam vários movimentos que represente cada modalidade diferente que o movimento LGBT diria que com arrogância tenta embarcar.

Reply
Aluizio Raposo

Marcos,você é muito radical.Você é daqueles que só dão por amor?Relaxa,deixa de tentar filosofar sobre o pudor alheio.A propósito você já bateu uma hoje?

Reply
Aluizio Raposo

Marcos,pensando desse jeito,você vai continuar encalhado.Ninguém vai te pegar…

Reply
César

Eu pegaria o Marcos. Não é porque sou gay/goy que tenho que ser promíscuo. Por alguns comentários, parece que a promiscuidade reina e se vc não é o maluco que sai por ai comendo cu ou dando cu vc está fora. Pq não ir devagar e, mesmo comendo/dando cu, não ser mais tranquilo com relação à sexualidade? Não é questão de pudores, mas de respeito com o próprio corpo e com o dos outros. Um homem pra mim tá bom. Não preciso ficar dando/comendo 500. Já é difícil nos dias de hoje manter a proteção contra DST’s em dia para uma pessoa, imagina saindo por ai. Haja força de pensamento para não ter comportamento de risco!

Lucio

Concordo com vc, essa moda de querer que todos os gays sejam afeminados tem que acabar. Os gays que não são assim como eu sofrem, e são ignorado pelos outros gays por causa de um esteriótipo. Quem fica com raiva é os que são muito afeminados, mas fazer o que… E sobre homens másculos o GLBT tem os ursos…

Amauri Alves

Vou ser repetitivo aqui, mas é o que eu acho.
Pra mim é um a questão histórica: todo esse preconceito advém do preconceito da sociedade contra a mulher, que ainda existe até hoje.
Pois bem, antigamente (e ainda hoje, é claro, com menos intensidade) os gays eram a escória da sociedade.
Depois de um tempo, os gays passaram a se discriminar para serem menos piores que os outros.
Então, depois disso, ser gay não era problema, o problema era ser gay passivo.
Depois, o problema não era ser gay, ser gay passivo era ruim, mas o pior era ser travesti.
E assim vamos caminhando, hoje é “melhor” ser Goy do que ser Gay.
É assim: quanto menos gay e mais hétero a pessoa for, melhor.
São uns tolos, não deixam de ser gays. É uma fraude!
Conheço caras que não curtem sexo anal, mas não fazem essa questão de se afastarem de outros gays. São o que são.
E o que isso tem a ver com o preconceito contra mulher?? Quanto menos mulher você for, melhor. O gay ativo é melhor que o gay passivo.
O gay de uma forma geral é melhor que o travesti.
É tudo um grande absurdo.
Essa necessidade mentirosa de ser másculo. Tem gente que força mesmo e insiste em dizer que não.
Não que todos tenham que ser pintosa, mas parem de mentir, se enganar. Apenas sejam…

Reply
Marcos

ERRADO! desde quando a mulher entra na jogada quando se fala de relacionamentos entre homens. Ser transgenero, travesti enfim ser homem e rejeitar sua masculinidade e desejar outro homem é uma coisa ser homem e desejar outro homem é outra coisa. olha so que absurdo vc diz “E o que isso tem a ver com o preconceito contra mulher?? Quanto menos mulher você for, melhor.” Desde quando um homem é mulher? e imagina vc dizer isso para um homem que deseja outro homem e que se respeita como homem. isso é fora de contexto, simplismente nao faz sentido! realmente nesse sentido G0ys sao diferente SIM!

Reply
James Cimino

E para sua informação, o Amauri tem razão sim. Ele pode não ter escrito corretamente, mas é fato que no nosso mundo machista “quanto menos você parecer mulher, melhor”. E os transgêneros não são fruto da rejeição ao “privilégio” de ser homem ou de ser mulher. Eles simplesmente não se identificam com seu corpo. Tanto que existem transgêneros homens e transgêneros mulheres. Então, antes de fazer comparação errada, leia um pouco mais. Diferente dos G0ys, que criam um movimento que tem como objetivo “rejeitar” aquilo que eles têm medo que habite dentro deles. Ainda se fosse um movimento para que os caras pudessem expressar esse tipo de sexualidade de forma saudável e aberta, mas não, eles querem se reunir pra ficar atacando os LGBT. É por isso que eu digo: desse meia hora de cu, não tava enchendo o saco dos outros.

Reply
Marcos

Da pra notar seu descontentamento com os g0ys que no que diz respeito ao eles traírem suas mulheres com outros homens, eu também não aprecio isso.
Vc afirma isso: “Diferente dos G0ys, que criam um movimento que tem como objetivo “rejeitar” aquilo que eles têm medo que habite dentro deles”. Se vc diz isso no sentido que todo cara que rejeita os transgeneros e o feminino é no fundo ele deseja ser trans e afeminado, isso é um absurdo!
Pelo visto vc e a maioria da comunidade LGBT nao consegue aceitar o fato de que existe homens que não querem ser mulher e que apreciam a masculinidade, nao apreciam sexo anal e desejam o mesmo sexo. Para o movimento LGBT todo cara que gosta do mesmo sexo tem que ser OBRIGATORIO que no minimo seje afeminado, ou que aceite o feminino e o sexo anal. Se vc contraria isso, logo é taxado de homofobico, inrustido… isso tambem é fascismo e despotismo do movimento gay, que nao adimite a diferença. Mas vamos ser claro o movimento LGBT tem suas caracteristica propria sim, ele é pro feminismo defende apenas os que se aproximam do feminino como afeminados, lesbicas, trans, sexo anal, logo se vc nao se enquadra nisso, não é gay! Reiterando é um absurdo e arrogância do movimento LGBT que é um movimento feminino, tentar embarcar o que é contrario a filosofia deles proprio e o que nao lhes pertence!

“Nao chamamos o gelo de vapor só porque contem agua.”

Reply
James Cimino

Exatamente. É isso que estou dizendo. Se o cara REJEITA algo que para todos os efeitos NADA TEM A VER COM ELE, é porque algo ali o incomoda. Eu, por exemplo, sou gay e não rejeito as mulheres nem o que é feminino. Jamais criaria um grupo para ficar enxovalhando gays efeminados e tampouco caras que não gostam de penetração com homens, mas curtem uns amassos e, ainda assim, transam com mulheres. E sabe por quê? PORQUE ISSO NÃO ME DIZ RESPEITO. Mas vá até a página dos G0ys e leia. Eles perdem mais tempo dizendo que os gays fazem é sujo e degradante do que dizendo por que o que eles fazem também é legal. E nunca ninguém do movimento LGBT disse que todo mundo da comunidade tenha que ser feminino, mas que obrigatoriamente não tenha rejeição pelo feminino, oras! É o mínimo que se espera de pessoas que são discriminadas. Nós desse movimento somos todos mulheres, gays, lésbicas, cadeirantes, negros, bolivianos, latinos, índios, ucranianos, iranianos, palestinos, judeus e toda gente que sofre de preconceito. E que burrice a sua dizer que o movimento LGBT é feminino. Além de não ser, qual o problema se fosse? É tão escrota assim a feminilidade? Que coisa mais horrorosa. Esses G0ys não são mesmo gays. Eles são doentes e ressentidos. Em vez de ficar me criticando porque eu dou meu cu porque não vão passar mais tempos se amassando sem penetração e “sendo discretos”? Porque discrição + site na internet não são palavras que possam ser conjugadas, né?

Lucas Gentile

Na minha opinião esses “G0YS” precisam mesmo é de informação. É fato que heterossexuais podem ter algum tipo de relação com pessoas do mesmo sexo sem que sejam homossexuais, até mesmo relação sexual. Agora dizer que essa prática é algo depravante configura preconceito, não opinião. Sem falar da falta de liberdade que eles devem sofrer por conta disso, ficar preso à estigmas antigos de que dar o cu (homem ou mulher) é depravante. Eu acredito que nesse grupo deva ter héteros e homos enrustidos, até acredito no conceito dito de sensibilidade masculina e se ele é feliz sendo hétero mas aprecia carícias de outro homem que bom para ele, as pessoas tem mesmo é que serem felizes, entretanto a partir do momento que ele não respeita a liberdade sexual de outro indivíduo esse cara precisa ser confrontado, e que melhor maneira de fazer isso do que a informação? Todo ser humano é dotado de gênero, que pode ser cisgênero (quem se identifica com o gênero de nascença) ou transgênero (quem se identifica com o gênero oposto ao de nascença) e de sexualidade (homossexual, bissexual, heterossexual…) o que se desenvolve logo nos primeiros anos de vida, logo não existe razão para repudiar qualquer manifestação adversa à heteronormatividade.

Reply
Caio

E a vida sempre apresentando ou só o 8 ou só o 80. Será que é tão difícil para uma boa parte das pessoas se desvincularem dos extremos? Vamos lá. Em partes eu concordo com os dizeres dos “g0ys”, apesar de achar a essência dessa nova nomenclatura totalmente ridícula, a qual penso ser apenas mais um nominho idiota para classificar algo mais idiota ainda.
Por que um homem homossexual não pode ser viril, tranquilo com sua própria sexualidade, viver abertamente sua vida pessoal sem ficar no armário, ser feliz assim? Isso é praticamente impossível para ambos defensores de extremos. Qual o problema de um cara ser assim e ainda respeitar aqueles que são diferentes de si, que podem até não gostar mas sabem conviver numa boa?
Sinceramente, sexo anal como degradação? Ou algo que feminiliza o homem? Passividade sexual seja exclusiva ou esporádica não diminui em nada a masculinidade de um homem. Odeio essa limitação que tantos gays fazem;, eles têm tanto medo dessa palavrinha de três letras, tem tanto medo de perderem a imagem máscula e acabam perdendo o que há de bom na vida e fazendo o mesmo com outros com quem poderiam ter uma relação legal.
Espero que a maioria tenha discernimento suficiente e não se torne adepta desse novo modismo sem noção.

Reply
James Cimino

Caio, realmente não há nenhum problema em um cara ser assim como você disse, o que não me parece ser o caso desses caras, que não se contentam apenas em não dar o cu, mas têm que ficar criticando e demonizando quem dá. Na boa, esses caras são uns fascistas mal resolvidos com a própria sexualidade.

Reply
Marcos

Gente… deixem eles em paz! Também somos apedrejados por gostar de dar o cu… ( eu adoro). Já me relacionei com um G0y. Eles são Héteros sim! e sentem aversão a sexo anal porque acham sujo e nojento. Opinião deles… eles não podem achar isso???

Obviamente que o relacionamento terminou porque gosto de sexo anal, mas a amizade ainda continua

Gente vamos cuidar de nós e sermos mais felizes… eles estão aí para ajudar a acabar com o preconceito e abarcar aqueles que não se identificam como gays.

Reply
James Cimino

Amigo, que eles não gostem de dar o cu é uma coisa, mas que eles fiquem apedrejando quem gosta, é outra. Não é opinião. É fascismo. E esse papo de respeitar a opinião de todo mundo é balela. A gente respeita opiniões respeitáveis. Respeitar a pessoa é muito diferente de respeitar a opinião dela. Eu não vou respeitar uma opinião fascista, mas não vou bater nele por ser um idiota. Simples assim.

Reply
Luciano

Tem muitos “machos” que fazem sexo com outros homens e também não se consideram gays nem bissexuais. Muitos desses são aqueles famosos enganadores de esposas, noivas e namoradas que nós estamos tão acostumados a ver nesse mundo gay. Machões que a gente sabe que não são héteros e as tontas nem desconfiam que se esbaldam na encolha com outros homens.

Reply
Marcos

Luciano. Não sei se tu és gay, mas o fato de um homem transar com outro não o torna gay, assim como um homossexual transar com um homem ou mulher (a depender do caso) não o torna homem ou mulher. Ser gay é um sentimento e não puro desejo.

Reply
Caio

Não creio que li isso. Marcos seu discurso é apenas um mantenedor de que gays são aqueles caras coloridos que gostam de demonstrar sua alegria a maior do tempo que são mais afeminados e em geral demonstrados pela mídia em geral como representantes legítimos de todos os gays. Se um homem curte sexo com outro homem e isso é repetitivo na vida dele, mesmo que não haja sentimento (o que na prática é muito comum) isso o torna gay/homossexual sim. E caso ele tenha a mesma atração pelas mulheres isso o torna bissexual. O que acontece é que já está muito arraigado na nossa cultura que virilidade e homossexualidade não se dão, ou se é um ou se é outro, aí como forma de não serem taxados pelos ignorantes como gays (afeminados) eles inventam nomes diferentes para fugir de um estereótipo que eles mesmos fomentam.

Reply
Marcos

Não querido. Ser gay como você reduz não é fazer sexo com homens, mas gostar de homens. Apesar de uma coisa estar contido na outra, não são as mesmas coisas.

Reply
Luiz Arruda

Marcos, dá pra você explicar melhor essa afirmação: “Ser gay é um sentimento e não puro desejo.”?
Se eu não tenho o “desejo” de fazer sexo com outro homem, isso automaticamente não me exclui do mundo dos homossexuais?
E o mesmo não é válido quando não tenho “sentimento” “amoroso” por outro homem?

Washington

Esta discussão é importante e concordo parcialmente com os autores. Imagino o quanto é difícil para um homem não masculino ser aceito e se aceitar na nossa sociedade. Considero-me masculino; sou até um pouco matuto, o que e o mínimo para alguém que viveu numa comunidade rural no interior de Minas Gerais até os 14 anos (atualmente, resido na capital do mesmo estado). Apesar disso, não tenho medo ou vergonha de demonstrar meus sentimentos, chorar quando tiver vontade… Claro, tudo na medida certa e é importante ser equilibrado.

Os autores do texto estão certo quando denunciam essa masculinidade estereotipada, com essa preocupação em querer agir como “homem” o tempo todo (seja lá o que isso signifique). Mas também fica a impressão de que – quero sinceramente estar errado – quem é homossexual e masculino, ou é um reprimido ou um frouxo que não se aceita.

