Vídeo emocionante contesta leis homofóbicas da Rússia

Vídeo emocionante contesta leis homofóbicas da Rússia

A organização All Out quer que o COI pressione o governo da Rússia para que as leis contra "propaganda gay" sejam abolidas

por Marcio Caparica

“E se para você realizar seu sonho, você tivesse que viver uma mentira?”. Essa é a mensagem final do vídeo que a ONG All Out soltou na web ontem, protestando contra as leis russas que proíbem a “propaganda gay”. Este vídeo faz parte da campanha #LoveAlwaysWins (“o amor sempre vence”), que luta para que essas leis sejam abolidas.

“A Rússia transformou a demonstração de afeto entre gays em ato criminoso”, disse Mike Buonaiuto, diretor do vídeo e coordenador criativo da All Out, ao site Huffington Post. “Este filme foi criado para comunicar essa questão global de uma maneira emocionante, para que as pessoas sejam capazes de compartilhar essa mensagem com sua família, amigos e pessoas queridas via Facebook, Twitter e Tumblr, e pressionar o Comitê Olímpico Internacional a tomar uma posição.”

O fundador da All Out, Andre Banks, continua: “as leis russas não deixam claro se demonstrações públicas de afeto, sair do armário em rede nacional ou a menção da pessoa amada, ou mesmo abraçar seu parceiro depois de ganhar uma medalha de ouro poderia resultar em multas ou deportação. Putin quer que nós pensemos que gays e lésbicas serão bem-vindos durante as Olimpíadas de Inverno, mas ninguém vai conseguir se sentir seguro enquanto essa lei estiver em vigor. Não é tarde demais. A China fez grandes concessões antes dos Jogos Olímpicos de Pequim para garantir que as Olimpíadas de 2008 teriam padrões consistentes com as normas internacionais, e a Rússia não deveria ser exceção.”

Em agosto a All Out entregou uma petição com 300 mil assinaturas ao COI, exigindo que os membros do comitê se declarassem a respeito dessa infração dos direitos humanos na Rússia.

Confira abaixo o vídeo da campanha e também uma explicação das atividades da All Out.

Confira também o Lado Bi da Rússia!

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *