Entenda as 56 opções de gênero do Facebook

A rede social mais popular do mundo está expandindo a identificação dos usuários para além da dicotomia homem/mulher. Viva!

por Marcio Caparica

Esse mês nosso querido Facebook, ralo de tantas horas da nossa vida, passou a oferecer a seus usuários nos EUA um leque muito mais amplo de opções com as quais alguém pode marcar seu gênero em seu perfil – das míseras duas que estavam disponíveis nos últimos dez anos (homem e mulher, caso você não se lembre), agora há 56. A rede social, entre outras coisas, passará a usar os pronomes adequados para cada identidade de gênero escolhida. Ainda não sabemos quando isso vai se estender a nós, lusófonos, mas torcemos para que seja logo.

Para quem sempre foi tratado pelo gênero com que se identifica isso pode parecer uma bobagem, mas faz muita diferença para quem simplesmente não sente que cabe na caixa “homem” ou “mulher”. Se você, por exemplo, foi criado como homem, se trata como homem, gosta de ser homem, e um dia um garçom no restaurante vira pra você e falar “Deseja deseja algo para beber, senhora?”, se sentiria como? Estranho, esquisito, espantado… Agora imagina isso o tempo todo. É assim que muitas pessoas vivem.

Para quem está meio confuso com essa distinção entre “sexo” e “gênero”, aqui vai uma breve explicação:

Sexo se refere principalmente à sua biologia, e é uma configuração de cromossomos, hormônios, gônadas (ovários, testículos), unidades reprodutivas (esperma, óvulo) e anatomia interna e externa. Costuma-se tratar o sexo como se houvesse apenas duas opções, macho e fêmea, mas esse sistema é insuficiente para entender as características sexuais de toda a população mundial.

Gênero trata mais sobre sua própria noção de quem você é (ou seja, homem, mulher, transgênero etc.). O gênero tem a ver principalmente a qualidades que são masculinas ou femininas ou nenhuma delas ou ambas. Assim como acontece com o sexo, estamos acostumados a considerar o gênero como uma de duas opções, homem ou mulher. Mais uma vez, esse sistema binário é incapaz de compreender o gênero de todos os seres humanos, especialmente através de todas as culturas. Muitas sociedades estão agora expandindo a maneira como utilizam os termos de gênero.

Termos de gênero são dinâmicos, e alguns termos são mais comuns ou usados preferencialmente em algumas comunidades ou partes de um país. Alguns termos também são específicos a uma geração, sendo mais populares entre pessoas mais jovens ou mais velhas. A lista de termos de gênero do Facebook não é capaz de abarcar todas as identidades que as pessoas podem ter. Da mesma forma, nosso glossário para esses termos – apesar de ter sido compilado com muita consideração e cuidado – com certeza não captura todas as nunces de gênero, ou como as pessoas se sentem quanto às próprias identidades.

A identidade de gênero é um assunto delicado, e é melhor se deixar que cada pessoa diga qual é seu gênero (se quiser) ao invés de fazer suposições. As novas opções de gênero do Facebook dão às pessoas a possibilidade de fazer exatamente isso, e assim dar um passo coletivo para que se expandam as conversas sobre gênero. Tenha em mente enquanto lê essa lista que estes são termos de gênero – não de sexo, nem de orientação sexual. Esses tópicos são totalmente distintos.

Como a novidade ainda não chegou ao Facebook em português, não podemos dizer ao certo quantas opções chegarão aqui em nossas fronteiras, ou se serão mais ou menos – existem termos em inglês que não se aplicam ao português (como malefemale para casualmente se referir a gente, por exemplo) e vice-versa. Compilamos o glossário abaixo com base em um artigo do site The Daily Beast e outro do site Slate. Não pretendemos que essa seja uma lista definitiva, muito pelo contrário – quem entender mais do assunto e quiser apontar correções e/ou omissões, sinta-se à vontade! Mande e-mail ou deixe um comentário. Consideramos importante fazer essa tentativa, no entanto, até para mostrar que existem muito mais matizes na sexualidade humana que muitos imaginam. Aguardamos ansiosos para que essa opção seja dada aos brasileiros, para que finalmente possam se identificar na rede social como se identifica na vida real (ou de uma maneira diferente – porque, hello!, a identidade de gênero é sua e você pode fazer o que quiser com ela).

Agênero
Alguém que não se identifica com qualquer tipo de identidade de gênero. Esse termo também pode ser utilizado por alguém que intencionalmente não demonstra qualquer representação de gênero reconhecida. Há quem passe por tratamentos hormonais e/ou cirurgias para fazer com que seus corpos se adequem a sua identidade de gênero nenhum. Algumas pessoas usam termos similares como “sem gênero” ou “gênero neutro”.
Andrógino
Alguém que não se identifica, nem se apresenta, como apenas como homem ou mulher. “Andrógino” é utilizado por quem tem qualidades masculinas e femininas e se considera um terceiro gênero separado. Essa palavra tem raízes no latim: “andro” quer dizer “homem” e “gino” quer dizer “mulher”. Alguns andróginos podem se identificar como gender benders, o que significa que estão intencionalmente distorcendo (“bending”), ou desafiando/transgredindo, os papéis de gênero estabelecidos pela sociedade.
Bigênero
Alguém que se identifica como homem e mulher ao mesmo tempo. Uma identidade bigênero é uma combinação destes dois gêneros, mas não obrigatoriamente uma repartição meio a meio, já que quem se identifica assim muitas vezes sente – e expressa – cada um desses gêneros por inteiro. Assim como indivíduos que se identificam como fluidos, pessoas bigênero podem se apresentar como homens, como mulheres, ou neutros dependendo do dia.
Cis
Todos os termos abaixo expressam que uma pessoa não é trans ou que não tem uma identidade de gênero ou se apresenta de maneira incomum:

  • Mulher cis (também mulher cisgênero): uma mulher que se identifica com/ se apresenta como do gênero feminino.
  • Homem cis (também homem cisgênero): um homem que se identifica com/ se apresenta como do gênero masculino.
  • Cisgênero: uma pessoa que tem a identidade de gênero comumente associada a seu sexo biológico (por exemplo, alguém que é considerada mulher quando nasce e vive como uma mulher).
Duplo-espírito
Esse termo provavelmente tem origem na tribo Zuni da América do Norte, apesar de personas de duplo-espírito já haverem sido documentadas em inúmeras tribos. Os nativo-americanos que têm características e apresentações tanto masculinas como femininas têm papéis particulares dentro de suas tribos, e são vistos como um terceiro gênero. (Recentemente a Alemanha e o Nepal adotaram uma terceira opção de gênero para seus cidadãos escolherem).
Genderqueer
Alguém que cuja identidade fica fora do sistema de dois gêneros (ou seja, homem/mulher) ou que deseja desafiá-lo; essa pessoa pode se identificar por múltiplos gêneros, uma combinação de gêneros, ou “entre” gêneros. As pessoas que utilizam esse termo consideram que estão se reapropriando da palavra “queer”, que historicamente tem sido usado em inglês como um impropério contra homens e mulheres. Esse termo é mais frequentemente utilizado por gerações mais jovens, que tentam fazer essa reapropriação, que pelas gerações mais antigas, que pessoalmente sofreram pelo uso de “queer” como um xingamento.
Gênero em Dúvida
Alguém que pode estar colocando em dúvida seu gênero ou sua identidade de gênero, e/ou considera outras maneiras de experimentar ou expressar seu gênero ou apresentação de gênero.
Gênero Fluido
Alguém cuja identidade de gênero e apresentação não se limita a apenas uma categoria de gênero. Pessoas de gênero fluido podem ter compreensões dinâmicas ou flutuantes do próprio gênero, mudando de um para outro de acordo com o que sentir melhor no momento. Por exemplo, uma pessoa de gênero fluido pode se sentir mais como um homem num dia e mais como uma mulher no dia seguinte, ou sentir que nenhum dos termos se aplica a ele.
Gênero Não-conformista
Alguém que tem a aparência e/ou cujo comportamento não segue o que a sociedade espera da aparência ou da maneira de uma pessoa daquele gênero agir. Transformistas, garotas masculinas e pessoas transgênero são alguns exemplos de gêneros não-conformistas. (Confira também esse artigo do Dr. Eric Grollman sobre conformidade e não-conformidade de gênero.)
Gênero Variante
Um termo genérico para qualquer um que, por qualquer razão, não tem uma identidade cisgênero (isso inclui também outro termo genérico, trans*). Há quem reconheça problemas com esse termo, já que ele implica que esses gêneros são “desvios” de um gênero padrão, e reforça como “natural” o sistema de dois gêneros. Alguns preferem os termos “gênero diverso ou gênero não-conformista.
Homem para Mulher (Male to Female – MTF)
Uma pessoa trans que nasceu num corpo de homem, e agora vive como uma mulher e tem uma identidade de gênero feminina. Uma MTF está no meio do processo de transição, que pode ou não se completar eventualmente. Essa pessoa pode ou não ter alterado seu corpo físico com cirurgias, hormônios, ou outras modificações (por exemplo, treinamento vocal, eletrólise etc.). MTF é uma abreviação de “Male To Female”. Geralmente utiliza pronomes femininos (ou seja, “ela”, “dela”) ou termos de gênero neutro.
Nos EUA, mais de 50 opções de identidade de gênero.

Nos EUA, mais de 50 opções de identidade de gênero.

Intersex

Geralmente se refere a alguém cujos cromossomos, gônadas (ou seja, ovários e testículos), perfis hormonais, e anatomia não estão de acordo com o que se espera do corpo típico nem de homens ou de mulheres. O termo intersex basicamente substituiu o termo “hermafrodita” para se referir a seres humanos. Algumas condições intersex são aparentes no nascimento, enquanto outras são percebidas durante a puberdade ou ainda depois (se percebidas). Alguns indivíduos não usam mais o termo “condições intersex” e preferem em seu lugar “desordens de desenvolvimento sexual”. (confira ISNA.org)
Mulher para homem (Female to Male – FTM)
Uma pessoa trans que nasceu num corpo de mulher, e agora vive como um homem e tem uma identidade de gênero masculina. Um FTM está no meio do processo de transição, que pode ou não se completar eventualmente. Essa pessoa pode não ter alterado seu corpo físico com cirurgia, hormônios, ou outro tipo de modificação (por exemplo, treinamento vocal para desenvolver uma fala mais grossa). FTM é a abreviação em inglês de Female To Male. Costuma utilizar pronomes masculinos (“ele”, “dele”) ou palavras de gênero neutro.
Não-binário
Pessoas qeu se identificam como não-binárias desprezam a ideia de uma dicotomia entre macho e fêmea, ou mesmo de um contínuo entre macho e fêmea com a androginia no centro. Para eles, o gênero é uma ideia tão complexa que se encaixaria melhor num gráfico tridimensional, ou numa rede multidimensional.
Nenhum
Alguém que prefere não aplicar rótulo algum em seu gênero.
Neutrois
Um termo genérico dentro dos termos mais amplos de transgênero ou genderqueer. Inclui pessoas que não se identificam com o sistema binário de gênero (ou seja, homem/mulher). De acordo com o site Neutrois.com, algumas identidades neutrois comuns incluem agênero, nenhum-gênero e sem-gênero.
Outro
Uma escolha por não oferecer um dos rótulos comumente reconhecidos para o gênero de uma pessoa. Quando utilizado por alguém para descrever a si mesmo, essa pode ser uma maneira de se dar a liberdade de descrever (ou deixar de descrever) o próprio gênero. O termo “outro” não deve ser utilizado para descrever pessoas cujo gênero você não entende por completo ou não consegue definir.
Pangênero
O pangênero é similar ao andrógino, no sentido de que a pessoa se identifica como um terceiro gênero com algum tipo de combinação dos aspectos tanto masculinos como femininos, mas um pouco mais fluidos. Também pode ser utilizado como um termo inclusivo para designar “todos os gêneros”.
Transgênero
Um termo genérico que inclui todas as pessoas que têm um gênero que tradicionalmente não são associados a seu sexo. Pessoas que se identificam como transgênero podem ou não ter alterado seus corpos com cirurgias e/ou hormônios. Alguns exemplos:

  • Trans homem (confira Mulher Para Homem, acima): apesar de algumas pessoas utilizarem a grafia “transhomem” (sem espaço entre trans e homem) ou “trans-homem” (com hífen), há quem argumente que é melhor utilizar o espaço entre “trans” e “homem” para indicar que a pessoa é um homem e que a parte “trans” não é a coisa mais importante ou central de sua identidade.
  • Trans mulher (confira Homem Para Mulher, acima): apesar de algumas pessoas utilizarem a grafia “transmulher” (sem espaço entre trans e mulher), há quem argumente que é melhor utilizar o espaço entre “trans” e “mulher” para indicar que a pessoa é um homem e que a parte “trans” não é a coisa mais importante ou central de sua identidade.
  • Pessoa trans (confira transgênero): outra maneira de dizer que alguém é uma pessoa transgênero.
Trans*
Este é um termo inclusivo, que se refere às muitas maneiras que uma pessoa pode transcender ou até mesmo transgredir o gênero ou as normas de gênero (por exemplo, inclui indivíduos que se identificam como transgênero, transexuais, gênero diverso etc.). Na maior parte das vezes o asterisco (*) não é seguido de um sexo ou termo de gênero – escreve-se simplesmente Trans* – para indicar que nem todas as pessoas se identificam com um rótulo de sexo ou gênero já estabelecido.
Transexual
Para muitos este termo indica alguém que fez alterações permanentes a seu corpo físico, especificamente a sua anatomia sexual (ou seja, genitais e/ou seios ou peito) por meio de cirurgias. Há quem considere o termo “transexual” problemático por causa de sua história de patologia ou associação a desordens psíquicas. A fim de conseguirem fazer as operações necessárias para a mudança de sexo, muitas vezes a pessoa precisa de um diagnóstico psiquiátrico (historicamente, este diagnóstico era dado como “transexualismo”) e de recomendações de profissionais da saúde. O termo “transexual” costuma ser utilizado menos frequentemente pelas gerações mais jovens de pessoas trans.

  • Mulher Transexual: alguém que nasceu num corpo masculino e realizou a transição (por meio de cirurgia e/ou hormônios) para viver como uma mulher.
  • Homem Transexual: alguém que nasceu num corpo feminino e realizou a transição (por meio de cirurgia e/ou hormônios) para viver como um homem.
Transmasculino
Alguém que nasceu num corpo do sexo feminino e se identifica como alguém masculino, mas não se identifica completamente como homem. Muitas vezes pode-se encontrar a expressão “centro-masculino” para indicar em que ponto as pessoas que se identificam como transmasculinas se enxergam com relação aos outros gêneros.
Transfeminino
Alguém que nasceu num corpo do sexo masculino e se identifica como alguém feminino, mas não se identifica completamente como mulher. Muitas vezes pode-se encontrar a expressão “centro-feminino” para indicar em que ponto as pessoas que se identificam como transmasculinas se enxergam com relação aos outros gêneros.

Apoie o Lado Bi!

Este é um site independente, e contribuições como a sua tornam nossa existência possível!

Doação única

Doação mensal:

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

23 comentários

Susan vaz

Vocês podem falar o que quiserem, mas não podem colocar hermafroditas/intersexo no mesmo pacote porque isso não resolve o problema do preconceito de vocês e ainda acabam envolvendo quem não tem nada a ver ou seja, só estão acrescentando a esse grupo mais um peso. O do mal entendido.

Responder
João Pereira

A cena é que eu até nem sou xenófobo. Mas isto é demais. Já que as pessoas podem ser o que lhes apetece, porque é que a essas escolhas põe nomes? Se há uma escolha que é não rotular o seu gênero, porque é que põem um rótulo nessa mesma escolha? Não faz sentido… Quanto aos questionários de orientação sexual e identificação de género, ponham uma opção em que a pessoa pode escrever o que de facto sente que é. E mesmo assim acho que exageram com a interpretação dos géneros, cada um sabe o que sente que é, simples. E isto é vindo de alguém que se identifica como um membro do gênero masculino heterossexual, o que não quer dizer que tenha uma má ideia ou opinião sobre os diferentes tipos de pessoas fora deste mesmo grupo. #Justsaying #IamwhateverIwanttobe #getyourshittogether

Responder
Ana

Perfeito. Penso exatamente o mesmo. A galera odeia rótulos, mas a cada dia, mais e mais são criados. Só não concordo que as pessoas se sintam a vontade para se descreverem, entende? Por mim, masculino, feminino e outro – como o Google já faz em suas contas – é o suficiente. Ir além disso seria especulação desnacessária. Abs!