Eu gosto de ser um homem masculino. Esse ar descomprometido, de não ser vaidoso, tomar banho e trocar de roupa (tudo, em 10 minutos, no máximo!), de não ter preocupação se o cinto tá “conversando” com o tênis ou ainda querer ser um metrossexual-depilado-fashionista. Isso tem suas qualidades e sou feliz sendo assim. Muitos discursos vão à demonização do ser masculino, seja ele hétero, homo ou bissexual. O problema é querer tornar isso uma regra que, inevitavelmente, oprimem quem não se enquadra no molde.

Cito ainda uma confusão corrente entre os termos “gay” e “homossexual” que, inconscientemente ou não, são usados como sinônimos por militantes, pela mídia e até por intelectuais. Homossexualidade é uma orientação enquanto gay é uma identidade cultural. Entende-se por cultura gay como um estilo de vida de homossexuais anglo-saxões que foi meio que adotado por muitos guetos de homossexuais mundo a fora. Mas isso não significa que não seja possível viver sua homossexualidade de outra forma. Você pode ser homossexual, se aceitar sem precisar a recorrer a modelos pré-formatados e enfiados goela abaixo por empresários e militantes LGBTs.

iores correntes imigratórias de europeus para o Brasil eram constituídas por brancos latinos (portugueses, italianos e espanhóis).

Percebo que não somente esta página, mas praticamente toda a publicidade e militância LGBT no Brasil é historicamente voltada a pessoas brancas, uma cópia de propagandas e estilos de vida da Europa e da América Anglo-Saxônica. Sou um homem mestiço (pardo, de acordo com a classificação do IBGE) e durante toda a minha infância e adolescência assistia a programas liderados por apresentadoras brancas, com assistentes de palco brancas e com uma publicidade descaradamente branca, num país marcado e conhecido pela mestiçagem. De novo, não custa lembrar que pardos e negros já são maioria aqui no Brasil. Contudo, a militância e os publicitários LGBTs ainda insistem em copiar e nos incutir um modelo de vida baseado num estereótipo anglo-saxão e norte-europeu. Mesmo que inconscientemente, esta página, outros portais LGBTs (A Capa, Mundo Mix, revista Junior etc) e até filmes com a mesma temática (“Do Começo ao Fim”, “Cazuza”, “Eu Não Quero Voltar Sozinho” entre tantos outros) repetem um modelo racial-étnico eurocêntrico e caucasiano e um padrão de vida voltado à classe média branca. Em outras palavras, eles reproduzem um “padrão” imposto pela mídia. Para ser sincero, não me identifico com um estilo de vida (o qual batizo de “gay way of life”) que é totalmente excludente com quem não segue o padrão de “gay-jovem-branco-urbano-pop-malhado-anglicizado-classe média”. Um exemplo bem simples: como pregar a diversidade no tal meio gay quando praticamente todos os modelos que estampam sites e revistas são brancos? Isso num país de maioria parda e negra. Eu sou pardo. Quando você não é representado por esse tipo de mídia, teus “admiradores” te chamam ainda de cafuçu. Esse meio gay reproduz um discurso, um modo de vida e uma visão de mundo com o qual não me identifico. Até hoje, nesses meus 30 anos de vida, fui quatro vezes a boates ou casas noturnas (uma considerada “hetero” e três consideradas “gays”). Não gosto desse tipo de ambiente, da música (não suporto pop, trance, tecno, eurodance, batidão ou coisas correlatas) e do estilo de vida. Já tentei até me adaptar, mas acabei me neutralizando. Recomendo a você a leitura do livro “Uma interpretação do desejo”, do sociólogo John Gagnon, assim como o artigo “Da Amizade como Modo de Vida”, de Michel Foucault. É perfeitamente possível ser homossexual, assumido, feliz e sem precisar a recorrer a modelos pré-estabelecidos (seja para masculinos, andróginos ou afeminados).

Você cita ainda a questão do gênero feminino. Eu sou homem e gosto de ser tratado com tal. Na nossa língua portuguesa, os substantivos têm gênero e grau. Assim como acho preconceituoso chama uma transgênero de O travesti ou de O transexual (numa tentativa de mostrar que elas não são mulheres), também há uma visão de associar o homem homossexual ao feminino, pensando que ele será diminuído por isso. Enfim…

Sinto muito, mas parece que seu texto caminha para uma discriminação a qualquer coisa que tenha traços de masculinidade. Ao dizer que todo homem homossexual tem adotar certas afetações ou elementos de um estilo de vida tido como “gay”, é querer criar uma homonormatividade, assim como criaram a heteronormatividade. Não curto Glee (que não passa de uma Malhação cantante), divas, malhação ou moda e, nem por isso, sou reprimido. Sim, meu caro, há vida para além do gueto e, mesmo com seus dissabores, sinto-me bem aqui. Sinto feliz em me definir como homossexual ou homoafetivo (não me identifico nem com gay nem com g0y). Que sejamos felizes sendo gays, g0ys, straights, homossexuais, homoafetivos, queers, bicuriosos, bissexuais, heterossexuais ou T-lovers. O importante é ser feliz.

