Revolta de Stonewall recontada em HQ

Revolta de Stonewall recontada em HQ

O quadrinista Mike Funk reconstitui o tumulto que mudou a história do movimento gay - e mostra que ele não é bem como você pensa

por Marcio Caparica

Mike Funk é um quadrinista de 20 e poucos anos dos Estados Unidos. Trans-homem, ele conta histórias que abordam as questões LGBT  e compartilha com seus leitores fatos pessoais íntimos. Seu traço é simples e expressivo, o que de certa maneira torna seu trabalho ainda mais intenso.

Ano passado Mike pesquisou várias fontes e desenhou uma história de 16 páginas reconstituindo os famosos tumultos que ocorreram no bar Stonewall em Nova York, ponto de início da luta LGBT por direitos iguais aos héteros. Se bem que, como você vai ver abaixo, a moral da história não é bem essa. Mike deu permissão ao LADO BI para traduzir sua obra e assim ajudar a  diminuir a injustiça que a versão oficial da revolta de Stonewall vem causando. Leia até o fim e descubra os verdadeiros heróis desse momento.

Você também acha que revolta é coisa de viado? Não deixe de ouvir o Lado Bi da Revolta!

Stonewall 1969 2/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 3/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 4/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 5/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 6/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 7/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 8/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 9/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 10/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 1/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 12/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 13/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 14/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 15/16 -  copyright 2012 Mike Funk Stonewall 1969 16/16 -  copyright 2012 Mike Funk

Participe da discussão! Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 comentários

Cris Stefanny

Parabéns pela matéria… Apenas uma observação, naquela época não se tinham as tecnologias cirúrgicas que se tem hoje em em dia, sendo assim, não eram Darg Queen, mas sim travestis!

Reply
Marcio Caparica

Cris, se você está definindo a identidade de gênero por meio de procedimentos cirúrgicos (o que não deve-se fazer, aliás), acho que você também está se enganando: as pessoas que realizam a cirurgia de mudança de sexo não são drag queens nem travestis, mas homens e mulheres trans*. Mas lembre-se que a cirurgia não é o que define uma pessoa trans*, apenas a própria pessoa pode decidir qual é sua identidade de gênero e cabe a nós respeitar essa autodefinição.

Reply