Responder
Osa

Eu ainda não consigo entender a minha identidade de gênero, nao sei como me classificar, eu nasci fêmea, mas desde criança eu também queria ser homem, eu brincava de boneca com as meninas, mas queria brincar de futebol com os meninos, tinha dias que eu estava bem em ser mulher, mas eu tambem queria ser homem… Hoje em dia, é a mesma coisa no modo de me vestir, não sigo o padrão da sociedade, mesmo com 18 anos, tem dias que quero me vestir menininha, tipo infantil, mas tem dias que quero me vestir masculina, é a mesma coisa em relação a atração, eu só fiquei com homem, mas tenho vontade de me relacionar com mulheres, na verdade pra mim dificilmente alguem me atrai, seja homem ou mulher, simplesmente nada. E quando alguem me atrai (dificilmente) não me importo com genero, tipo pode ser mulher, homem.
Ah , e eu também não me comporto muito feminina, tipo eu tenho varias manias, como sentar com as pernas abertas, nao me depilar, não querer ser mãe, nao ta nem ai pra crianças ou bebês, não gostar de falar sobre macho, dificilmente ficar com alguém, olhar pro corpo das mulheres e não ter postura. Mas eu gosto de me maquiar, de me arrumar, e tals.

Responder
bruno

“filha”, você é mulher, larga de rotular isso é de homem e isso é de mulher. Tudo isso é de cidadão. Vc querer ter relacionamento com homem ou mulher so diz com quem vc quer ter prazer. Se vestir de forma masculina é o que? Usar calça e camisa? Depilar é so coisa de mulheres? Larga de confusão. Vc nasceu mulher. Agr como vc vai agir, vestir, comer, sentar, namorar, não é definido pelo gênero e sim por suas vontades. Vc não é personagem de video game que cria uma classe e dai vai definir como será o jogo. Vc é uma humana e ponto final.

Responder
Leslie Lemos

gênero fluído bissexual. Gênero fluído por causa das vestimentas, ora sente mulher ora menino, e bissexual por gostar de beijar os dois, msm que prefira mulheres… eu sou assim por isso me identifiquei.

Responder
Maria Clara

Não é tudo a mesma coisa, você que é ignorante para entender esse assunto tão atual, que na verdade é obrigação sua de se orientar e aprender que existe um mundo diferente no qual você não quer e nem pertence.

Responder
Edgardo

É interessante a lógica das proibições. Proíbem você de fumar, mas não proíbem você de comer brasas acesas. As duas coisas podem ser nocivas para você, mas você tem vontade apenas de fumar, então apenas isso precisa ser proibido. A proibição tem que ser de um desejo, senão não tem razão de ser. Só se proíbe o que é desejado.

E nessas horas me lembro de alguns “pastores” por aí, que proíbem tanto o “homossexualismo” e não falam nada sobre adultério. E Freud sorri.

Responder
Léo Barbosa

Aqui no Brasil não trabalhamos com essas terminações, FTM e MTF, pois entendemos que são extremamente patologizantes.
Nos entendemos como pessoas trans sendo as identidades de gêneros mais conhecidas e que lutam por direitos públicos são: Travestis, mulheres transexuais e homens trans.
E é importante frisar que as duas primeiras são femininas e a terceira masculina, exclusivamente.
Importante lembrar também que não somos homens que viraram mulher e nem mulheres que viraram homens, lembrem-se que gênero é uma construção social, somos pessoas que divergem do gênero imposto compulsoriamente ao nascer, e que apenas adequamos nossos corpos a nossa realidade mental de como nos sentimos e nos reconhecemos dentro da dicotomia de gêneros, homem/mulher.
Diferentemente das pessoas Cis que se sentem confortáveis com o gênero a elas imposto a partir de um genital.
Genitais são apenas uma parte do ser, mas não podem definir quem é esse ser. Afinal, se extrairmos o genital, essa pessoa deixa de ser quem ela se reconhece?