Boa noite.

Reply
Washington

Meu texto pode ter ficado um pouco confuso (colei sem quer parte de outro texto), por isso vou edit-a-lo aqui novamente. Perdão 🙁

Esta discussão é importante e concordo parcialmente com os autores. Imagino o quanto é difícil para um homem não masculino ser aceito e se aceitar na nossa sociedade. Considero-me masculino; sou até um pouco matuto, o que e o mínimo para alguém que viveu numa comunidade rural no interior de Minas Gerais até os 14 anos (atualmente, resido na capital do mesmo estado). Apesar disso, não tenho medo ou vergonha de demonstrar meus sentimentos, chorar quando tiver vontade… Claro, tudo na medida certa e é importante ser equilibrado.

Os autores do texto estão certo quando denunciam essa masculinidade estereotipada, com essa preocupação em querer agir como “homem” o tempo todo (seja lá o que isso signifique). Mas também fica a impressão de que – quero sinceramente estar errado – quem é homossexual e masculino, ou é um reprimido ou um frouxo que não se aceita.

Eu gosto de ser um homem masculino. Esse ar descomprometido, de não ser vaidoso, tomar banho e trocar de roupa (tudo, em 10 minutos, no máximo!), de não ter preocupação se o cinto tá “conversando” com o tênis ou ainda querer ser um metrossexual-depilado-fashionista. Isso tem suas qualidades e sou feliz sendo assim. Muitos discursos vão à demonização do ser masculino, seja ele hétero, homo ou bissexual. O problema é querer tornar isso uma regra que, inevitavelmente, oprimem quem não se enquadra no molde.

«Cito ainda uma confusão corrente entre os termos “gay” e “homossexual” que, inconscientemente ou não, são usados como sinônimos por militantes, pela mídia e até por intelectuais. Homossexualidade é uma orientação enquanto gay é uma identidade cultural. Entende-se por cultura gay como um estilo de vida de homossexuais anglo-saxões que foi meio que adotado por muitos guetos de homossexuais mundo a fora. Mas isso não significa que não seja possível viver sua homossexualidade de outra forma. Você pode ser homossexual, se aceitar sem precisar a recorrer a modelos pré-formatados e enfiados goela abaixo por empresários e militantes LGBTs.

Um exemplo bem simples: como pregar a diversidade no tal meio gay quando praticamente todos os modelos que estampam sites e revistas são brancos? Isso num país de maioria parda e negra. Eu sou pardo. Quando você não é representado por esse tipo de mídia, teus “admiradores” te chamam ainda de cafuçu. Esse meio gay reproduz um discurso, um modo de vida e uma visão de mundo com o qual não me identifico. Até hoje, nesses meus 30 anos de vida, fui quatro vezes a boates ou casas noturnas (uma considerada “hetero” e três consideradas “gays”). Não gosto desse tipo de ambiente, da música (não suporto pop, trance, tecno, eurodance, batidão ou coisas correlatas) e do estilo de vida. Já tentei até me adaptar, mas acabei me neutralizando. Recomendo a você a leitura do livro “Uma interpretação do desejo”, do sociólogo John Gagnon, assim como o artigo “Da Amizade como Modo de Vida”, de Michel Foucault. É perfeitamente possível ser homossexual, assumido, feliz e sem precisar a recorrer a modelos pré-estabelecidos (seja para masculinos, andróginos ou afeminados).

Você cita ainda a questão do gênero feminino. Eu sou homem e gosto de ser tratado com tal. Na nossa língua portuguesa, os substantivos têm gênero e grau. Assim como acho preconceituoso chama uma transgênero de O travesti ou de O transexual (numa tentativa de mostrar que elas não são mulheres), também há uma visão de associar o homem homossexual ao feminino, pensando que ele será diminuído por isso. Enfim…

Sinto muito, mas parece que seu texto caminha para uma discriminação a qualquer coisa que tenha traços de masculinidade. Ao dizer que todo homem homossexual tem adotar certas afetações ou elementos de um estilo de vida tido como “gay”, é querer criar uma homonormatividade, assim como criaram a heteronormatividade. Não curto Glee (que não passa de uma Malhação cantante), divas, malhação ou moda e, nem por isso, sou reprimido. Sim, meu caro, há vida para além do gueto e, mesmo com seus dissabores, sinto-me bem aqui. Sinto feliz em me definir como homossexual ou homoafetivo (não me identifico nem com gay nem com g0y). Que sejamos felizes sendo gays, g0ys, straights, homossexuais, homoafetivos, queers, bicuriosos, bissexuais, heterossexuais ou T-lovers. O importante é ser feliz.
Boa noite e bom fim de semana!»

Agora sim o texto foi editado!

Reply
Gab

James, esses programas da rádio quando tem alguém no telefone já é quase humanamente impossível entender o que a pessoa fala, e vcs ainda põe música tocando junto, é tenso e quase doloroso prestar atenção!
Podiam evitar as duas coisas no futuro quando for possível.
Abraços.

Reply
Thales Ma

Lesbian, gay, bi, hetero, goy, trans. Nada disso importa. Temos que ser mais tolerantes e entender que não há nada que possamos fazer para mudar o outro. Quando conseguimos mudar nossas atitudes em relação ao mundo, aí sim, poderemos ter uma vida melhor e mais feliz. Cada um usa a sigla que quiser e que mais se identificar, sem precisar se sobrepor ao outro ou achar que é superior ou que sua orientação é melhor. A gente só tá aqui de passagem, e ficamos tão pouco tempo que eu, particularmente, acho uma bobagem a gente gastar energia discutindo que padrão é mais apropriado. O problema começa na intolerância.
Sejamos mais tolerantes e felizes. O que cada um vai fazer com seu corpo é problema de cada um. Não nos cabe julgar.

Reply
James Cimino

Olha, meu amigo, antes de dizer para “não julgarmos”, vai lá na página desses caras e dá uma boa lida para ver quem está julgando quem, porque não gostar de dar a bunda é um direito que eu defendo, inclusive porque sou passivo e adoro que tenham caras que só gostem de me comer. Mas o caso aqui é de caras que se acham superiores por isso e que chamam o sexo anal de sujo, abjeto e vetor de DST, como se pau na buceta não transmitisse nada. Ora, é como disse o amigo Elvio Cotrim. Eu não fico jogando pedra no seu armário, porque você fica jogando no meu cu? Sinceramente, esses caras são, pra dizer o mínimo, uns misóginos perturbados. Aí vem vc aqui, faz uma leitura rasa e diz que nós somos preconceituosos. Tenha dó!

Reply
diego pinto

” Eu não fico jogando pedra no seu armário, porque você fica jogando no meu cu?”

Velho, na boa, adoro vocês (apesar de as vezes discordar). Ainda pretendo usar esta frases. 😉

Reply
James Cimino

Hahahah, também adoramos vocês, menos os G0YS, hahaha

Reply
João Paulo

Sinto pena deles. Pena, por não terem conseguido quebrar as correntes da opressão que as convenções sociais – ocas, cegas – nos impuseram. Sinto também nojo, por serem eles próprios engrenagens da opressão. Por serem parte deste ciclo repressivo que se auto-alimenta, em que cada um dos oprimidos torna-se também carrasco. Um ciclo em que cada um dos acorrentados lança suas próprias correntes, buscando alento não pela libertação do cativeiro, mas pela redução de todos os libertos ao mesmo estado miserável em que se encontram. Mas, ao mesmo tempo e acima de tudo, sinto alegria! Não por eles, mas por todos nós que não nos deixamos submeter. Por todos os que erguemos nossas vozes e quebramos as cadeias. Por todos os que negamos a repressão que nos queria tornar invisíveis. Alegria, por podemos olhar para eles como o escalador olha, do alto da montanha, para o caminho que percorreu e descobre que valeu a pena. Por podermos olhar para eles como o escravo que deu o sangue para comprar sua alforia olharia para o seu antigo senhor e se dá conta de como valeu a pena. Sim, amigas viadas, os g0ys são nosso troféus. Por isso, tratem-nos com carinho.

Reply
junior

acredito que sejam pessoas que possuem medos incríveis quanto a sua própria sexualidade, e reação social, procuram justificar seus sentimentos sem que sejam colocados a margem da sociedade, procuram apoiar a homofobia de forma mascarada, se reprimem por não aceitarem o que realmente são, um movimento contra o movimento.
o fato é que o ser humano possui uma série de manifestações distintas, a sexualidade é ampla, e por tal motivo não catalogável. o que fugir do considerado normal é errado. no fim eles buscam enquadra a sua sexualidade numa posição machista.
não entendi com perfeição o que significa este movimente, essa sexualidade, mas certamente estas pessoas sofrem grande problemas auto psicológico
é a forma de um gay enrustido aceitar a sua condição, seguindo determinados preceitos religiosos da heteronorma.
enfim, é um fato problemático da sociedade discriminada que surge.
e sempre digo, aquele que diz muito que não gosta de algo ou que é errado, é pq nesse mato tem cachorro

Reply
Diogo

James, respondendo ao seu questionamento sobre quen são os goys, creio que são gays enrustidos e machistas. Agora o porque o são não cabe a nós entender ou julgar. São “N” motivos enraizados na história da sociedade machista brasileira. Ponto final.