Responder
Marcia Beatrice

Gente, sou uma mulher transexual e já li algumas coisas sobre identidade de gênero e, por mais que eu tente, não consigo enxergar diferenças entre algumas delas descritas. As únicas que percebo são a mulher cisgênero, homem cisgênero, a mulher transexual, o homem transexual, o/a andrógeno/a, e o/a agênero. Os outros parecem repetição uns dos outros. Como, por exemplo, o andrógeno e o duplo-espírito, ou o pangênero. Na definição eu vejo a mesma coisa. Fico pensando se não estão forçando demais as coisa!?

Responder
Paulo

Entendo que num primeiro momento pode parecer assim, mas não é forçado. Ao contrário. Os gêneros são espontaneamente identificados por membros de culturas distintas, mostrando que é universal a dificuldade de lidar com conceitos pré-definidos de gênero.

Identidade de gênero é como o indivíduo enxerga o próprio gênero. Isso significa que gêneros não são conceitos pré-definidos, mas algo que faz parte da identidade do indivíduo e cuja definição cabe somente a ele.

Dependendo do gênero, é importante levar em conta os contextos específicos e culturais em que os gêneros são identificados. É possível que o gênero não seja definido apenas pela maneira como o indivíduo se vê, mas também pelo papel que um sujeito desempenha na sociedade, tribo ou grupo. Sabendo disso, fica mais fácil notar a diferença entre andrógino e duplo-espírito. O texto deixa claro também a diferença entre pangênero e andrógino. O pangênero é um gênero fluído, ou seja, pode ser idêntico ao andrógino em um dado momento e variar entre outros gêneros ao longo do tempo.

Mesmo que ocorra semelhança ou equivalência de significado na definição do gênero, isso não é um problema. Não precisamos nos conformar com qualquer definição de gênero que uma dada sociedade tenta impor aos indivíduos. Os gêneros listados aqui não devem servir como novas caixas de gênero para que cada um identifique a sua e fique nela para sempre. Podemos perfeitamente descartar ou aperfeiçoar qualquer conceito de gênero que seja incompatível com a visão que temos de nós mesmos.

Responder
Leonardo

Há um erro na explicação entre a grafia com hífen, espaço ou sem espaço de trans mulher.
“””Trans mulher (confira Homem Para Mulher, acima): apesar de algumas pessoas utilizarem a grafia “transmulher” (sem espaço entre trans e mulher), há quem argumente que é melhor utilizar o espaço entre “trans” e “mulher” para indicar que a pessoa é UMA MULHER e que a parte “trans” não é a coisa mais importante ou central de sua identidade.”

Responder
James Cimino

A gente já usa homem trans e mulher trans, Leonardo. Esse texto aí é antigo, quando ainda estávamos apredendo a nomenclatura…

Responder
Marianx

Oi, Luiz! A sua pergunta é importante porque esse é problema grave na língua portuguesa. Existem maneiras de se referir a uma pessoa sem usar marcações de gênero. Dizer ‘aquela pessoa’ ou simplesmente omitir o artigo da frase (se vc está escrevendo substitua o artigo por um X) são maneiras de respeitar a identidade de gênero de uma pessoa. Porém, vc deve observar como a pessoa refere a si mesma e sempre que se referir a ela, use os mesmos pronomes.
Eu por exemplo sou uma pessoa cisgenera não-binária e prefiro ser tratada no feminino, mas não me incomoda ser tratada no masculino. Mas tome cuidado, não assuma o gênero pela aparêcia! Vc vai acabar ofendendo alguém. Ajudei?

Responder
Luiz Arruda

Não entendi uma coisa:
Que pronome de tratamento usar para cada tipo de gênero?
Eu sei que para homem é masculino. Mulher, feminino. E os outros?

Responder