Agora outra coisa, os goys mencionados em sua matéria em nada tem a ver com os gays machões descritos namatéria do Márcio. São coisas completamente diferentes. Nesta você acertou ao descrever e mostrar o manifesto (imbecil, diga-se de passagem) de um muito pequeno grupo de pessoas. Naquela o Márcio errou feio ao julgar, generalizar, subestimar e incitar o preconceito, mas ainda assim valeu demais pelos calorosos debates. Águas passadas. Digamos que o Márcio escorregou na bola, chutou torto pra fora mas a bola desviou no zagueiro (seja ele gay machão ou bicha exuberante, não sei, só vi que a camisa trazia o número 24), e acertou a rede marcando um golaço. E a torcida homossexual toda (inclusive eu) se inflamou de alegria na plateia do LadoBi!

O trabalho de vocês é primoroso, apesar dos deslizes peculiares a quaisquer seres humanos. Continuem assim. Juízo viu, pois vocês ainda me representam. Abraços

Reply
@peffoah

Pra mim esses figuras são um bando de passivas fracassadas, muito embora exista uma ramificação desses tipinhos, que assim como no texto, digam que não sentem vontade de enfiar nada no cu de um outro cara mas liberam facilmente o próprio toba pra outro quando solicitado e quando não também. Ou seja passivonas do caralho com o verniz de uma masculinidade FAIL.

Reply
Ricardo

Argumentos altamente babacas, mas realmente faltam espaços/comunidades/alternativas de modos de vida para aqueles que não se enquadram na cultura gay majoritária.

Reply
Bruno L.

Um tapa na cara pra quem disse ontem que gays machões não repudiam ou se sentem superiores aos afeminados. Taí a prova como tem gente perturbada. Se não é natural sexo anal, então não se beijem e nem pratiquem sexo oral, pq a boca é pra comer e falar. Se for seguir a naturalidade biológica de reprodução, o único sexo cabível é de pau e buceta, e PRONTO.

Isso é um manifesto de g0ys ou um discurso religioso? Os homossexuais morreram no passado e há pessoas indo as ruas levando supapo da polícia para poderem casar e esses FILHOS DA PUTA retrocedem um movimento tão incrível.

Reply
Bruno

Sobre o texto do gay macho. Sou gay e naum tenho a menor pretensao de achar que sou melhor que ninguem por isso. sou muito bem resolvido quanto a minha sexualidade. No entanto naum curto de ser chamado por pronomes femininos. O fato de eu ser gay naum quer dizer que tenho que ser feminino ou algo assim, tenho varios amigos femininos e me relaciono com eles de boa. sexualmente naum me atraem. Naum curto moda, nem tao pouco afetacoes. acho que o texto ‘e tendencioso quando relaciona o fato de ser gay com supostas liberdades que seriam opcoes para gays.

Reply
James Cimino

É mesmo, Bruno? E por que te chamar no feminino te ofende? Quando a gente usa o plural e tem mulheres envolvidas flexionamos para o masculino e elas não se ofendem. Por que será?

Reply
Caio

James neste caso você esta exagerando. Quando só mulheres (pessoas do sexo feminino) estão num ambiente, nós as chamamos pelo gênero feminino do idioma português, pois assim é na linguagem; hão haveria razão de usar o gênero masculino, no entanto quanto temos pelo menos um indivíduo homem (do sexo masculino) chamamos no masculino, porém numa intenção de soar genérico, porque na nossa língua é assim. E quanto a palavra “personagem”, este é um exemplo feminino, mesmo quando se trata de um ator masculino que vai interpretá-lo, por exemplo. É questão de língua.

Reply
James Cimino

Sim, é uma norma lingúistica machista. Ou pq sempre que há apenas um homem, por mais que no mesmo coletivo haja milhões de mulheres, tem que flexionar no masculino? Pura convenção implantada em um momento histórico em que mulher era menos que nada.

Reply
César

Achei que isso tinha caído da língua portuguesa. Pelo que eu saiba, ultimamente, quando uma pessoa qualquer chega num ambiente com número maior de mulheres do que homens deve se usar o gênero feminino.

Jonathan David

G0ys?? Coisa mais besta… Homofobia em um grau altíssimo. Eu sei que fiquei com nó na cabeça também mas daí eu fui ver o clipe da Madonna que é bem mais interessante.

Reply
Renan

Mal conheci essa página ontem e não sei como vivi tanto tempo sem, continuem com esse trabalho maravilhoso e quanto a matéria não há mais o que dizer depois dessa citação fantástica. Parabéns e não parem nunca .

Reply
Onofre

O que são G0YS?
Me parecem Gays Homofóbicos e Transfóbicos :-p No sentido mais exato possível de “Fóbico”.
Que torturante ter medo de si.

Reply
João Vieira

Creio que são uma versão extrema do comportamento descrito no artigo sobre os gays machões.

Reply
Jorge_atv

Me desculpe a ignorância de todos aqui, mas g0ys não são gays. Em nenhum lugar do mundo são, só aqui no Brasil agora que militantes GLBT, querem agora mudar o sentido das coisas, até do conceito do que é gay – que aliás as bichas, viados (palavras criadas no português) adotaram, por ser considerada “mais leve”. Mas me desculpe gay é uma palavra americana – e gay é somente quem é passivo ou ativo, não tem uma segunda definição no dicionário em inglês.
G0y, e STR8-g0y também são palavras o quê? hã… são americanas!! e quem tem razão, os autores ou os meros seguidores num país de terceiro mundo, nem precisa dizer a resposta e quem ganha essa briga por motivos óbvios, gay é gay, g0y é g0y, bi é bi e vcs aceitem isso, gay nada mais é que várias tribos que não se misturam, tipo barbies e ursos, leathers e travestis e tantos outras tribos da dita “diversidade”, onde ninguém olha na cara um do outro, e onde o que menos há é amizade.
Há desculpa tá SOU GAY, só que não estou nem aí, para politicagem e sou a favor de uma análise séria.

Reply
Claudio

Parabéns,
Jorge_ativo, seu posicionamento e de vários outros aqui é o mais correto. gay = homo-sexual mas os dois são diferentes de homossexualidade.
Mas o fato de vc ser ativo já o torna o que os g0ys, chamam de almost g0y, ou seja próximo e simpatizante dos g0ys, o mundo gay tá dividido (e eles não tão nem aeh, pois o apoio maior deles vem é do mundo hétero liberal mesmo…), noto CLARAMENTE, os ativos, os leathers, grande parte dos ursos, os espartanos, os gouines, os bissexuais, enfim os gay “menos passivos” em geral, tão migrando para o mundo g0y e deixando de praticar o sexo anal. Mas o pior para os militantes ´GLBT não é isso, afinal o que nós temos a ver com o cú dos outros???!! o movimento g0y em todo o mundo, principalmente nos EUA é um movimento anti-GLBT, e portanto é a OPOSIÇÃO política, menos adeptos menos dinheiro, menos patrocínio para gays prides, que movimenta milhões de dólares… etc. vamos dizer assim resumindo, isso explica a revolta de muitos militantes gays, é só uma questão política tipo direita-esquerda, e essa briguinha de comadres não tem nada a ver com a valorização da diversidade e nem muito menos com a nossa sexualidade.

Reply
James Cimino

Amigo, é homem e gosta de homem é no mínimo bissexual. Se eles rejeitam tanto esse termo gay porque criaram um derivado de gay? Na boa. Não quer dar o cu, não dê, eu como passivo acho ótimo inclusive, mas não venha demonizar quem dá. Esses caras são uns fascistas de merda, isso sim. E não tô falando que alguém tenha que desmunhecar pra ser gay. Tem é que ser bem homem pra se assumir gay, afeminado ou não. Mas como esses caras são uns covardes que nem têm a coragem de mostrar a fuça, aí ficam aí criando teoriazinha fascitoide pra justificar a própria falta de aceitação.

Reply
TATI

Bom Dia a todos!
Sou mulher, heterossexual, pouco importando isto para expressar minha opinião!
Sou casada, mente aberta curto a fidelidade, não por exigência da sociedade, mas por estar plenamente satisfeita e realizada com a pessoa que escolhi para ser meu companheiro.
As trocas de ofensas são desnecessárias, visto que a intimidade e a vida sexual pertence a cada um individualmente!
Deve haver respeito e tolerância. Como nos relacionamos e rótulos, são indiscutivelmente desnecessários. Como vivo, como meu vizinho vive, só diz respeito a cada um. Na verdade movimentos, rótulos e bandeiras não fazem parte da forma como cada ser vive sua vida. Eles foram criados por força da necessidade de respeito aos direitos individuais e até sobrevivência das classes vítimas de preconceitos. Uma questão de preservação da própria vida! Hoje, não há necessidade da criação de movimentos apenas com objetivo de divulgação e status! Vivamos nós conforme nossas consciências, buscando sermos felizes, em total respeito à individualidade do próximo!

Reply